Convênios garantem diversas possibilidades de mobilidade acadêmica na UFT

Imprimir

Postado em quarta-feira, 22 de janeiro , 2014

Adquirir novos conhecimentos, experimentar uma nova realidade. Esses são alguns dos motivos que têm levado dezenas de estudantes da Universidade Federal do Tocantins (UFT), todos os anos, a embarcar para o exterior ou destinos brasileiros em programas de mobilidade acadêmica. São também motivos que trazem para a instituição outras dezenas de estudantes de diversos países, como Denilson Fortunato. O angolano chegou à Universidade em maio de 2013, está no segundo período do Curso de Arquitetura e Urbanismo e pretende ficar no Tocantins até o fim de graduação. “As universidades públicas brasileiras são muito boas em relação às do meu país”, elogia.

Melhores ou piores, quando se fala em mobilidade acadêmica em geral não se trata desse tipo de comparação. Nessa via de mão dupla, o que conta é a experiência para a formação dos futuros profissionais. Além disso, a internacionalização é valor agregado positivamente para as instituições. Por isso, a UFT mantém atualmente, por meio da Diretoria de Assuntos Internacionais (DAI), 22 convênios de mobilidade acadêmica com Instituições de Ensino Superior do Brasil e de diversos outros países para intercâmbios científicos, de pesquisa e trocas culturais entre estudantes e docentes.

O Programa de Estudantes-Convênio de Graduação (PEC-G) oferece, desde 2005, oportunidades de formação superior a cidadãos de países em desenvolvimento com os quais a UFT mantém acordos educacionais. Desde o início do programa, 44 alunos advindos de países como Angola, Colômbia, Cabo Verde, Congo, Guiné-Bissau, Haiti e São Tomé foram recebidos por várias graduações oferecidas na Universidade. Só em 2013 chegaram quatro alunos estrangeiros atendidos pelo PEC-G, entre eles o Denilson.

Outros programas que a UFT dispõe são os financiados pelo Banco Santander. Pelo Ibero-América a UFT recebeu três alunos no segundo semestre de 2013, e outros três estudantes da UFT devem sair para outras instituições em 2014. O programa busca promover a internacionalização das atividades acadêmicas, fortalecendo o intercâmbio bilateral.

Já o Amazônia 2020 é um programa de bolsas de estudos para a Língua Inglesa e Língua Espanhola, também financiado pelo Santander, voltado para a Região Norte do país. Essa modalidade oferece o ensino de idiomas a distância para alunos, professores e técnicos-administrativos. Desde 2011, 400 alunos da UFT fizeram o curso de Inglês e 492 cursaram Espanhol.

Mas o carro-chefe do momento em matéria de mobilidade acadêmica é o Ciências sem Fronteiras, uma iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação (MEC) que já beneficiou quase 60 estudantes da UFT. “Com a abertura de editais nós realizamos um trabalho de mostrar para os nossos alunos que eles têm condições de fazer a mobilidade”, diz a diretora de Assuntos Internacionais da UFT, Márcia Shneider, ao comentar o papel de orientação da DAI. E é principalmente de olho nessas oportunidades que cerca de 55 alunos da UFT iniciaram neste mês de janeiro com o Núcleo de Línguas da DAI as aulas presenciais do curso Inglês sem Fronteiras, que visa contribuir para a superação de uma das principais barreiras da mobilidade acadêmica: a falta de fluência dos estudantes em outros idiomas.

Outra ação com vistas à internacionalização da UFT, alcançada ainda em 2013, foi o credenciamento da Universidade junto à Mastertest para a aplicação de exames de proficiência em Inglês. “Em 2013 nós atendemos três vezes os professores da rede pública de ensino que foram para os Estados Unidos fazer aperfeiçoamento. Aplicamos 430 testes na UFT, e em 2013 acreditamos que iremos alcançar este número já no primeiro semestre”, comenta Márcia.

Oportunidades com inscrições abertas:

Becas Abertas para o Brasil – É um programa de intercâmbio ligado à instituição Erasmus Mundus e financiado pela Comissão Europeia que visa à concessão de bolsas a estudantes brasileiros e europeus nas áreas de Engenharia, Tecnologia, Educação e Treinamento de Professores. O projeto é coordenado pela Université de Lille, na França. Docentes e técnicos-administrativos também podem concorrer na modalidade de aperfeiçoamento, que concede bolsas de um mês em instituições europeias cadastradas. Inscrições abertas até 16 de fevereiro. Mais informações no site http://ibrasilmundus.eu/.

Inglês sem Fronteiras – Oferece curso de inglês online e é destinado aos alunos de graduação e pós-graduação das instituições de ensino superior brasileiras potenciais participantes do programa de mobilidade Ciência sem Fronteiras. Inscrições abertas entre os dias 22 de janeiro e 02 de fevereiro. Para participar é preciso cadastrar-se no sitehttp://myenglishonline.com.br/.

 

 

Bianca Zanella Ribeiro

Jornalista e Coordenadora de Comunicação | Núcleo de Internet e Mídias Sociais

Diretoria de Comunicação (Dicom) | Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Postado em Nas IFES | Tagged |