UFMG – Centros de saúde melhoram assistência a pacientes com tuberculose

UFMG – Centros de saúde melhoram assistência a pacientes com tuberculose

Juliana Veiga: mais de 450 profissionais foram ouvidosCarol Morena | Medicina UFMG

 

O controle da tuberculose em Belo Horizonte melhorou no período de 2016 a 2018, no que se refere à Atenção Primária à Saúde (APS), nível de atendimento recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para casos iniciais da doença. Essa é a conclusão dos estudos de mestrado da gestora de tuberculose em Belo Horizonte Juliana Veiga Costa Rabelo, que avaliou as ações e desempenho dos centros de saúde da capital mineira.

A sua dissertação, defendida no Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde: Infectologia e Medicina Tropical, da Faculdade de Medicina, evidenciou que 32 dos 44 indicadores de avaliação do serviço oferecido tiveram resultados positivos. Além disso, sugeriu mudanças para os que não alcançaram melhorias, como intervenções nas condições sociais dos pacientes.

Os resultados foram extraídos das respostas de 455 profissionais das 588 equipes de saúde da família (EqSF) da capital mineira que responderam a um questionário sobre o atendimento em relação aos recursos humanos (capacitação e envolvimento dos profissionais), recursos físicos (acesso aos insumos, equipamentos e medicamentos) e atenção proporcionada (manejo dos casos e escuta qualificada, por exemplo).

O estudo é tema de matéria publicada na edição 2.081 do Boletim UFMG.

Compartilhar