UFMT, Unemat e IFMT realizam 2º Encontro do Fórum Permanente das Ipes

Para discutir e propor um planejamento estratégico conjunto das Instituições Públicas de Ensino Superior de Mato Grosso com foco na pesquisa, extensão, ensino e relações institucionais e internacionais, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) sediou o 2º Encontro do Fórum Permanente das Instituições Públicas de Ensino Superior de Mato Grosso. O evento, que acontece no Hotel Holiday Inn, em Cuiabá, durante toda a sexta-feira (7), reúne os reitores, os pró-reitores e os secretários da UFMT, da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT).

Para a reitora da UFMT, professora Myrian Serra, o Fórum é uma boa oportunidade para potencializar as ações de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidas pelas três instituições públicas de Mato Grosso. “Além de planejar e articular ações conjuntas, as Universidades poderão trocar saberes, principalmente aqueles voltados para ciência e tecnologia, fortalecendo cada vez mais nossa pesquisa e o ensino de graduação e de pós-graduação”, observou a reitora, ressaltando ainda o ganho da sociedade como um todo e, especificamente, do setor produtivo, bem como da academia. “Quando as ações são articuladas elas se fortalecem, proporcionando o desenvolvimento do Estado e a melhoria dos serviços prestados à sociedade”, afirmou.

A reitora da Unemat, professora Ana Maria Di Renzo, também destacou o papel do Fórum de propor políticas de Estado quanto ao acesso ao ensino superior. “É um espaço onde fazemos encontrar os anseios de todas as instituições de ensino superior públicas de Mato Grosso, voltando o olhar para as necessidades de áreas estratégicas, como é o caso do ensino de graduação, do ensino básico, bem como dos setores produtivos. Neste encontro, temos esse desafio: pensar, de forma conjunta, como as Ipes mato-grossenses podem contribuir com suas pesquisas para suprir essas demandas”, pontuou.

Por sua vez, o professor Willian Silva de Paula, reitor do IFMT, enfatizou a necessidade de fortalecer a inovação tecnológica em Mato Grosso, para atender melhor as demandas de crescimento do Estado. Ele defendeu a aproximação entre as universidades púbicas e setor produtivo da Região. “Temos que fortalecer esse vínculo e voltarmos, cada vez mais, nossa atenção para o setor produtivo de Mato Grosso, tanto o setor agropecuário, quanto o industrial e o de alimentos, porque, no final, quem ganha com isso é a sociedade”, destacou. Por outro lado, o reitor também apontou a necessidade de fortalecer o ensino, a pesquisa e a extensão, para que as Ipes de Mato Grosso possam potencializar os trabalhos realizados em prol do Estado.

Ao final do dia, além do encaminhamento das deliberações dos grupos de trabalho, será redigida a Carta Pública do Fórum Permanente, documento que será distribuído às autoridades públicas e da sociedade civil. A próxima edição do Fórum será sediada pelo IFMT.

Carta

Como resultado do 2º Encontro do Fórum Permanente das Instituições Públicas de Ensino Superior de Mato Grosso, realizado na sexta-feira (7), em Cuiabá, as reitoras da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), professora Myrian Serra, da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), professora Ana Maria Di Renzo, e o reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT), professor Willian Silva de Paula, redigiram uma carta aberta. O documento será distribuído às autoridades públicas e sociedade civil.

Na Carta Aberta, os reitores destacam que a função do Fórum é ampliar a interlocução com o poder público em geral e sociedade civil organizada, objetivando consolidar uma atuação conjunta de agendas e projetos estratégicos que qualifiquem as ações das três instituições, além de fortalecer o apoio às políticas públicas voltas para o desenvolvimento regional sustentável. Além disso, os representantes da UFMT, da Unemat e do IFMT reafirmam a postura de diálogo e empenho na busca por melhores alternativas compartilhadas e atuação na construção coletiva das Instituições.

Confira a carta na íntegra.

Compartilhe: