V Pesquisa do Perfil Socioeconômico dos Estudantes de Graduação das Universidades Federais

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), apresentou recentemente a quinta edição da Pesquisa do Perfil Socioeconômico dos Estudantes de Graduação das Universidades Federais. O documento constitui a principal e mais ampla fonte de dados sobre estudantes de graduação das universidades federais brasileiras. O levantamento reúne, além de dados do perfil social (cor ou raça, sexo, idade, estado civil, nacionalidade, escolaridade de pais e mães) e econômico (renda, trabalho, bens e moradia), indicadores educacionais e acadêmicos anteriores e posteriores ao ingresso dos estudantes nas universidades.

De acordo com o presidente da Andifes, reitor Reinaldo Centoducatte (UFES), o resultado da pesquisa é um importante instrumento que poderá auxiliar na formulação de políticas públicas para todos os brasileiros, pois possibilita conhecer aspectos da trajetória acadêmica dos estudantes e levantar tendências que ajudam a traçar e avaliar as políticas públicas implementadas. “Como tudo que as universidades federais fazem, essa pesquisa é de interesse nacional, do Governo Federal e do Ministério da Educação, dos governos estaduais, do Congresso Nacional, de estudiosos, e de todos aqueles que tenham interesse. A pesquisa corrobora o papel social das universidades a serviço do Brasil, auxiliando políticas públicas e contribuindo para o crescimento do País.”

Durante quatro meses, foram coletadas informações dos estudantes da graduação das 63 universidades federais. Foi um processo que envolveu, além de mais de 420 mil estudantes diretamente, toda a comunidade acadêmica, em um levantamento de dados que vão desde o perfil básico, como gênero, raça e idade, até os caminhos percorridos pelos graduandos a partir da educação básica. Após o término dessa fase, os questionários foram minuciosamente analisados pelos pesquisadores, por cerca de seis meses.

Cotas
Além dos dados relativos à faixa renda mensal familiar per capita até um e meio salários, dos dados sobre cor e raça e o percentual de estudantes oriundos de escolas públicas de Ensino Médio, nesta última edição da pesquisa os dados sobre cotas, chamam atenção: o percentual de cotistas saiu de 3,1%, em 2005, para 48,3%, em 2018.

Renda
Outro dado que se destaca é o percentual de estudantes inseridos na faixa de renda mensal familiar per capita até um e meio salários mínimos. Em 1996, quando foi realizada a primeira edição da pesquisa, eles eram 44,3% do corpo discente, número relativamente próximo aos dos percentuais encontrados nos levantamentos realizados em 2003 e 2010. Porém, percebe-se que, a partir de 2014, ocorre salto e os estudantes nessa faixa de renda passam a ser 66,2% do total de estudantes da graduação, chegando a 70,2% em 2018.

Gênero
A pesquisa mostra que estudantes do sexo feminino são maioria absoluta nas universidades federais, desde a primeira pesquisa. Em 1996, as mulheres eram 51,4% do corpo discente e, em 2018, ela são 54,6%.

Políticas Públicas
Como já foi explicado pelo presidente da Andifes, os resultados da pesquisa permitem que gestores, políticos, professores, estudiosos ou qualquer integrante da sociedade civil possa produzir diagnósticos e propor políticas que beneficiem e gerem resultados para as comunidades em que estão inseridos. “As políticas públicas, para seu sucesso, são dependentes de diagnósticos, indicadores, monitoramento e avaliação, e essa pesquisa apresenta infinitas possibilidades de análises acerca do perfil estudantil, nas mais diversas dimensões da vida discente. A pesquisa traz informações, por exemplo, sobre a saúde mental dos alunos e quais podem ser as causas e desdobramentos na vida do estudante a partir desse viés. E todos esses resultados estão à disposição dos brasileiros”, destaca.

Assistência Estudantil
As políticas de assistência estudantil adotadas pelas universidades federais têm como objetivo minimizar desigualdades por meio do acesso ao direito à educação superior pública, gratuita e de qualidade. Nesse sentido, os resultados da pesquisa auxiliam na realização de um diagnóstico das vulnerabilidades, que serve como ponto de partida para a busca de respostas e soluções efetivas, a exemplo do Plano Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes).

As universidades refletem o Brasil
A V Pesquisa mostra que o perfil dos estudantes de graduação das universidades federais brasileiras está, a cada edição, mais próximo do perfil sociodemográfico do Brasil. Os resultados mostram que as universidades expressam a diversidade cultural, racial e de sexo da população brasileira, assim como a desigualdade de renda. A renda mensal familiar nominal média per capita no país, publicada pelo IBGE em 2018, era de R$1.373,00, enquanto a renda mensal familiar nominal média per capita dos estudantes da graduação é de R$1.328,00.

Conheça o relatório completo da V Pesquisa do Perfil Socioeconômico dos Estudantes de Graduação das Universidades Federais.

Baixar Arquivo pdf
Compartilhe: