Home Artigos Sobre balas, livros e o futuro do Brasil – Por Emmanuel Tourinho

Sobre balas, livros e o futuro do Brasil – Por Emmanuel Tourinho

0
0

Com o apoio político, financeiro e midiático de parcelas não desprezíveis da população, avança no Brasil um projeto de socidade baseado no obscurantismo, na violência e na fragilização de instituições. Discute-se, neste momento, um novo corte nos investimentos em ciência e tecnologia e nos orçamentos das universidades públicas, além da suspensão da obrigatoriedade de um piso de investimentos em educação e saúde, ao mesmo tempo em que se aprovam medidas que estimulam e facilitam o acesso a armas e munições. Isso tudo em meio a uma pandemia em que centenas de milhares de mortes acontecem com o pano de fundo de negligências múltiplas e de políticas públicas refratárias às recomendações da ciência.

Em diferentes momentos históricos, muitas sociedades apostaram (algumas ainda apostam) na violência e no pensamento sem rigor para enfrentar os seus desafios. Outras apostaram na educação de qualidade e no conhecimento científico. Seria conveniente examinar o que produziram umas e outras para vislumbrar o que pode ser o futuro do Brasil.

Sociedades refratárias à ciência e promotoras da violência como modo de resolução de conflitos internos são incapazes de promover qualidade de vida para a população, têm economias devastadas e vivem sob regimes antidemocráticos, com toda sorte de violação de direitos. Sociedades que contam com instituições sólidas para mediar a resolução de conflitos e que investem em educação, arte, cultura e ciência, ao contrário, estão aptas a resolver os problemas mais complexos da vida contemporânea.

Contribui para que o discurso incivilizado prospere o fato de que investimentos públicos em educação, ciência e tecnologia não produzem resultados rápidos. Em especial, não produzem resultados no tempo de mandato de um governante, daí ser indispensável que a sociedade civil organizada conquiste espaços nos processos decisórios. São necessárias algumas décadas para que uma nação mude de patamar, o que invariavelmente ocorre quando as políticas públicas são consistentes.

No Brasil, apesar da instabilidade das políticas públicas nas últimas décadas, avançamos muito. Temos competência científica e tecnológica em todas as áreas de conhecimento (infelizmente, operando com alta taxa de ociosidade, por falta de verbas para o financiamento da pesquisa); temos um sistema competente de Universidades Públicas, responsável pela melhor educação superior e a quase totalidade da ciência feita no país (também operando abaixo de sua capacidade, pelas mesmas razões); e temos recursos naturais em abundância, incluindo a maior biodiversidade do planeta (hoje mais fortemente ameaçada de devastação).

É inquietante que ainda estejamos discutindo o que é melhor para o futuro do país e, mais ainda, convivendo com passos largos em direção a um passado de (maior) incivilidade e barbárie. É urgente que a sociedade se mobilize em favor de uma pauta civilizatória em que os livros prevaleçam sobre as balas.

*Emmanuel Zagury Tourinho é reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA)

Carregue mais artigos relacionados
Carregue mais em Artigos

Deixe uma resposta

Vejam também

UFRA lança campanha “70 Anos em 70 Posts” para relembrar fatos importantes sobre a primeira rural do Norte

São sete décadas de atuação na Amazônia e muitas histórias pra contar. Por isso, a partir …