Home Universidades Federais UFRJ – Coleção indígena do Museu Nacional ganha exposição virtual

UFRJ – Coleção indígena do Museu Nacional ganha exposição virtual

0
0

“Os Primeiros Brasileiros” não foi alcançada pelo incêndio e apresenta memórias da formação do Brasil

Exposição virtual “Os Primeiros Brasileiros” estreia nesta terça-feira, 13/4 | Foto: Divulgação/Museu Nacional/UFRJ

Painéis históricos, músicas, filmes e fotografias que registram a diversidade e as narrativas dos povos indígenas compõem a exposição Os Primeiros Brasileiros. Concebida pelo antropólogo João Pacheco (Museu Nacional/UFRJ) em estreita parceria com a Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (Apoinme), a mostra já foi apreciada por mais de 250 mil pessoas e, agora, ganha sua edição virtual.

Em 2018, quando ocorreu o incêndio no Museu Nacional, a coleção estava no Memorial dos Povos Indígenas, em Brasília. A última versão física da mostra ocupou o Arquivo Nacional (RJ) em 2019, e precisou ser fechada ao público em março do ano passado, no contexto de enfrentamento à pandemia da COVID-19. Esta edição virtual, incentivada pelo Projeto Museu Nacional Vive (cooperação técnica entre UFRJ, Unesco e Instituto Cultural Vale), surge em meio aos esforços pela reconstrução do Museu e convida toda a sociedade a reativar o contato com este importante acervo.

Vídeo: Divulgação/Museu Nacional/UFRJ

A exposição, por meio da consideração dos povos indígenas do Nordeste, representa um mergulho na história do Brasil, recupera a exuberância dessas populações ao início da colonização, mostra as formas de dominação a que foram submetidas, exibe a força e a vitalidade de sua produção cultural. Ao fim, aponta o protagonismo desses povos e comunidades na contemporaneidade, colocando em prática uma nova forma de cidadania, que colabora com a construção de um projeto de nação pluriétnica e multicultural. (João Pacheco, organizador da exposição virtual)

Para despertar novas emoções e perspectivas sobre os indígenas, a exposição propõe uma imersão em imagens, textos e trilhas sonoras apresentadas em quatro momentos:

  • o primeiro encontro;
  • a armadilha da colonização;
  • o mundo indígena; e
  • as formas contemporâneas de cidadania.

Cerca de 180 imagens de materiais históricos e contemporâneos, 12 trilhas sonoras e 5 filmes compõem os ambientes. Fotografias e descrições de artefatos que não foram alcançados pelo incêndio, como um manto tupinambá, máscaras rituais, armadilhas, objetos musicais e armamentos ilustram a riqueza da coleção. Um dos aspectos diferenciais desta edição é o maior espaço dedicado a narrativas e representações indígenas do nosso tempo, seja por meio de vídeos-depoimentos ou galerias com imagens dos diversos povos. Outro destaque é a oferta de um “Guia Didático para Educadores”, com referenciais teóricos e sugestões de atividades práticas, que poderão ser desenvolvidas em salas de aula físicas ou digitais.

“Os Primeiros Brasileiros” | Imagem: Divulgação/Museu Nacional/UFRJ

Essa exposição virtual é mais um exemplo da resiliência do Museu Nacional, que mesmo diante de todas as adversidades, consegue apresentar ao público um produto de alta qualidade. Ao disponibilizar essa exposição virtual, multimídia e gratuita, com suporte aos educadores, estamos ampliando o acesso da missão educativa, científica e cultural do nosso museu de história natural e de antropologia, atravessando as fronteiras do Rio de Janeiro. Tudo isso graças à dedicação dos nossos diferentes especialistas e dos nossos parceiros tão essenciais, que apoiaram e trabalharam em conjunto com o curador e sua equipe, buscando estimular importantes reflexões nas aulas, a partir dessa experiência de encantamento sobre os saberes tradicionais e científicos. (Alexander Kellner, diretor do Museu Nacional)

A exposição está acessível em www.osprimeirosbrasileiros.mn.ufrj.br

Sobre o Projeto Museu Nacional Vive
O Projeto Museu Nacional Vive, que apresenta a edição virtual desta exposição, é resultado de uma cooperação técnica firmada entre a UFRJ, a Unesco e o Instituto Cultural Vale.

Com patrocínio platina do BNDES, Bradesco e Vale; apoio do Ministério da Educação (MEC), bancada federal do Rio de Janeiro, Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) e do Governo Federal, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, o Projeto aposta na mobilização social e na articulação permanente de parcerias para reconstruir e devolver o Museu Nacional/UFRJ à sociedade o mais breve possível. O projeto é orientado pelos princípios da transparência e da participação e conta com a parceria de instituições como a Associação Amigos do Museu Nacional (Samn).

Carregue mais artigos relacionados
Carregue mais em Universidades Federais
Comentários estão fechados.

Vejam também

Universidade fica inviável – Por Denise Pires de Carvalho e Carlos Frederico Leão Rocha

A pandemia da Covid-19 revelou a importância da ciência no enfrentamento de questões de ri…