SBPC diz que continuará lutando por recursos dos royalties para CT&I

SBPC diz que continuará lutando por recursos dos royalties para CT&I

Em entrevista a Agência Gestão CT&I, a presidente da SBPC, Helena Nader, alertou que é preciso fazer com que parte desses royalties sejam aplicados em atividades de CT&I

A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) informou que apoia a destinação dos royalties do petróleo para educação e saúde, mas alertou que é preciso também garantir recursos para ciência, tecnologia e inovação (CT&I). O projeto aprovado nesta terça-feira (2), no Senado, estipula que 75% do aporte seja feito em educação, prioritariamente em educação básica, e 25% em saúde.

Em entrevista a Agência Gestão CT&I, a presidente da SBPC, Helena Nader, alertou que é preciso fazer com que parte desses royalties sejam aplicados em atividades de CT&I. “Não adianta investir só em uma ponta. Vamos continuar brigando para que os recursos da educação e da saúde sejam dedicados à ciência, tecnologia e inovação que é transversal a todas as áreas”, afirmou após participar do seminário sobre o Projeto de Lei 2.177/2011, em São Paulo (SP), na última segunda-feira (1°).

Nader se mostrou receosa com o futuro do Fundo Setorial do Petróleo (CT-Petro), um dos 17 que compõem o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT). “O grosso dos nossos recursos hoje, envolvendo a pesquisa fundamental, é o CT-Petro. A situação vai ficar complicada se for cortada parte de uma fonte tão importante”, disse

A permanência do CT-Petro está diretamente ligada aos recursos da exploração de poços de petróleo, que foram licitados antes de dezembro de 2012. Caso os royalties desses contratos sejam incluídos na repartição o fundo setorial pode deixar de ganhar recursos ou até mesmo desaparecer.

Da forma como o texto tramita no Congresso, caso seja aprovado em definitivo, o CT-Petro deixará de receber recursos de poços de petróleo na camada pré-sal que já foram licitados. Parte desses recursos que hoje vão para o fundo setorial seriam empregados em educação. Do total, 50% irá para a educação até que sejam cumpridas as metas estabelecidas no Plano Nacional de Educação (PNE), que prevê investimento de 10% do produto Interno Bruto no Setor. O restante será aplicado no Fundo Social do Pré-Sal, uma espécie de poupança.

Opinião do MCTI

De acordo com o secretário executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Luiz Antonio Elias, como o fundo setorial continuará a receber recursos importantes, não há motivo para preocupação. Ele se baseia nas declarações da Presidência da República de que não haverá prejuízo para os recursos da CT&I e defesa nacional.

“É importante lembrar que o regime de concessão ainda tem barris a serem explorados, portanto a receita é crescente. A receita adicional para o FNDCT, em 2014, deve ser de R$ 1 bilhão. Hoje nós temos R$ 4,4 bilhões e, possivelmente, com as estimativas que fizemos, com cálculos bastante rigorosos, chegará a R$ 5,5 bilhões, e a tendência é ser crescente até 2020, que foi o cálculo final feito por nós”, explicou.

Para as entidades científicas, Elias fez questão de alertar que investir em educação é investir em CT&I. “Os recursos dos royalties são também para a educação profissional. Isto envolve ter relação com as áreas laboratoriais”, concluiu. Mas a presidente da SBPC, Helena Nader, lamentou o fato de a CT&I ter ficado fora do destino dos royalties do petróleo. “Se tivéssemos entrado na partilha poderíamos ter muito mais recursos”.

Tramitação

O texto aprovado pelo Senado Federal volta para a Câmara dos Deputados por ter sido modificado. Além da inclusão dos royalties dos poços de petróleo do pré-sal já licitados na partilha entre educação e saúde, os senadores também alteraram as regras para que os estados possam aplicar até 60% dos royalties no custeio de despesas com manutenção e desenvolvimento do ensino, especialmente na educação básica de tempo integral, inclusive as relativas a pagamento de salários aos profissionais do magistério da rede pública.

A expectativa é a de que o texto seja apreciado no plenário da Câmara até a segunda quinzena de julho, quando os parlamentares entram em recesso. No entanto, o presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL), já cogita a possibilidade de estender o período de trabalho para votar medidas importantes como os royalties e a reforma política.

Agência Gestão CT&I

Handbags For Women Who Hate Handbags
cheap flights neatly hidden in fall’s newest footwear

5 Tips On Choosing Gifts For Women In Your Life
forever 21 The company operates through its subsidiaries nearly 2

spin on its leather goods
onlinegames how many of us can say that we have that

How to Apply Egyptian Makeup
jeux fr If you looking to jazz up your otherwise simple button down

Finding Top Shelf Cigars for Bottom Shelf Prices
games retro sweet web based

9 Surprising WWI Fashion Factoids from
kleider If you are not sure how to dress for a dinner date

Are those sweatpants at NY Fashion Week
ballkleider Enter Faust’s Saber dolls

What to Wear to a Wedding
cool math sweaters with a closer fit to the body

Compartilhar