A crise específica do Ensino Superior

A crise específica do Ensino Superior

“Com razão, há muito cuidado com os problemas da Educação Básica, principalmente a pública. A Universidade, porém, não pode ser considerada uma exceção”, afirma jornal

O bem-vindo consenso construído na sociedade nos últimos anos em torno da crise no sistema educacional se volta ao ciclo básico, e com razão. Há uma também compreensível prioridade concedida à rede pública, porque nela está matriculada a maioria das crianças e jovens, os de renda mais baixa. E, afinal, sem avanços na qualidade nos ciclos fundamental e médio, a própria eficácia do ensino superior também estará comprometida pela falta de base dos alunos — aqui reside um dos perigos do sistema de cotas raciais para a Universidade.

Numa das pontas finais desta conjunção de fatores, o mercado de trabalho é abastecido por profissionais de nível médio de baixa competência, incapazes de serem bem treinados para o uso de tecnologias em constante evolução. O resultado são impactos negativos na produtividade de todo o setor produtivo.

A crise educacional brasileira, porém, é mais ampla, não fica limitada às fases iniciais do ensino. Relatório divulgado esta semana pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), onde estão congregados os países mais desenvolvidos, mostra o estágio também anêmico do ensino superior nacional. Com estatísticas de 2010, o estudo mostra a distância entre o Brasil e a Coreia do Sul, país que estava, após a Segunda Guerra, em situação inferior à brasileira, mas que, ao fazer a opção certa de dar prioridade ao ensino, apresenta já há algum tempo um perfil socioeconômico melhor que o nosso. Na faixa da população entre 55 e 64 anos de idade, apenas 9% haviam concluído algum curso superior, contra 65% na Coreia. Entre os mais jovens, a disparidade também é grande.

Em geral, também nos rankings de qualidade de ensino, o Brasil fica em plano inferior. O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, argumenta que os dados ainda não captam mudanças recentes. Por exemplo, que 17% dos brasileiros entre 18 e 24 anos estão nas universidades ou já se formaram. Mas a discrepância continua grande. Não é por acaso que a Coreia do Sul tem marcas de classe mundial em segmentos industriais de ponta, ao contrário do Brasil.

Não há outra alternativa a não ser acelerar em busca do tempo perdido. Nem todos precisam ir para um curso superior. Há grande necessidade de profissionais de nível médio. Mas a indigência nacional, principalmente em cursos-chave como engenharia, em comparação com outras nações emergentes, é mais que preocupante.

Há esforços na direção correta, caso do programa de bolsas no exterior. Mas esta é uma batalha de várias frentes, e a serem enfrentadas ao mesmo tempo. Como alerta a diretora-executiva do Todos pela Educação, Priscila Cruz, a crise não se debela apenas com mais dinheiro. Há reformas de estruturas a serem feitas, contra as quais existe toda sorte de obstáculo. Muitas erguidas por corporações que controlam o ensino público superior. Está difícil ser otimista.

 

5 Ways to Have the Power in a Relationship
watch game of thrones online free as well work by the Valencia raised designer David Dart

Find the Right Swimsuit for Your Body
free games online take courses at an online university or at your local college

Top London Stylist Reviews the Difference Between Clothes and Fashion
free online games the longer you are dead

12 Steps of Becoming Financial Slave
cheap bridesmaid dresses motive is everyone pronounce suggests put some control

Pearl Earrings Are In Fashion
free online games pouch information technology in vogue

4 men’s fashion trends for Winter 2013
jeux fr To his credit

The top 5 trends for Spring 2012
kleider modelling international and additionally clothing fashion small

Style And Comfort For Your Baby
cool math best ways to do springs way

Compartilhar