Andifes Contra a Fome

Andifes reúne projetos das universidades federais para o combate à fome com sustentabilidade   

Imagem: Divulgação

Em uma ação conjunta com as universidades federais, a Andifes iniciou um mapeamento com o objetivo de identificar os projetos científicos e tecnológicos voltados para combater a fome com sustentabilidade, em meio a mudanças climáticas que colocam em xeque a segurança alimentar. 

Até agora, a entidade levantou mais de 150 projetos conduzidos pelas universidades federais, com foco no fortalecimento da agricultura familiar, com técnicas agrícolas para produção, comercialização e estímulo ao empreendedorismo, pensando em um planejamento estratégico nacional, a partir da capilaridade das 69 universidades federais, vinculadas a 314 campi distribuídos pelo País. 

A iniciativa faz parte da campanha de 35 anos da Andifes, criada em 23 de maio de 1989, e que está em linha com objetivos do governo Lula, como combate à fome, redução das desigualdades sociais, transição energética e proteção ambiental. A iniciativa prevê parcerias internas e externas na busca de investimento para esses projetos que fortalecem a agricultura familiar e que contribuem com o desenvolvimento econômico nacional. 

“Unindo esforços de todas as instituições, temos grande oportunidade de chegar às pessoas que mais precisam, disponibilizando o conhecimento e expertise das nossas universidades federais”, avalia a presidente da Andifes, Márcia Abrahão Moura (UnB). 

Projetos

Confira o mapeamento dos projetos:

Região Norte:

Universidade Federal do Norte do Tocantins – UFNT

  • IV Feira Formativa e Expositiva das Produções da Agricultura Familiar e Artesanais das Mulheres Camponesas Tocantinenses. Trata-se e uma política afirmativa para promover o debate tanto para as mulheres do campo como para suas filhas estudantes, que estão na academia.
  • “Valores socioambientais e soluções de saúde: ações a partir dos saberes e fazeres com plantas medicinais das mulheres da Comunidade Quilombola Dona Juscelina.” O objetivo é estreitar a relação entre a comunidade acadêmica e as comunidades tradicionais e socializar saberes com enfoque de combate à fome e sustentabilidade socioambiental.
  • “Implementação de técnicas agroflorestais na Comunidade Serrinha”. Proposta visa a conhecer e implementar técnicas agroflorestais desenvolvividas na Comunidade Serrinha.

Região Nordeste:

Universidade Federal da Bahia – UFB

  • Grupo de Pesquisa em Segurança Alimentar e Comércio Informal de Alimentos. A pesquisa tem o propósito de fomentar a realização de estudos interdisciplinares sobre essa temática, abarcando diferentes focos, buscando contribuir para melhorar a organização do segmento informal de alimentos e de seus atores sociais. Entre as linhas de investigação em desenvolvimento estão contempladas: comércio informal de alimentos, alimentação e cultura; comércio informal de alimentos e trabalho infantil; comércio informal de alimentos e vigilância sanitária; e estratégias de intervenção para o comércio informal de alimentos.
  • Grupo de pesquisa Alimentos, Alimentação e Saúde
  • Grupo de Pesquisa Saúde Ambiental e do Trabalhador
  • Grupo de Pesquisa: Saúde Ambiental e do Trabalhador
  • Grupo de Pesquisa em Ciência e Tecnologia de Alimentos
  • ACCS BIO454: Hortas Urbanas como vetor de educação agroecológica – caracterização de escolas municipais para implantação de hortas escolares
  • Grupo de Pesquisa Dinâmica do Espaço Agrário e Relação Campo-Cidade (DARC) e Núcleo de Estudos Regionais e Agrários (NERA/LESTE-UFBA)
  • Sabor e Saúde III: dialogando sobre sustentabilidade e hortas escolares
  • Projeto Alimentação escolar sustentável: práticas e reflexões sobre perdas e desperdícios de alimentos
  • Projeto Saberes e Sabores: diálogos sobre alimentação e cultura em comunidades agroecológicas
  • Projeto Advocacy social como instrumento de apoio às politicas públicas em alimentação e nutrição
  • Projeto Hortas Urbanas: Estratégias de Intervenção em meio Ambiente e Produção de Alimentos
  • Projeto Hortas Urbanas e Segurança Alimentar e Nutricional em bairros periféricos de Salvador- BA.

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia – UFRB

  • Monitoramento da Fome em Tempo Real. O projeto visa a desenvolver uma metodologia robusta para rastrear e analisar a insegurança alimentar no Brasil. Em 2022, 58,7% da população brasileira era prejudicada por algum grau de insegurança alimentar, com prevalência entre mulheres negras chefes de família. Hoje, a coleta de dados sobre essa questão, realizada pelo IBGE e a Rede Penssan, carece de resoluções temporais e espaciais apropriadas para detectar aumentos iminentes de insegurança alimentar em regiões específicas. O projeto se propõe a identificar indicadores regionais, como bairros ou vilarejos, que possam monitorar a fome em intervalos de um mês. A metodologia será implementada em um sistema computacional, que coletará, analisará e apresentará informações sobre a fome em diversas regiões do país com uma participação ativa da comunidade em todas as etapas do processo. As etapas incluem revisão da literatura, engajamento com comunidades afetadas, coleta e análise de dados; e desenvolvimento e teste do sistema. A conclusão envolverá a disseminação dos resultados e o estabelecimento de diálogos contínuos com a comunidade. Link para o projeto

Universidade Federal do Sul da Bahia – UFSB

  • Núcleo de Estudos em Agroecologia e Produção Orgânica Pau-Brasil (NEA-PB) – Desenvolvimento Socioambiental para Agricultura Familiar – DSAF). O Desenvolvimento Socioambiental para Agricultura Familiar (DSAF) possui como principais objetivos o desenvolvimento de pesquisas articuladas às ações de extensão que buscam promover a agroecologia como estratégia produtiva sustentável para a agricultura familiar; a recuperação de áreas degradadas e a conservação da biodiversidade nas áreas de atuação; e o desenvolvimento socioambiental da agricultura familiar com foco no beneficiamento e certificação de produtos, na inserção em cadeias comerciais estratégicas, na geração de renda e na melhoria da qualidade de vida. Confirma o andamento do projeto AQUI.

Universidade Federal da Paraíba – UFPB

  • A inaceitável fome: ações de enfrentamento da insegurança alimentar na comunidade do Alto do Céu. Esse projeto de extensão pretende dar continuidade à criação de hortas comunitárias e quintas produtivos no Assentamento Terra Nova, localizado no bairro do Alto do Céu, em João Pessoa-PB, em articulação com o CRAS-Mandacaru e demais serviços existentes no território e, em especial, com as lideranças comunitárias do assentamento. Link para o projeto
  • Aproveitamento do coco verde: Difusão de tecnologias para geração de renda e combate ao desperdício e a fome. O projeto prevê, dentro dos princípios da ecogastronomia e da Segurança Alimentar e Nutricional, desenvolver tecnologias e novos produtos a partir da polpa do coco verde, e difundir as tecnologias e, igualmente, os produtos gerados para jovens e adolescentes da Escola cidadã Integrada José Regis Cavalcanti no município de Cabedelo, Paraíba, como estratégia de combate ao desperdício de alimentos, geração de renda e combate à fome. Link para o projeto

Universidade Federal do Cariri – UFCA

  • Coleta Seletiva Cidadã. A UFCA realiza diversas doações de materiais reutilizáveis e recicláveis, como papel, papelão, garrafas pet, plásticos e eletrônicos, desde 2017. Essas doações são repassadas às associações de catadores que possuem acordo de cooperação com a instituição, oferecendo o destino ambientalmente adequado e ajudando na renda de diversas famílias das Associações parceiras e, assim, contribuindo para o sistema da logística reversa. A Coordenadoria de Gestão de Sustentabilidade da Pró-Reitoria de Planejamento e Orçamento (CGS/Proplan)/UFCA é responsável pela Coleta Seletiva Cidadã, que recolhe materiais reutilizáveis e recicláveis, separados na fonte geradora, para destinação que é feita por associações de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis. A proposta atende ao Decreto nº 10.936/2022 regulamentador da Política Nacional de Resíduos Sólidos – Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, que determina a separação e doação dos resíduos recicláveis descartados pelos órgãos e entidades da administração pública e institui o Programa Nacional de Logística Reversa.
  • Instalação de capineiras em propriedades de pequenos agricultores da região do Cariri no Ceará. No Cariri cearense, famílias dedicadas à agricultura e criação de pequenos rebanhos têm nessas atividades sua principal fonte de alimento e renda. Em muitos casos, o agricultor familiar alimenta seus rebanhos com forrageiras coletadas de zonas localizadas próximas às estradas ou de áreas de vegetação conhecidas como mato, normalmente afastadas de suas propriedades. A dependência por pastos naturais, que são abundantes em época de chuva, pode ser reduzida se for fomentada a implementação de capineiras no próprio local de confinamento dos rebanhos. Ou seja, na propriedade do agricultor familiar. Nessas capineiras podem ser cultivados materiais melhorados de alto valor nutritivo e com alta produção de massa verde, como também variedades ou ecótipos próprios da região do Cariri. As atividades para instalação das capineiras serão conduzidas por estudantes do curso de agronomia e envolverão: preparação das mudas; preparação e dimensionamento do terreno e corte, coleta e rotação das capineiras. Com esse projeto, pretende-se, na medida do possível, que o pequeno agricultor tenha a garantia de produção constante de capins de alto valor nutricional para alimentação dos seus rebanhos e, por tabela, maior produção de carne e leite, melhorando a alimentação e a renda familiar. Objetivos Específicos: 1. Convite a agricultores familiares criadores de pequenos rebanhos para participação do projeto. 2. Preparação de mudas de diferentes espécies de capins. 3. Dimensionamento e preparação do terreno. 4. Manejo de capineiras (plantio, corte e coleta de capins). 5. Avaliação dos resultados do projeto a través dos benefícios ao agricultor familiar.
  • Casas de Sementes Comunitárias: preservação dos saberes culturais em busca do desenvolvimento sustentável da agricultura familiar no Cariri Cearense. A agricultura familiar é uma das mais importantes atividades econômicas que aquecem a economia da região do Cariri, com produtos oriundos da agricultura, pecuária e do artesanato. Entre as quais, a produção de milho, feijão, fava, frutas e verduras que, na maioria das vezes, são comercializados nos mercados municipais e na Ceasa. Vale destacar que a forma de produção desenvolvida pelos agricultores familiares se baseia no policultivo, em que são produzidos diversos tipos de culturas simultaneamente e esta técnica faz com que o agricultor familiar produza de forma sustentável e tenha sempre algum produto para comercializar ao longo do ano. Na região ainda observa-se o plantio de algumas culturas com sementes crioulas. Esse costume, entretanto, está cada vez mais comprometido devido aos pacotes tecnológicos oferecidos por algumas políticas públicas que disponibilizam sementes melhoradas geneticamente. Nesse sentido, a pesquisa busca identificar as políticas públicas de resgate das sementes crioulas, já que a produção com essas sementes permite o agricultor familiar desenvolver um modelo de agricultura baseado na sustentabilidade, considerando as dimensões social, ambiental, cultural, organizativa e econômica de uma região. Na prática, o objetivo é identificar as políticas públicas adotadas pelo Estado no apoio ao resgate, multiplicação e distribuição de sementes crioulas na região que envolve os municípios cearenses de Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha, Nova Olinda e Santana do Cariri. Os objetivos específicos são: Identificar e mapear as Casas de Sementes Comunitárias ativas e inativas dos municípios de Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha, Santana do Cariri e Nova Olinda. Descrever o histórico da criação, organização e gestão das Casas de Sementes ativas identificadas nos municípios de estudo. Identificar as ações de apoio à criação e fortalecimento das Casas de Sementes Comunitárias nos municípios de estudo. E, por fim, capacitar as comunidades na condução das casas de sementes.

Universidade Federal do Delta do Parnaíba – UFDPar

  • Estação conhecimento: aquicultura e soberania alimentar para piscicultores e estudantes da UFDPAr
  • II Edição do projeto consultoria social
  • Horto de plantas medicinais, alimentícias e ornamentais no campus Ministro Reis Velloso
  • Quintais agroecológicos: extensão rural participativa a camponeses, aquicultores familiares e estudantes (escolas das famílias agrícolas, escolas agrotécnicas e da UFDPar)
  • Entrelaços na promoção da cidadania e solidariedade por meio da produção, comercialização e consumo responsável
  • Estação conhecimento: Soberania alimentar para piscicultores familiares, servidores terceirizados, instituições que atuam com vulnerabilidade social e estudantes (UFDPar, EFAs e Escolas Agrotécnicas)
  • Alimentação saudável e consumo consciente: Excelente alerta à comunidade
  • “Vamos às favas? Itinerário em comunidades de cultivo tradicional de fava (phaseolus lunatus l.) Na região Meio-Norte do Piauí e regiões circunvizinhas.”
  • Entrelaços: feira agroecológica e de economia solidária da UFDPar
  • Consultoria social
  • Sementes dos saberes agroecológicos: Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para jovens do campo e mulheres rurais, remanescentes quilombolas, povos indígenas e assentados da reforma agrária do Piauí
  • Aproveitamento do excedente de pescado manjuba e serrote para elaboração de alimento na comunidade de manjubeiros do Igaraçu, Parnaíba-Piauí (Link para os projetos)

Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN

  • Oitavo Prêmio Destaque de Iniciação Científica que fará parte da programação do XXXV Congresso de Iniciação Científica e Tecnológica da UFRN. Objetivo é premiar os três melhores trabalhos de iniciação científica, um de cada grande área (Ciências da Vida; Ciências Exatas, da Terra e Engenharias e Ciências Humanas e Sociais, Letras e Artes), relacionados ao tema Andifes contra a fome, com sustentabilidade ambiental.
  • Episódio do podcast Navegos da EDUFRN com o tema: Andifes contra a fome, com sustentabilidade. O Prof. Dr. Celso Donizete Locatel, do Departamento de Geografia da UFRN, será o entrevistado no episódio sobre o tema. O professor atua em pesquisa na área de Geografia Humana, nos temas de análise de políticas públicas, circuito espacial de produção, monopolização e uso do território. E na Extensão Universitária atua em economia solidária, tecnologias sociais e desenvolvimento comunitário. Link para o projeto
  • O Papel da Universidade no Desenvolvimento Regional do Rio Grande do Norte: Ações para a ampliação das Capacidades Governativas, Inovação Social e Desenvolvimento Rural. O projeto pretende contribuir com o desenvolvimento de capacidades governativas de pequenos municípios, assim como fortalecer iniciativas de empreendimentos de economia solidária, além de prestar assistência técnica para agricultores familiares, para o aumento da produtividade da agropecuária, visando contribuir para o desenvolvimento regional sustentável do Rio Grande do Norte.

Região Centro-Oeste:

Universidade de Brasília – UnB

  • Núcleo de Estudos da Insegurança Alimentar e Fome e Comida de Verdade: Arroz com Feijão – UnB (2022 – Atual). O projeto tem os objetivos de gerar: I. Conhecimento acadêmico interdisciplinar e multiprofissional, respeitando as diversas formas de geração de conhecimento e a diversidade metodológica; II. Pesquisa cidadã comprometida com a superação da fome e a promoção da soberania e da segurança alimentar e nutricional; III. Independência e autonomia em relação a governos, partidos políticos, organismos nacionais e internacionais e interesses privados; IV. Compromisso permanente com a redução das desigualdades e a promoção da equidade de gênero, étnico -racial e geracional; V. Defesa da qualidade dos alimentos e da alimentação adequada e saudável que respeite as circunstâncias socioambientais e as culturas; VI. Geração de conhecimento que contribua com as políticas públicas e posicionamento no cenário nacional e internacional livre de conflitos de interesse.
  • Pesquisa e desenvolvimento para o resgate da memória do Ministério de Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome (MDS), recuperação e instalação de biblioteca especializada e de atendimento institucional. O projeto tem por objetivo o resgate do acervo do Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome que consta de material bibliográfico, imagético, audiovisual, prêmios e honrarias, objetos, entre outros.
  • Existem indicadores com recorte étnico-racial no PAIF? Os indicadores sociais do Serviço de proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF) sob a perspectiva dos gestores, operadores e usuários.
  • Food safety e food security: subsídios tecnológicos e gerenciais para o aprimoramento do agronegócio no Centro-Oeste. O projeto busca garantir um índice adequado para o abastecimento alimentar da população brasileira. Já o segundo, refere-se ao índice de abastecimento adequado para o mercado externo.
  • Segurança alimentar e desenvolvimento sustentável: empoderamento de produtores(as) e melhorias na qualidade de vida em comunidades rurais do distrito federal.
  • Cozinhas Solidárias: uma vivência social para promoção de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional.
  • Estado nutricional, insegurança alimentar, relações de parentalidade responsiva e saúde mental de gestantes em vulnerabilidade social no DF.
  • Cidades saudáveis, agroecologia e soberania alimentar: (re)significação para enfrentamento do Covid19 nas regiões periurbanas e periféricas do DF.
  • REURB-POP: assessoria sociotécnica em projetos urbanos e periurbanos participativos mais sustentáveis para contribuir no processo de regularização fundiária nos territórios populares – (Grupo Periférico e Residência CTS). O projeto de extensão “REURB-POP” tem como objetivo atender demandas de assessoria sociotécnica em projetos urbanos e periurbanos participativos mais sustentáveis (incluindo também projetos de habitação social e paisagismo) para contribuir no processo de regularização fundiária nos territórios populares nos âmbitos dos projetos desenvolvidos do Grupo de Pesquisa e Extensão “Periférico, trabalhos emergentes” e do Programa de Extensão “Residência Multiprofissional CTS – Habita, Agroecologia, Saúde Ecossistêmcia e Economia Solidária” na pós-graduação. Espera-se dar continuidade aos trabalhos para contribuir no processo de projeto e planejamento em ocupações urbanas informais no Distrito Federal na luta pela regularização fundiária social, Reurb-S. A demanda por projetos nesse aspecto tem sido maior em consequência da Lei Federal 13645/2017), que dispõe sobre processos de Regularização Fundiária Urbana (Reurb) e, que diante de polêmica sobre a alteração de leis relacionadas, desconsidera a política urbana vigente com a desobrigação de provisão da infraestrutura por parte do poder público e tendência ao favorecimento da grilagem de terras do território urbano do DF. O projeto abrange desde a escala do microplanejamento do projeto de urbanismo, o microurbanismo com a infraestrutura ecológica e o habitat, a habitação social e as estratégias de sobrevivência baseadas na auto-organização de baixo para cima (botton up) que formam a base da adequação sociotécnica do grupo Periférico, onde os sujeitos do conhecimento científico compartilham seus códigos técnicos com os sujeitos sociais organizados e assimilam o conhecimento sociotécnico existente na comunidade, formando o “interacionismo pedagógico freiriano e sociotécnico”. A Extensão Universitária para os estudantes pode ocorrer em vários níveis nesse projeto, desde disciplinas obrigatórias de projeto de urbanismo e paisagismo, disciplina optativas de Extensão como bolsistas voluntários bem como em TCCs ou no projeto individual como bolsistas remunerado junto aos trabalhos de pesquisa e extensão que estão sendo desenvolvidos pelos estudantes da pós-graduação. Conheça mais
  • Comunidades agroecológicas do Bem Viver no DF: redesenhando agroecossistemas, produzindo alimentos, comida de verdade e regenerando o cerrado. O projeto consiste em fornecer apoio técnico para valorizar a soberania alimentar e potencializar a produção agroecológica aliada à regeneração do Cerrado no lote de famílias agricultoras do assentamento Canaã, na região da bacia do descoberto em Brazlândia-DF. As atividades a serem executadas envolvem:
  1. planejamentos agroeco-lógicos trimestrais;
  2. a promoção e participação da comunidade universitária em mu-tirões mensais;
  3. momentos formativos em agroecologia para as famílias agricul-toras e demais pessoas interessadas.

As famílias envolvidas no projeto constroem as Comunidades Agroecológicas do Bem Viver no Distrito Federal, programa que busca a regeneração dos Biomas, a promoção de justiça social e soberania alimentar para a população através da agroecologia. Como resultado, teremos uma maior aproximação entre a comunidade acadêmica e a realidade produtiva no Canaã, território da reforma agrária no DF; planos de manejo agroecológico direcionado à cada situação familiar; e, finalmente, novas demandas de projetos de extensão, a partir das formações e reflexões envolvendo a realidade das comunidades agroecológicas no Canaã.

  • Polo UnB extensão-residencia oziel III – Assentamentos peri-urbanos cidadania e abordagem CTS – projeto pretende criar um núcleo de pesquisa tecnocientífica e extensão sociotécnica no Assentamento Oziel Alves III, na região norte do DF, para os projetos de docentes da UnB (a exemplo do Polo de Extensão da cidade Estrutural criada pelo DEX). Os trabalhos serão realizados visando ao desenvolvimento de ações para geração de oportunidades de vinculação do conhecimento técnico-científico gerado pela universidade, em articulação com a experiência e saberes das famílias assentadas. Essas serão as bases para a criação de Microprojetos e Programas de Ação Local (MPAL). Esses trabalhos serão conduzidos por pesquisa-ensino e extensão sob a abordagem dos Estudos Sociais da Ciência e Tecnologia (aqui referenciada como Tecnologia Social) visando ao fomento a empreendimentos econômicos solidários com base nas demandas populares locais de (8 oito) tipos:
  1. Agricultura familiar, fruticultura e produção de alimentos orgânicos;
  2. Gestão e organização associativa e cooperativa e banco comunitário de desenvolvimento;
  3. Confecção e vestuário;
  4. Alimentos processados;
  5. Mecânica e Metalurgia;
  6. Reciclagem de resíduos sólidos;
  7. Infraestrutura de moradia e saneamento básico e planejamento dos espaços comunitários;
  8. Meio ambiente e saúde ecossistêmica.
  9. Reflorestamento nativo comercial.

Esses projetos estão baseadas em iniciativas de economia-solidária em seus diversos âmbitos (empreendimentos socioprodutivos, prestação de serviço, de apoio à comercialização, feiras solidárias, feiras de trocas; eventos associativos artísticos e educacionais, festas da cultura popular e cooperativismo das mulheres e projetos culturais para juventude, orientação para nutrição e alimentação saudável com produção da agricultura familiar sem uso de agrotóxicos e para transição agroecológica), enquanto um processo de autogestão comunitária, ou, simplesmente, de economia popular. Tais práticas de associativismo e agroecologia são entendidas como “ambiente” para adequação sociotécnica da formação e educação do campo, socioambiental, planejamento e gestão do meio ambiente, produção agrícola e fomento à agricultura familiar.

Universidade Federal de Jataí – UFJ

  • Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Agroecologia e Agricultura Familiar da UFJ (NEAAF). O projeto é conduzido por uma equipe multidisciplinar de estudantes, técnicas/os e professoras/es da UFJ, que há 12 anos desenvolve projetos de pesquisa e extensão baseados nos princípios da Agroecologia. A proposta trabalha a produção de hortaliças em sistemas agroflorestais e a implementação de hortas orgânicas para comercialização, visando garantir autonomia aos agricultores familiares camponeses do Território Rural de Identidade Parque das Emas. Mais informações estão disponíveis no perfil do NEAAF no Instagram: @neaaf.ufj Link para o projeto

Projetos em andamento:

  1. Cultivando hortas agroecológicas em Jataí;
  • Agricultoras urbanas: projeto de formação em horticultura e manipulação de alimentos para mulheres em Jataí
  • Dia da Campo da Agricultura Familiar e 2ª Jornada Universitária da Reforma Agrária da UFJ
  • Residência profissional agrícola em agricultura familiar da Universidade Federal de Jataí
  • Feira Agro Centro-Oeste Familiar: aqui o agricultor tem voz
  • Território Rural de Identidade Parque das Emas: assessoria a Agricultura Familiar de Aporé, Aparecida do Rio Doce, Chapadão do Céu, Mineiros, Jataí, Santa Rita do Araguaia, Serranópolis, Perolândia e Portelândia
  • Centro Vocacional Tecnológico em Agroecologia da UFJ (CVT)
  • Grupo de Estudo, Pesquisa e Extensão em Sanidade e Inspeção (Gepesi). Trata-se se de Grupo de Estudo, Pesquisa e Extensão direcionado aos conteúdos de Sanidade, Inspeção e Tecnologia de Alimentos com Origem Animal. Mais informações estão disponível no perfil do Instagram: @gepesiufj

Projetos em andamento:

  1. Oficina regional de vigilância sanitária – boas práticas em alimentos
  • Noções de higiene na manipulação e acondicionamento de alimentos oferecidos na merenda escolar da rede pública do município de Jataí/GO.
  • Núcleo de Assessoria Jurídica Popular – Instagram: @najupje

Projetos em andamento:

  1. Assessoria Jurídica Popular em acampamentos e assentamentos rurais
  • Assessoria Jurídica Popular aos Povos e Comunidades Tradicionais do Estado de Goiás
  • Assessoria jurídica popular a associações de moradores e de usuários da RAPS de Jataí-GO

Universidade Federal da Grande Dourados – UFGD

  • Programa Restaurante Universitário da UFGD. O Programa Restaurante Universitário da UFGD objetiva oferecer alimentação nutricionalmente balanceada e de qualidade para toda comunidade acadêmica. O RU/UFGD atende a comunidade com almoço e janta e os/as estudantes de graduação e pós-graduação da UFGD se alimentam com subsídio custeado pela PROAE. No ano de 2023 foram servidas 221.313 refeições.
  • Projeto de Pesquisa – Mulheres quilombolas na gestão de empreendimentos de produção e processamento de alimentos e de melhoria das condições de vida
  1. Compreender como as mulheres da comunidade quilombola estão organizadas no que se refere ao grupo de produção e das relações sociais que nutrem na comunidade;
  • Investigar como ocorre a gestão do empreendimento das mulheres quilombolas, analisando se produz autonomia feminina; Fomentar os saberes da comunidade, incluindo novos com a capacitação para o processamento dos diversos alimentos por eles produzidos, desenvolvendo a capacidade de empreender e inovar;
  • Orientar as produtoras e demais pessoas da comunidade quilombola quanto ao uso de técnicas apropriadas visando à autossuficiência na produção de alimentos para a geração de receita e renda;
  • Dar suporte a agroindústria Panificadora por meio dos ajustes nas estruturas existentes, aumentando a capacidade de produção de pães, bolos, bolachas e outros produtos do gênero;
  • Propiciar diversificação da produção, aumentando e melhorando a alimentação, com venda de produtos excedentes, gerando renda que criará estimulo para a permanência das famílias na propriedade;
  • Viabilizar canais para a comercialização dos produtos no âmbitos dos comércios locais, favorecendo a população urbana pela comercialização nas políticas públicas;
  • Oferecer cursos de processamento de pães visando melhor aproveitamento e qualidade na produção e boas práticas de manipulação, agregando valor nos produtos.
  • Projeto de Extensão – Quintais urbanos produtivos:  Mulheres na produção de alimentos orgânicos  ODS 5 e 11 (Igualdade de Gênero – Cidades e comunidades sustentáveis)
  • Projeto de Pesquisa – AQUAeduca – Aquaponia como tecnologia social integrativa
  • Projeto de Pesquisa – Piscicultura Familiar Sustentável: projeto piloto no assentamento rural Itamarati
  • Projeto de Extensão – Apicultura como ferramenta para combate a fome e desenvolvimento sustentável no assentamento Areias – ODS 02
  • Projeto de Extensão – Processamento Artesanal de Alimentos

Região Sudeste:

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais – (CEFET-MG)

  • Desafios, resultados e impactos da criação do núcleo de estudos em agroecologia no CEFET-MG e UEMG
  • Nutrição para a mente
  • Serra da Gandarela: determinação da qualidade dos rios São João do Socorro e Conceição, através do uso de bioindicadores ambientais
  • Serra do Gandarela: inventário de peixes das bacias São João do Socorro e Conceição
  • A produção de adubo orgânico provenientes de técnicas de compostagem e sua aplicação em hortas das escolas públicas municipais na cidade de Contagem-MG
  • Programa de Bolsas de Assistência Estudantil: Bolsa de Complementação Educacional

Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP

  • De mãos dadas com Antônio Pereira: acolhimento e empoderamento dos moradores e concretização dos objetivos do desenvolvimento sustentável do distrito de Antônio Pereira, Ouro Preto, Minas Gerais. O objetivo geral dessa proposta é promover o acolhimento e o empoderamento pessoal, de respeito recíproco, de engajamento, de corresponsabilidade e de participação social dos moradores e moradoras do distrito de Antônio Pereira em Ouro Preto, Minas Gerais.
  1. Oferecer atendimento especializado em saúde mental para usuários do posto de saúde do distrito
  • Oferecer curso de formação em saúde mental para educadores e comunidade escolas do distrito;
  • Oferecer oficinas profissionalizantes de panificação, quitandas, bioembalagens de cera de abelhas e empreendedorismo para mulheres do distrito;
  • Oferecer oficinas e cursos de computação, robótica, montagem e reforma de equipamentos de informática e computadores.
  • Oferecer oficinas de acolhimento e empoderamento de mulheres em situação de vulnerabilidade social
  • Oferecer atendimento para crianças com ludicidade e resgate da cultura local;
  • Oferecer educação para adultos e idosos com aulas de alfabetização, reforço e retomada escolar;
  • Realização da feira de economia compartilhada e do fórum de sustentabilidade do distrito. Link para o projeto

  • AGRICULTURA FAMILIAR NA UFOP – NUPEDES. Propor e executar projetos de pesquisa e extensão que estejam relacionados à temática do desenvolvimento local, tanto no que se refere aos seus aspectos socioeconômicos quanto ambientais. O Programa Agricultura Familiar na UFOP atua nas seguintes esferas:
  1. Consolidar atividades econômicas com potencial para diversificar a estrutura produtiva local, com o foco na agricultura familiar;
  • Criar um espaço de convergência para propostas, ações e reflexões na área de ensino e aprendizagem de linguagens;
  • Fomentar a agroecologia e a produção agrícola familiar nos municípios de Ouro Preto, Mariana e circunvizinhos.
  • Discutir e propor com as comunidades, ações que incluam a temática do jovem e da mulher – estejam eles no meio rural ou urbano – enquanto agentes protagonistas do processo de desenvolvimento destes municípios;
  • Gerar trabalho e renda para mulheres da comunidade, especialmente do Cafundão, por meio da produção e comercialização de alimentos saudáveis e sustentáveis
  • Construir e/ou fortalecer o associativismo, o cooperativismo e a autogestão como um meio de gerir empreendimentos de pequeno porte.
  • Realizar feiras com produtos de agricultores familiares dos municípios de Ouro Preto e Mariana;
  • Promover oficinas sobre desidratador solar de alimentos e de bordado e costura com famílias e comunidades camponesas;

Universidade Federal de Uberlândia – UFU

  • “Re-existências: interseccionalidades entre gênero, cultura, etnico-racial e agroecologia na formação com povos e comunidades tradicionais a partir da Economia Popular Solidária”
  • “Culturas Alimentícias: aromáticas, condimentares, hortaliças, medicinais e PANCs”
  • “Ministrante do módulo de especialização: Métodos de análises microbiológicas convencionais de alimentos”
  • “Meio ambiente, educação e sustentabilidade – MAES”
  • “PET Engenharia de Alimentos 2023”
  • “Implementação da Tabela de Composição de Alimentos Regionais e da Biodiversidade Brasileira e da Rotulagem de Produtos da agricultura familiar através da interação dialógica com empreendedores populares solidários de Uberlândia (MG)”
  • “Alterações nos teores de arsênio (as) em solos com histórico de uso de ulexita no bioma cerrado”
  • “A Formação Política pela Sétima Arte: o cinema como prática pedagógica e de cidadania”
  • “Aplicação do Borotec na cultura da soja”
  • “Grupo de estudo, pesquisa e extensão em produção de equinos”
  • “Atividades de Extensão e Cultura ligadas às Ciências Agrárias”
  • “Desenvolvimento de Ensaios Agrícolas nas culturas da Batata e Soja – Empresa Ceres Soluções Agrícolas”
  • “Grupo de Estudo e Extensão sobre Parasitos Animais GEPAN 2024”
  • “Projeto de Divulgação Científica: POMELO SCIENCE”
  • “Programa Prato Cheio: agricultura urbana e periurbana como uma estratégia para a segurança alimentar e nutricional”
  • “Atividades Curriculares de Extensão I: Desenvolvendo a comunicação através dos quintais produtivos no Município de Monte Carmelo -MG”
  • “Gastronomia na Região Rural: Uma avaliação da cultura Popular nos ingredientes a mesa”
  • “Ace: alimentação e cultura”
  • “Educação continuada como forma de garantir a segurança dos alimentos e segurança alimentar”
  • “Interpretação de resultados de análises de solo e folha e recomendação de calagem e adubação para o cafeeiro”
  • “Programa Institucional de Extensão “Incubação de Organizações Produtivas Solidárias”
  • “Programa Institucional de Extensão “Núcleo de Estudos em Agroecologia e Produção Orgânica” da UFU”

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri – UFVJM

  • Horta urbana aprenda a fazer a sua. Estimular a ação multiplicada das hortas urbanas como meio de promoção da segurança alimentar e nutricional através de práticas sustentáveis. Link para o projeto

Universidade Federal Fluminense – UFF

  • Iniciativas da Agência de Inovação da UFF: III Encontro da Rede de Agroecologia da UFF. O III Encontro tem como objetivo seguir no processo de articulação e fortalecimento das ações de pesquisa e extensão em agroecologia e segurança alimentar e nutricional na Universidade Federal Fluminense. A Rede de Agroecologia da UFF integra 8 núcleos de pesquisa e extensão, sediados nos campus de Niterói, Angra dos Reis, Macaé, Rio das Ostras, Santo Antônio de Pádua e Campos dos Goytacazes. A Rede foi criada em 2019, no I Encontro, realizado em Angra dos Reis. Em 2022, com a temática Agroecologia no combate à fome e pelo direito alimentação, foi realizado II Encontro, em Niterói. Em 2024, está planejada a realização do III Encontro da Rede de Agroecologia da UFF, que tem como objetivo fortalecer as convergências entre os núcleos, ampliando ações que promovam o direito humano à alimentação e ao acesso à “comida de verdade” no estado do Rio de Janeiro. Link para o projeto
  • Iniciativas da Pós-graduação UFF: Inserção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 1 e 2 nos cursos PPGs da UFF. Recentemente, a UFF obteve a aprovação de um projeto institucional no Programa de Extensão da Educação Superior na Pós-Graduação (PROEXT-PG), no qual estão previstas diversas iniciativas relacionadas ao combate a fome, com sustentabilidade. O objetivo dessas iniciativas de extensão são:
  1. converter o conhecimento teórico ou prático em uma ferramenta eficaz para fortalecer a conexão entre a Universidade e a Sociedade, e vice-versa.
  • Integrar as atividades de extensão com os ODS, o que pode representar uma estratégia altamente vantajosa para a sociedade como um todo.
  • Estabelecer e implementar ações de extensão alinhadas com as linhas de pesquisa dos Programas de Pós-Graduação em conformidade com os ODS, conforme delineado no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da UFF 2023-2027.
  • Iniciativas da Pesquisa da UFF: Iniciativas Sustentáveis de Combate à Fome e Desenvolvimento Socioambiental no Âmbito da Pesquisa na Universidade Federal Fluminense

Tendo como meta o combate à fome e a promoção da sustentabilidade, a Universidade Federal Fluminense vem desenvolvendo Projetos, muitos deles cadastrados em Grupos de Pesquisa no CNPq, em diferentes áreas do conhecimento, tendo como alguns de seus objetivos:

  1. Realizar pesquisas para identificar e promover práticas agrícolas sustentáveis que aumentem a produtividade de alimentos, considerando fatores climáticos, visando garantir a segurança alimentar e nutricional das comunidades locais.
  • Desenvolver tecnologias inovadoras para o reaproveitamento de resíduos orgânicos na produção agrícola, com foco na cultura de vegetais nutricionais, contribuindo para a redução do desperdício de alimentos e a promoção da sustentabilidade ambiental.
  • Investigar políticas sociais e estruturas de bem-estar no país e seus parceiros comerciais (ex: BRICS), com ênfase na segurança alimentar, visando identificar desafios comuns e propor soluções integradas para o combate à fome e o desenvolvimento socioambiental.
  • Analisar o impacto dos desastres ambientais relacionados à água nas políticas urbanas das cidades do interior, propondo medidas para melhorar a gestão ambiental e garantir a segurança alimentar das comunidades afetadas.
  • Avaliar o Programa Nacional de Alimentação Escolar, com foco no controle e gestão social, visando garantir a qualidade da alimentação escolar e promover a segurança alimentar das crianças e adolescentes atendidas. Link para o projeto

Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ

  • Projeto Convivium – Ampliando o diálogo entre produtores e consumidores de alimentos. Com o objetivo geral de fortalecer e ampliar o diálogo entre produtores e consumidores tendo a gastronomia como foco, o projeto pretende:
  1. Consolidar as possibilidades e modos de atuação profissional do gastrônomo formado pela UFRJ;
  • Contribuir para o fortalecimento da inserção dos produtos da agricultura familiar no mercado gastronômico;
  • Apoiar a estruturação de grupos comunitários com interesse no desenvolvimento e valorização de sua gastronomia;
  • Qualificar e promover pequenos produtores (rurais e urbanos) para a atuação no campo da gastronomia;
  • Promover atividades que estimulem o diálogo entre os atores do campo e da cidade, entre produtores e consumidores.

http://convivium.gastronomia.ufrj e www.instagram.com/convivium.ufrj

  • Qualificação para sustentabilidade: Escola, Universidade e Comunidade de mãos dadas

Este projeto tem como objetivo geral capacitar alunos, educadores e público geral em questões voltadas para o meio ambiente, conservação e sustentabilidade, através de vídeos, cursos e oficinas. Tem como objetivos específicos: Contribuir para formação de estudantes de graduação da UFRJ; estimular e engajar estudantes do ensino público fundamental e médio em questões relacionadas ao meio ambiente pela oferta de cursos de capacitação e atividades didáticas, em escolas da rede pública e ONGs, em temas relacionados a engenharia ambiental; oferecer capacitação para lidar com questões emergências pela execução de oficinas.

@peasustentabilidade Projeto de extensão desenvolvido pelo Instituto de Biologia. 9 vídeos. Os jogos logo serão vinculados aos vídeos. https://www.youtube.com/playlist?list=PLQT723wBRkTMoQA94gyUZSNcIs8uyNZ-S

oficina de cultivo de cogumelos https://www.instagram.com/reel/CyYqXoJrgqk/?utm_source=ig_web_button_share_sheet&igsh=MzRlODBiNWFlZA==

  • Rede de Agroecologia da UFRJ (ReAU) – Potencializando Práticas e Saberes Agroecológicos

Objetivo geral:

Enquanto movimento de práxis da Agroecologia e Autogestão, promover a sinergia entre grupos da ReAU e seus parceiros, trocas de experiências e saberes, integração de conhecimentos populares e científicos, bem como a partir da educação antirracista e decolonial, favorecer localmente a transição agroecológica, integrando as ações de ensino, pesquisa e extensão.

Objetivos específicos:

  1. A partir do processo de ação reflexão da Autogestão em Rede, sintetizar aprendizados para disseminação desse paradigma organizacional;
  • Fortalecer a relação campo-cidade, a partir da parceria com a AFOJO, promovendo mercados acessíveis e justos na comercialização de alimentos agroecológicos, facilitando a aquisição desses produtos em comunidades como a Maré e a Vila Residencial;
  • Promover a troca de saberes dentro e fora da Universidade por meio de cursos, oficinas e vivências sobre temas relacionados à agroecologia;
  • Apoio e potencialização das ações dos projetos parceiros por meio da participação no planejamento, execução, avaliação e acompanhamento das ações por eles desenvolvidas;
  • Articulação com redes agroecológicas com diferentes níveis de alcance na sociedade para o apoio de políticas públicas sustentáveis;
  • Fomentar a transição agroecológica de forma dialógica conectando campo e cidade e propiciando uma reconexão com a natureza;
  • Organizar grupos de estudos sobre educação, políticas públicas e comunicação, com participação dos parceiros para embasamento das ações.
  • Aproveitamento Integral dos Alimentos nas mídias sociais e na escola
  • Comida de Verdade: Ações de Promoção da Alimentação Adequada e Saudável no município do Rio de Janeiro
  • Direito humano à alimentação adequada para populações invisibilizadas: Uma realidade dos Gramachinhos
  • Promoção da alimentação adequada, saudável e sustentável destinada a coletividades: desenvolvimento de ferramentas e ações educativas

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO

  • Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar – CECANE

Link para o projeto

  • Programa de Pós-Graduação em Segurança Alimentar e Nutricional – PPGSAN

Link para o projeto

  • Grupo de Educação Ambiental desde el Sur

Link para o projeto

https://www.instagram.com/gea.sur

  • Encontro de Saberes na saúde: fomentando a interculturalidade crítica, epistemologias descolonizadoras e o cuidado recíproco ambiental e comunitário. – Projeto de extensão
  • Comunicação, mobilização e controle social em Segurança Alimentar e Nutricional – Projeto de Extensão
  • Assistência técnica aos Coletivos de Produção da Agricultura Familiar – MST e MPA – Projeto de Extensão
  • Cozinhas Comunitários do MTST – Projeto de Extensão

Universidade Ferderal do ABC – UFABC

  • CRU SOLO: uma década de trocas de sabores e saberes entre o campo e a cidade.

Este projeto se propõe ser a continuação dos projetos de extensão aprovados pelos Editais PAE 2014-2023, se adequando aos desafios de reconstrução nacional e luta contra a fome e as desigualdades no campo e nas periferias do Estado de São Paulo. Nestes 10 anos o projeto tem visado o fortalecimento, ampliação e consolidação dos coletivos de consumo e redes de produtores de alimentos agroecológicos. O Coletivo CCRU-SOLO é resultado da colaboração de Técnicos Administrativos, Professores, Discentes (bolsistas e voluntários) e colaboradores voluntários vizinhos e moradores da região do ABCD. As atividades são desenvolvidas segundo os princípios dos grupos de consumo responsável, do abastecimento popular e da agroecologia. Dentre os objetivos permanentes do projeto podemos destacar:

  1. A criação de espaços para que produtores e produtoras familiares da região possam escoar seus alimentos;
  • Possibilitar o acesso a alimentos in natura e minimamente processados agroecológicos, variados e saudáveis, de baixo preço;
  • Fomentar a mudança e conscientização das práticas de consumo alimentar, mediante palestras e oficinas;
  • Conhecer e intervir na realidade e nos desafios enfrentados pelos produtores e produtoras rurais agroecológicos;
  • Intercambiar experiências campo-cidade-campo com produtores e outros grupos de consumo;
  • Agir na formação e comunicação que integrem e valorizem o conhecimento do campo e da academia.

https://www.instagram.com/ccrusolo

  • Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia para o Agronegócio Sustentável

O INTERAGRO tem como objetivo atuar como elo entre a pesquisa inovativa e a cadeia produtiva agropecuária, desenvolvendo ferramentas e promovendo o crescimento do setor de forma sustentável. Para isso, a biotecnologia vem sendo peça-chave para o setor. O desenvolvimento de produtos e processos biotecnológicos tem, historicamente, contribuído não somente para o desenvolvimento do agronegócio, mas também de áreas relacionadas a ele como saúde, produção de alimentos, entre outras.

Link para o projeto

  • Aplicação do conhecimento agroecológico nas hortas do ABCDMRR paulista: Estratégias para o enriquecimento da vida no solo e da fauna de insetos polinizadores.

O projeto “Aplicação do conhecimento agroecológico nas hortas do ABCDMRR paulista: Estratégias para o enriquecimento da vida no solo e da fauna de insetos polinizadores” é uma ação conjunta entre o Núcleo de Estudos em Agroecologia da Universidade Federal do ABC (NEA-UFABC) e movimentos sociais ligados à agroecologia e economia solidária e gestões públicas municipais do Grande ABC Paulista. Trata-se de uma ação demandada pelos agentes do território que buscam bioindicadores para monitorar e viabilizar a produção agroecológica em seus espaços, reduzindo a dependência de alimentos cuja produção impacta enormemente o meio ambiente e favorece a marginalização social e econômica das comunidades periféricas.

  1. Diagnosticar a qualidade ambiental do solo e a presença e diversidade de fauna edáfica em cultivos convencionais e agroecológicos nos municípios do ABCDMRR paulista, de forma a subsidiar uma troca de conhecimento com os agricultores que leve à uma reflexão acerca das técnicas empregadas em cada área.
  • Diagnosticar os métodos de manejo do solo utilizados em cada área e incentivar a implementação de técnicas agroecológicas.
  • Ministrar oficinas que auxiliem os agricultores a monitorar a qualidade de seus solos e a manter e diversificar a vida do solo em seus cultivos, potencializando os processos naturais de bioturbação e ciclagem de nutrientes entre plantas e solo, de forma a torná-los menos dependentes de adubação de origem externa à própria horta.
  • Montar, no quintal agroecológico da UFABC, canteiros didático-experimentais a serem utilizados em cursos, oficinas e ações educativas.
  • Diagnosticar a presença de abelhas nativas sem ferrão nas hortas do ABCDMRR e incentivar a meliponicultura fornecendo suporte técnico à atividade, de forma a potencializar os processos de polinização em suas hortas e no entorno.

Universidade Federal de São Carlos – UFSCar

  • Sistemas agroecológicos em assentamentos rurais para a soberania alimentar no Estado de São Paulo;
  • Assistência Técnica em Extensão Rural no âmbito do Programa Mais Gestão;
  • Gir Leiteiro como ferramenta para melhorar a qualidade genética da pecuária leiteira tropical da agricultura familiar;
  • Formação da Rede Sociotécnica do Sudoeste Paulista: agentes, agências e combate à fome;
  • Incubadora de Negócios de Impacto Social e Ambiental, Polos de Inovação Social Comunidade/Universidade e Arranjos Produtivos Locais: uma proposta a partir de programas e ações do MDS;

Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP

  • Provisão de um modelo estrutural em rede para a garantia do direito à alimentação adequada e saudável em cozinhas solidárias: uma porta de entrada para a segurança alimentar e nutricional em territórios vulnerabilizados.
  • Qualidade de Cardápios da Alimentação Escolar: um estudo comparativo entre dois Indicadores

Link para o projeto

  • Estudo de fatores associados a qualidade da alimentação escolar da região sudeste do Brasil Link para o projeto
  • Alimentação-Ação: ações para o aumento da consciência alimentar e para a promoção da segurança alimentar Link para o projeto
  • Ambiente e Nutrição – Promovendo Sistemas Alimentares Sustentáveis (AMBNUT)

https://www.instagram.com/secuida.unifesp

  • Análise de dados e suas aplicações para a sociedade, meio ambiente e políticas públicas – Link para o projeto
  • “COMPOSTAGEM, HORTA E JARDINAGEM: CUIDANDO DA SAÚDE, MENTE E PLANETA”

https://www.youtube.com/c/menteabertamindfulnessbrasil

  • Conhecendo o que comemos

Link para o projeto

  • Cultivando “A Jardim”: Uma Horta Comunitária Na Universidade

Link para o projeto

  • Educação ambiental dos efeitos e uso de praguicidas

Link para o projeto

  • Escritório de projetos: Sociedade e o Meio ambiente

https://www.youtube.com/playlist?list=PLhLQyzIsPifydnNvPkrvZoY_yycU3vxNg

  • Folhas: alimento e saúde.

Link para o projeto

  • Plantas ConSciência

Link para o projeto

  • PRÁTICAS SOCIAIS URBANAS NA REGIÃO PORTUÁRIA DE SANTOS

Link para o projeto

  • PROJETO ATLAS AMBIENTAL DE DIADEMA, SP

Link para o projeto

  • PROJETO DE EXTENSÃO CIRANDA SAPECA

Link para o projeto

  • Promoção de iniciativas de economia solidária junto aos MEI da região dos Pimentas

Link para o projeto

  • Saberes e Sabores: A Nutricao em Dialogos

Link para o projeto

  • Sustentabilidade e Visões de Futuro

https://www.instagram.com/escoladesaudecolaborativa

  • Sustentabilidade na mídia

Link para o projeto

https://www.youtube.com/watch?v=qJZnH9oNCHU

  • Projeto Cabaça: Culturas de Matriz Africana e Economia Solidária
  • Agroecologia e consciência alimentar
  • Quintal do Campus
  • Fortalecendo Redes Territoriais de Cuidado no enfrentamento à pandemia por COVID-19 na Baixada Santista

Região Sul:

Universidade Federal do Rio Grande – FURG

  • Fortalecimento da agricultura familiar no território da Zona Sul do Rio Grande do Sul

Objetivo Geral: Fortalecer espaços de feiras e eventos por meio de uma articulação com organizações governamentais e não governamentais, proporcionando a participação de diferentes organizações e atores sociais voltadas para a agricultura familiar.

  • CVT’s das Agrobiodiversidades Bailique-Rio Grande

Objetivo Geral: Implantar e consolidar 2 Centros de Vocação Tecnológica (CVT) nos extremos Norte e Sul do Brasil, de maneira a contribuir para a inclusão social e o desenvolvimento sustentável das comunidades do Bailique (Amapá) e do Rio Grande (Rio Grande do Sul).

  • BluEco Net (Rede Germano-Brasileira de Pesquisa em Bioeconomia com foco em toda a Cadeia de Valor Agregado da Indústria da Aquicultura)

Objetivo Geral: Estabelecer uma rede autossustentável de pesquisa em bioeconomia bi-nacional Alemanha-Brasil com um foco temático no agronegócio, especificamente a toda a cadeia de valor da indústria da aquicultura, incluindo seus setores associados de serviços, provedores de tecnologia, fornecedores de matéria-prima (animais, plantas, agricultura) e seus clientes na indústria de alimentos.