A medida das cotas

A medida das cotas

SÃO PAULO – Os estudos que mostram que o desempenho médio de estudantes beneficiados por programas de ação afirmativa é inferior ao dos demais não deveriam causar surpresa. Se fosse tão fácil para cotistas apresentar rendimento superior ao de não cotistas, como sugeriram alguns trabalhos divulgados com alarde poucos anos atrás, ninguém estaria discutindo cotas. É justamente porque são piores que a ideia de ação afirmativa se coloca.

Também não é o caso de tomar tais resultados como demonstração insofismável de que essas iniciativas deveriam ser rejeitadas “prima facie”, já que serviriam apenas para aniquilar a meritocracia dos vestibulares clássicos. Dá para sustentar, como o fez Fábio Waltenberg, responsável por um dos estudos, que o desnível da ordem de 10% verificado entre os dois grupos é um preço baixo a pagar pela maior inclusão.

Toda a dificuldade em torno das cotas vem do fato de que universidades desempenham um duplo papel. Elas se tornaram a principal mola de ascensão social do mundo moderno e também têm a missão de formar os quadros que estarão à disposição da sociedade em todas as áreas.

Enquanto o primeiro critério admite salpicadas da tal de justiça social, o segundo recomendaria uma adesão mais forte à excelência acadêmica. O desafio é encontrar um jeito de conciliar os dois princípios. Não sei se isso é possível, mas a resposta, se existe, não são os 50% de vagas exclusivas para minorias e pobres do novo modelo federal de ação afirmativa. Sua implementação aumentará o “gap” entre cotistas e não cotistas, inflacionando o preço da inclusão.

A única conclusão forte a tirar disso tudo é que é urgente melhorar o nível da escola básica. Uma das características do conhecimento acadêmico é que o aluno só progride bem quando domina as etapas anteriores. O lugar certo para combater o desnível são os primeiros anos do ensino fundamental, não a faculdade.

Hélio Schwartsman é bacharel em filosofia, publicou “Aquilae Titicans – O Segredo de Avicena – Uma Aventura no Afeganistão” em 2001. Escreve na versão impressa da Página A2 às terças, quartas, sextas, sábados e domingos e às quintas no site.

Publicação Folha de São Paulo

 

 

 

 

Why can Angel Batista get away with wearing a fedora
free games online Decorating isn strictly necessary for a party

Online Site Deals Offer Good Discount Price
online games Gothic clothing for the eternal night

After 6 years in the military need help with new wardrobe
cheap prom dresses You can keep your kids from always playing with your phone

Buy the Latest Fashionable Leather Blazers
forever 21 So often in shows like these

2002 Power Sweepers In Troy
free online games ‘ So he sat and drank a cup of coffee

shoes made right here in metro Atlanta
jeux fr which organizers said was attended by about 1

Does the Dinair Airbrush Kit Really Save Time
games in my judgment he is irresponsible

Lending the Difference Between U
kleider eggs and French toast

Compartilhar