A UFBA em movimento

A UFBA em movimento

Serenidade e firmeza na observância de princípios fundamentais para a universidade têm sido decisivas na travessia desta longa e incerta quarentena, imposta a cada um de nós pela pandemia do novo coronavírus. O respeito pela vida humana, a garantia da isonomia de oportunidades e a defesa constante da qualidade da universidade pública em ensino, pesquisa e extensão são os princípios que têm orientado a Administração Central da UFBA e lastreado ações e reflexões. Estamos assim atentos ao presente e também a nosso futuro, sem jamais descurar da autonomia, da unidade e da segurança que devem caracterizar uma instituição pública, gratuita, inclusiva e de qualidade.

Quem tem apreço pelo conhecimento e acompanha a vida universitária sabe que a UFBA não está parada. A Universidade está viva e em movimento. Estamos trabalhando muito e intensamente – nas muitas ações de combate direto à pandemia, mas também na continuidade de pesquisas e orientações, na interlocução com a sociedade por meio de palestras e entrevistas online, na manutenção de rotinas e procedimentos administrativos e no planejamento e execução de novas ações, conservando os laços entre as unidades e a Administração Central e superando, em todos esses casos, as adversidades decorrentes do trabalho remoto e em isolamento social. Exemplo disso, mas não o único, foi a realização, em maio, de um grande Congresso Virtual – certamente, o maior já feito no país. Ao longo de duas semanas, nossa comunidade universitária acolheu intelectuais de expressão nacional e internacional. Em quase duas mil atividades, que envolveram estudantes, professores, técnicos e terceirizados, a UFBA pôde mostrar à sociedade a qualidade de sua pesquisa, a vitalidade de sua arte e a maturidade de sua reflexão acerca da grave crise que o país atravessa. Vale aqui um registro mais detalhado dos números globais. Foram 38.055 inscritos, tendo havido 440 mesas ao vivo e 191 mesas gravadas. Além disso, tivemos 1.037 vídeo-pôsteres, 257 intervenções artísticas e 200 atividades do UFBA mostra sua cara.

A energia da UFBA não deixou, aliás, de ser um estímulo para a realização, de forma virtual, nos próximos dias 17 e 18 de junho, do primeiro Congresso da ANDIFES – associação que reúne os reitores das universidades federais. Este evento congregará nossas universidades em uma instigante troca de experiências, visando a construir um diagnóstico preciso das condições atuais das universidades federais e, com isso, subsidiar a elaboração de uma proposta concreta, capaz de respeitar-lhes a diversidade, mas também de oferecer-lhes padrões e critérios comuns, seja para a retomada de atividades presenciais, seja para a conjugação destas com ações remotas.

Nossa atenção volta-se agora em muito para o Congresso da ANDIFES, pois queremos contribuir bastante para seu sucesso, reiterando nossa habitual e convicta defesa de uma universidade pública unida, que acolha e celebre sua diversidade. De uma universidade, portanto, voltada à redução de desigualdades, jamais ao seu aprofundamento. De uma universidade conduzida por suas próprias agendas, por sua autonomia, e não por pautas externas ao interesse da formação e do conhecimento. Em suma, procuraremos afirmar a universidade pública como um projeto de Estado, de longa duração e, por conseguinte, lugar natural de resistência a obscurantismos e autoritarismos.

A reflexão sobre os atuais desafios da educação foi um ponto forte do Congresso da UFBA. Nossa universidade, com efeito, já utiliza e seguirá ampliando e aprimorando métodos e ferramentas digitais. Todavia, não se deixará tragar pelo perigoso açodamento de certos discursos que, no limite, julgam possível a mera substituição do presencial pelo virtual. Nesse sentido, a UFBA trata essa questão com toda seriedade, não se inclinando em função de ameaças ou de vantagens transitórias. Nesse caso, a pressa e o imediatismo resultariam na exclusão da grande parcela de estudantes que não têm condições adequadas de acesso a meios digitais, bem como em alguma improvisação indesejável, tendo em conta o largo percentual de docentes que necessita de capacitação para transpor ao ambiente virtual a reconhecida qualidade de seus cursos presenciais. A UFBA tem real preocupação com essas lacunas, aferidas em enquete realizada em abril com docentes e discentes – aferição que este mês se estenderá a técnicos e terceirizados, a fim de entender as condições e desafios do atual trabalho remoto. Além disso, como instituição universitária, não podemos desconhecer a necessária reflexão sobre a natureza dos instrumentos e procedimentos a serem desenvolvidos e utilizados, pois sabemos não haver resposta técnica única para a diversidade de cursos, componentes curriculares ou áreas, nem afinal procedimento neutro, sem implicações didático-pedagógicas, que sim, também agora, nos devem suscitar reflexão e crítica.

Cenários futuros para a retomada das atividades presenciais são também objeto de nossa análise, sempre respeitando as melhores orientações sanitárias. Informamos assim à nossa comunidade que está em fase de elaboração pela Administração Central uma proposta para as atividades da UFBA em cenários diversos da pandemia. Nesse processo, buscaremos tanto estar afinados com diretrizes nacionais, quanto, sobretudo, apresentar decisões e procedimentos construídos e respeitados coletivamente pela UFBA. Tal proposta, que procura incorporar em sua construção contribuições diversas de nossas unidades e categorias, será anunciada em breve, de modo que possa ser então debatida e apreciada pelas devidas instâncias acadêmicas e institucionais. Seu cerne não será outro senão a preservação da saúde da comunidade, à luz daqueles princípios que nos têm orientado.

Dessa maneira, no que se referir a atividades presenciais, deve comportar diretrizes de uso de equipamentos de proteção individual e distanciamento entre pessoas, ampliação das condições de higiene pessoal em nossos campi e preservação dos segmentos mais vulneráveis à Covid-19, como idosos, portadores de doenças crônicas, gestantes e lactantes, observando ademais as necessidades específicas e diversas de nossos cursos. No caso de ações remotas, não deixará de contemplar a isonomia das condições de acesso a espaços, equipamentos e métodos de trabalho e estudo; tampouco pode descurar da necessária capacitação digital de docentes e técnicos, nem desconsiderar a unidade do calendário acadêmico, tendo em conta a diversidade de nossas atividades. Sabemos, pois, a gravidade do momento e a necessidade de encontrarmos formas seguras de prosseguir nossa vida universitária. Estamos em movimento, não podemos parar, mas temos plena consciência de que os passos a serem deliberados visam muito além do imediato do semestre ora suspenso, pois importam para o futuro mesmo da vida universitária em nosso país.

A Administração Central reitera, nesse sentido, sua disposição de continuar participando de reuniões em todas as unidades – aberta que está, como de praxe, a debater posições, prestar esclarecimentos e ouvir sugestões, cabendo a todos mobilizar a diversa e insubstituível reflexão de cada unidade. Porém, além do diálogo estabelecido diretamente, estamos colocando o e-mail ufbaemmovimento@ufba.br à disposição de cada unidade e cada membro de nossa comunidade. Através desse e-mail, até o próximo 02 de julho (quando a UFBA completa 74 anos!), podem ser enviadas perguntas, indicações de problemas a serem enfrentados, bem como documentos diversos sobre os cuidados a serem observados em nossas soluções, nos mais distintos cenários. A comunidade é chamada assim a contribuir com observações sanitárias, didáticas, pedagógicas, psicológicas, epistemológicas, arquitetônicas, políticas. É chamada, pois, a refletir sobre os ambientes presenciais e virtuais, na perspectiva dos cursos específicos, dos interesses diversos de técnicos, docentes e estudantes – neste caso, de calouros a formandos, graduandos ou pós-graduandos. Tais reflexões servirão ao aperfeiçoamento da proposta em elaboração no âmbito da UFBA, mas também do plano de contingência e da proposta de investimentos nos espaços físicos e em tecnologias digitais, ora em construção pela ANDIFES.

Enquanto permanecerem suspensas as atividades presenciais não essenciais ao combate à pandemia e à sobrevivência da instituição, benefícios de assistência estudantil – como as residências universitárias e o suporte à alimentação – e rotinas de manutenção dos espaços físicos e equipamentos seguem mantidos. E, nesse ínterim, a UFBA continuará agindo para assegurar, junto ao Governo Federal, os recursos necessários para viabilizar uma retomada segura, igualitária e unificada de suas atividades. São muitos, portanto, os trabalhos e desafios. A comunidade universitária pode, contudo, ter certeza: esta nossa UFBA em movimento não há de abandonar ninguém, nem renunciará jamais à sua qualidade e natureza como lugar de conhecimento e solidariedade.

Compartilhar