Acordos ampliam intercâmbio para produção científica

Acordos ampliam intercâmbio para produção científica

Presença da África vem crescendo, principalmente dentro da comunidade lusófona

Os desafios de ampliar a projeção internacional e a qualidade da produção científica têm levado o Brasil a dar incentivo crescente à cooperação Sul-Sul, uma das prioridades estratégicas da política externa. Em paralelo às parcerias tradicionais com Estados Unidos e Europa, ganham força os acordos com centros de pesquisa asiáticos e africanos. China, Coreia do Sul e Índia despontam entre os países que, em anos recentes, firmaram acordos com o Brasil em diversos campos de conhecimento. A presença na África também vem crescendo, principalmente com à comunidade lusófona.

“Mudou o cenário da educação no país e está mudando também o da inovação”, diz o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Clelio Campolina Diniz. Ele ressalta três grandes áreas de ponta em que o Brasil tem atuação destacada: a petrolífera, na tecnologia de exploração em águas profundas; a aeroespacial, na fabricação de aviões e satélites; e a agropecuária, em que a produtividade brasileira é reconhecida. Petrobras, Embraer e Embrapa são referências globais nesses segmentos. Diniz enfatiza a importância de atrelar a base científica à capacidade de produção e investir nos recursos humanos, diante do contexto de acirrada competição global.

“Entre 2000 e 2012, passamos de 5.300 doutores formados anualmente para 13.900 e a meta é titular 25 mil doutores em 2025?, afirma. Uma das iniciativas de sucesso é o Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT), avalia o ministro. Entre seus resultados está vacina contra leishmaniose visceral em animais, lançada em 2008 por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Sua tecnologia foi transferida para o Laboratório Hertape Calier Saúde Animal, de capital brasileiro e espanhol, que estuda a distribuição na Europa. Outra proposta de pesquisa vai destinar R$ 641 milhões para o apoio a núcleos de excelência e está aberta até 8 de setembro.

A Índia tem desenvolvido intercâmbios científicos com o Brasil principalmente nos campos da Tecnologia da Informação (TI) e da pesquisa espacial. Também há acordos com França, Itália, Japão, Rússia, Suécia e Alemanha, mas o destaque é a China, considerada parceira estratégica global. Em 2013, Brasil e China firmaram um ambicioso Plano Decenal de Cooperação Espacial, que abre para os dois países a perspectiva de atuar como fornecedores no mercado global de imagens e dados captados por satélite. Um marco importante ocorrerá em 7 de dezembro, data prevista para lançamento, a partir do país asiático, do satélite de sensoriamento remoto CBERS-4, construído pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Faz parte do acordo com os chineses o lançamento, em 2016, de um satélite geoestacionário que vai aumentar a segurança das comunicações estratégicas brasileiras de governo e defesa. “A internet terá 30% da capacidade dedicada à inclusão digital na Amazônia”, destaca o chefe da Assessoria de Cooperação Internacional da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Monserrat Filho. O Brasil também firmou parceria com a Alemanha para aperfeiçoar um Veículo Lançador de Microssatélite (VLM) desenvolvido pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE).Outra iniciativa recente de cooperação foi firmada com a Rússia: a Universidade de Santa Maria (RS) e o Instituto Técnico de Pernambuco irão abrigar uma estação de calibragem do sistema de navegação por satélite Glonass, alternativa ao americano GPS. Também com a Rússia o Brasil firmou um acordo na área petrolífera e outro na área de saúde. Este prevê parceria técnica entre o Instituto Butantan, a Empresa Federal Estatal Unitária e a Universidade de Pesquisa Científica de São Petersburgo para a produção de vacinas contra difteria, tétano, coqueluche e meningite.

A cooperação com o continente africano é uma das prioridades, principalmente em saúde e agricultura. Na área da pesquisa espacial, está em andamento o programa CBERS for Africa, que permitirá a recepção e distribuição gratuita de dados dos satélites sino-brasileiros por África do Sul, Angola, Botsuana, Lesoto, Moçambique, Suazilândia, Namíbia, Zâmbia e Zimbábue. No dia 17 de setembro, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação vai lançar a nova versão do ProÁfrica – Programa de Cooperação Temática em Matéria de Ciência e Tecnologia. Entre 2005 e 2010, a iniciativa financiou 190 projetos com R$ 9,6 milhões, em cinco editais do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

(Consecti)

Sexy Hairstyles and Beauty Tips of the Stars
watch game of thrones online free how to manufacture beneficial ’80s costume for halloween for men

A Walk down Silk Roads
forever 21 they can prevent injuries related to dancing

Experiment With Your Hair Style
free online games pop culture is considered as valid as the classics

American Eagle Outfitters Management Discusses Q1 2012 Results
jeux LOS ANGELES The Fashion House

Fashion trends for ladies who lunch
miniclip out of necessity

7 Tips for Writing a Good Fashion Dissertation
kleider A magazine editor edits

Easter dresses starting at only
ballkleider Whisk in the remaining 2 tablespoons butter

9 Reasons To Do Joint Venture Deals On eBay
games and stir well

Compartilhar