Andifes discute novo modelo de internacionalização em debate na UFPE

Andifes discute novo modelo de internacionalização em debate na UFPE

Mudanças no programa de internacionalização da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) foi tema do Seminário Regional Nordeste, que aconteceu durante a reunião regional do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Pós-Graduação e Pesquisa (Foprop), na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), nesta terça-feira, 8 de março. Na ocasião, a diretora de Relações de Internacionais da Capes, Concepta Pimentel Margaret McManus apresentou o novo programa que o órgão está desenvolvendo para aumentar a qualidade da produção científica nas universidades. Estiveram presentes pró-reitores e diretores de relações internacionais de universidades do Nordeste.

A presidente da Andifes, reitora Ângela Paiva Cruz (UFRN), que presidiu a mesa, disse que a Capes tem trabalhado para formatar um programa de apoio à internacionalização das universidades, mas que este processo deve ser matéria e decisão da própria universidade. Segundo a presidente o esforço é a construção de estratégias consistentes de internacionalização com metas de médio e longo prazo. “Nós queremos apoiar esse processo, e para isso, as instituições devem envolver as pró-reitorias e planejar um projeto de internacionalização com foco na excelência acadêmica, da pesquisa à pós-graduação”, explicou.

Segundo a diretora da Capes, 63% dos pesquisadores brasileiros nunca fizeram pesquisa no exterior. “Temos pessoas excelentes, mas precisamos dar oportunidade para elas se mostrarem”, explicou. Concepta afirmou que o fator de impacto das publicações dos pesquisadores brasileiros em revistas científicas é de 0,86, enquanto a média mundial é de 1. Quando são realizadas pesquisas em parceria com outros países, o fator de impacto aumenta consideravelmente.

Para ela, no entanto, a mobilidade é apenas uma parcela do processo de internacionalização. “É preciso pensar na internacionalização como um método para chegar a algum lugar e não como um fim em si”, defendeu. Em seguida, Concepta apresentou o questionário de dimensionamento das necessidades para a internacionalização das instituições de ensino superior brasileiras, que deve ser preenchido pelas universidades até 4 de abril.

 O objetivo da consulta é aprimorar as políticas de fomento à pesquisa e tornar o processo mais flexível, facilitando o remanejamento de verbas dentro da própria universidade. Para o reitor Anísio Brasileiro, a consulta vai exigir uma mudança de cultura e um trabalho integrado das Pró-Reitorias para Assuntos de Pesquisa e Pós-Graduação e das Diretorias de Relações Internacionais das instituições, em conjunto com os professores e coordenadores das pós-graduações. “Estamos diante de uma grande oportunidade para exercitar a autonomia universitária”, disse o reitor da UFPE.

O evento foi organizado pela regional Nordeste do Foprop, coordenada pelo pró-reitor para Assuntos de Pesquisa e Pós-Graduação da UFPE, Ernani Carvalho, e teve a participação da secretária executiva da Diretoria Executiva do Foprop, Tereza Cartaxo, pró-reitora de Pós-Graduação e Pesquisa da Universidade de Pernambuco (UPE).

 

Ascom/Andifes, com informações da Ascom-UFPE.

Compartilhar