Andifes realiza seminário “Comunicação Pública das Universidade Federais”

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) realizou o seminário ‘Comunicação Pública das Universidade Federais’. A atividade, organizada pelo Colégio de Gestores de Comunicação das Universidades Federais (Cogecom/Andifes), reuniu assessores das universidades federais.

O evento tratou temáticas como ‘Convergências de Mídia’, ‘Visibilidade das universidades na Mídia Nacional’, ‘Fake News e Divulgação Científica’.

“A programação foi organizada pelo Cogecom e, também, pela comissão de comunicação formada por reitores da Andifes. Essa comissão foi criada na última reunião do Conselho da Andifes”, explica o coordenador do colégio, Márcio Guerra.

Guerra acrescenta que o objetivo do evento é capacitar reitores e assessores de comunicação em estratégias e mecanismos de defesa das Ifes. “É fundamental esse investimento diante de um cenário cada vez mais adverso, em função de um governo que tem, constantemente, demonstrado equívocos nas suas falas a respeito do que significa uma universidade pública, da sua importância e da sua relevância para o desenvolvimento do país. Então, é preciso que as universidades mostrem à opinião pública este equívoco, mostrem que são imprescindíveis para a sociedade brasileira.

Alex Primo (UFRGS), doutor em Informática na Educação, destacou a importância do fortalecimento das marcas das instituições. “Comunicação é prioridade estratégica para as universidades”, enfatizou o pesquisador. Primo lembra que “tudo é imagem e imagem cria realidades”. E como enfrentar o grande volume de desinformações que circulam pelas redes sociais? Ou ainda: por que tantas pessoas acreditam e compartilham as chamadas fake news?

Para o sociólogo Yuri Castelfranchi (UFMG), nem sempre a ignorância é o fator mais relevante nesse processo. Ele aponta que existem temas de discussão que são construídos para que as pessoas comecem a duvidar. É o que o cientista denomina de “mercadores da dúvida”: criam-se sentimentos de incerteza, de polêmica, para que possam atrasar imensamente a tomada de decisão, as políticas públicas, os julgamentos, as ações e as mudanças de comportamento.

Com base em discussões sobre estratégias e fluxos comunicacionais, reitores e gestores de comunicação traçaram algumas diretrizes para o trabalho em conjunto das 63 instituições que compõem a Andifes.

Compartilhe: