Andifes realiza Seminário de Pós-Graduação, Inovação e a Expansão das Universidades Federais

Andifes realiza Seminário de Pós-Graduação, Inovação e a Expansão das Universidades Federais

Ministro Aloizio Mercadante (MCTI) foi palestrante


A Andifes realizou no dia 14 de setembro, o Seminário: Pós-Graduação, Inovação e a Expansão das Universidades Federais. O evento foi na sede da Associação e contou com a presença de autoridades, representantes da área de pesquisa, ciência, tecnologia, inovação e mais de cem participantes.

O seminário faz parte do ciclo de atividades da Andifes para construir diretrizes para uma expansão das universidades federais.

Na abertura do encontro o presidente da Andifes, reitor João Luiz Martins (UFOP), falou que o seminário de pós-graduação é mais um grande passo que a Associação dá proporcionando o debate e a interlocução com o governo, instituições e universidades. Para o reitor é impossível pensar numa expansão qualificada sem pensar na pós-graduação, na pesquisa, geração de conhecimento e formação de recursos humanos. “Nenhuma expansão pode ser feita sem ter qualidade. Não dá para pensarmos em expansão da graduação sem pensarmos também na pós-graduação”, afirmou João Luiz.

MCTI
O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante, fez uma apresentação sobre a estratégia que o país deve construir nas áreas de ciência, tecnologia e inovação. Dentre as ações o ministrou falou que é importantíssimo as universidades realizarem parcerias com o setor produtivo. “Precisamos motivar as empresas a criarem laboratórios, investir em Inovação e Programa de Estágio Docente. Mercadante disse que é preciso transformar C,T&I  como eixo estruturante do desenvolvimento, bem como consolidar a liderança na economia do conhecimento.

No ranking de produção científica e inovação o Brasil está na décima terceira posição.

O ministrou falou da importância que têm as universidades em desenvolver pesquisa, por exemplo, em alto mar. “O pré-sal é um recurso que devemos explorar. Somos o país que possuímos uma das maiores reservas de petróleo do mundo”, afirmou Mercadante.

Sobre os royalties do petróleo para CT&I, Mercadante mostrou as seguintes propostas de emenda do MCTI ao PL 8.051/2010 que determina as regras de partilha dos royalties provenientes da exploração de petróleo na camada do pré-sal: reaver receitas do CT-Petro, retiradas pela Lei nº 12.351/2010; destinar 7% dos royalties de contratos de partilha para CT&I e estabelecer que 30% dos royalties destinados a Estados e Municípios sejam aplicados em educação, ciência e tecnologia.

Programa Ciência sem Fronteiras
Acerca das 75 mil vagas que o Programa Ciência sem Fronteiras irá disponibilizar, Aloizio Mercadante informou as modalidades e áreas a que serão destinadas. Dentre as áreas prioritárias estão engenharias, ciências exatas, física, química e biologia.

Indicadores da pós-graduação
O pró-reitor Danilo Giroldo (COPROPI) apresentou um estudo sobre a distribuição geográfica da pós-graduação e as suas relações com indicadores socioeconômicos no Brasil. Foi identificado assimetrias tanto no número de existência de doutores quanto no Plano de Pós-graduação entre as mesorregiões brasileiras. O estudo objetivou identificar o potencial de formação de Programas de Pós Graduação em rede ou redes de pesquisa em áreas estratégicas, associando regiões ou IES consolidadas e emergentes e também o potencial de formação de recursos humanos e de realização de projetos de pesquisa que objetivem a reversão de indicadores sócio-econômicos desfavoráveis e/ou o desenvolvimento regional.

As principais conclusões do estudo foram que: há um grande espaço para a expansão da Pós-Graduação para regiões ainda sem possibilidade de formação neste nível; a definição de traçados de prováveis PPGs em rede é viável a partir da análise das áreas de conhecimento em cada grande área; a correção das assimetrias intra-regionais deve passar pela consideração da diferença entre as regiões metropolitanas (capitais) e interior e que AP, RO, RR, AC e TO, principalmente, carecem de induções mais incisivas e articulação com AM e PA para criação de PPGs em rede em todas as áreas do conhecimento na Região Norte.

Pós-graduação nas IFES
O professor José Ivonildo do Rêgo (UFRN) falou sobre a evolução da pós-graduação nas Instituições Federais de Ensino Superior. O professor afirmou que sem uma sólida expansão dos cursos de pós-graduação, com qualidade, não se conseguirá que as universidades e centros tecnológicos atinjam o grau de excelência necessário para que o País dê o grande salto para o futuro. Ele mostrou o crescimento do número de alunos nos cursos de pós-graduação nos últimos anos. Em 2006, foram 132.420 alunos que entraram para a PG no Brasil. Já em 2010 este número aumentou, chagando a 161.068 alunos. Isso significou uma variação de 21,6%. Nas universidades federais a variação foi maior, 31%. Em 2006 foram 65.541 alunos e em 2010 aumentou para 85.787.

Inovação e empreendedorismo nas Universidades
O reitor Alvaro Prata (UFSC) discutiu o tema Inovação Tecnológica: da idéia à geração de emprego e renda. O reitor falou da importância em estimularmos e promovermos Inovação tecnológica dentro das universidades. Para ele inovar é observar e transformar para melhor reduzindo a desigualdade, gerando riqueza e renda para a população e participando ativamente da História. “A inovação é facilitada pelo conhecimento científico que hoje o Brasil possui em abundância. Precisamos incentivar a criatividade das nossas crianças e jovens”, afirmou Prata.

O reitor Renato Aquino (UNIFEI) apresentou ações indutoras de empreendedorismo que as universidades devem ter, como: processos pedagógicos apropriados, bolsas de iniciação ao empreendedorismo e à inovação, premiação para concursos de planos de negócios e valorização de atividades docentes em empreendedorismo para progressão funcional.

CAPES


O Presidente da CAPES, Jorge Guimarães, falou sobre os desafios do Plano Nacional de Pós-graduação (PNPG) 2011-2020 para consolidação da pos-graduação Brasileira e os desafios para as IFES. Jorge Guimarães informou que 77% de investimento da CAPES é em bolsa. “É Preciso expandir as bolsas de doutorado sanduíche que a CAPES disponibiliza. Precisamos estimular a formação de redes de pesquisa e pós-graduação envolvendo parcerias nacionais e internacionais, no nível da fronteira do conhecimento, visando à promoção da descoberta do “novo” e apoiar projetos inéditos”, disse.

Jorge Guimarães defende que 2% do PIB devem ser destinados a ciência e tecnologia.

Para o presidente da CAPES o maior desafio está na educação básica. Ele afirma que é preciso ampliar os editais destinados à pesquisa em educação básica nos moldes dos programas em andamento, como por exemplo o Observatório da Educação.

CNPq
O vice-presidente do CNPq, Manoel Barral, explicou porque é preciso investir em bolsas no exterior para estudantes e pesquisadores brasileiros. Para ele o investimento em alunos irá melhorar o aproveitamento do conhecimento desenvolvido nas melhores instituições de ensino e pesquisa do mundo e também a exposição dos melhores talentos nacionais a um ambiente educacional e profissional onde inovação, empreendedorismo e competitividade já são padrão.

SESu/MEC


O Secretário Luiz Cláudio Costa (SESu) falou sobre a importância do Brasil participar dos ranking mundiais. Ele disse que pela primeira vez o Brasil foi chamado a participar do ranking chinês “Times educations”. “Nós estaremos dentro deste ranking para representarmos nossas universidades. Precisamos melhorar em alguns quesitos como na internacionalização dos nossos talentos e na gestão orçamentária, mas mesmo assim, vamos representar o país”.

Clique aqui e veja as apresentações.

Compartilhar