Andifes se reúne com Kassab e pede recursos para a pesquisa nas universidades federais

A Diretoria Executiva da Andifes esteve reunida, no dia 31 de janeiro, com o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab. Além do ministro, participou do encontro o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCTIC, Álvaro Prata. O encontro teve por objetivo discutir projetos e recursos para a pesquisa nas universidades federais.

Na oportunidade, a Diretoria ainda pediu ao ministro Kassab a recuperação da emenda aprovada no valor de R$ 40 milhões para o financiamento de projetos de implantação, recuperação e modernização da infraestrutura de pesquisa nas instituições públicas de ensino superior e de pesquisa (CT-Infra). Segundo a presidente da Andifes, a reitora Ângela Paiva Cruz (UFRN), a emenda sumiu no orçamento. O ministro Kassab garantiu que irá tratar do tema na reunião que terá com o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, na próxima semana.

Kassab ainda destacou o esforço que a pasta está fazendo na regulamentação dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs). Segundo ele, dos 151, 103 já foram devidamente regulamentados e já estão recebendo os primeiros repasses, e que os demais, estão com problemas nas fundações de apoio nos estados. “Estamos trabalhando para sanar essas dificuldades. A contratação só poderá ser realizada na forma do edital, e se houver contrapartida dos estados”.

A regularidade dos repasses para a execução de projetos de implantação, modernização e ampliação de infraestrutura de pesquisa científica e tecnológica em universidades foi uma das propostas apresentadas pela Andifes.  “Há universidades que estão esperando receber as parcelas dos editais para poder dar andamento. Esse apoio financeiro é fundamental para a realização das iniciativas”, completou.

Ângela afirmou ainda, que parte das pautas debatidas na reunião do Conselho de Ciência e Tecnologia (CCT), realizada na semana passada, foram também temas do encontro com o ministro Kassab, como o contingenciamento do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico Tecnológico (FNDCT) e a meta de investimento de 2% do PIB para C&T.

“Nós nos propomos, enquanto Associação, como parceiros, pois estamos bem atentos e preocupados com a estratégias que a pasta vai adorar para que esse percentual se consolide. O entendimento da Andifes é que seja em uma economia crescente ou decrescente, a ciência e a tecnologia são fatores essenciais para a recuperação da economia e não um fator de gasto. Não é uma perda, é um ganho, um investimento”, destacou.

 

Ascom/Andifes

Compartilhe: