Assistência ao estudante é falha nas universidades públicas

Assistência ao estudante é falha nas universidades públicas

Só 12% dos universitários recebem algum tipo de apoio. Mesmo entre cotistas, ajuda chega a apenas 23% do total

RIO — Dos quase 1,5 milhão de estudantes matriculados em instituições públicas de ensino superior no Brasil, apenas 12% recebem algum tipo de apoio social. É o que mostra uma análise feita por Marcelo Paixão, professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e coordenador do Laboratório de Análises Econômicas, Históricas e Sociais das Relações Raciais (Laeser), com base nos microdados do Censo da Educação Superior 2010. Por apoio social, entende-se auxílio para alimentação, moradia, transporte e aquisição de material didático.

Problemas com bibliotecas, livros e restaurantes

Levados em conta apenas os alunos beneficiados por políticas de ações afirmativas — em tese os que precisam ainda mais deste tipo de assistência —, a situação é um pouco melhor: 22,5% recebem algum apoio. A maior parte deles conta com bolsas-permanência. Paixão ressalta que, neste grupo, apenas 0,3% dos matriculados têm ajuda para comprar livros, enquanto 1,3% recebem auxílio para moradia e 4,3%, para transporte.

Segundo o pesquisador, o número de estudantes atendidos é muito baixo e prejudica a sua inclusão no ensino superior. No Rio, a UFRJ e a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) adotam as ações afirmativas no processo seletivo. Já a Universidade Federal Fluminense (UFF) terá cotas sociais a partir da seleção deste ano.

— As cotas são uma medida benéfica, pois ajudam quem teria dificuldade de acesso, em geral, devido a fatores econômicos. Só que, sem assistência, surge um obstáculo adicional. É preciso que as políticas de inclusão sejam pensadas de maneira integrada. Não basta colocar o aluno mais pobre dentro da universidade. É necessário, também, dar condições para sua permanência. Em cursos de maior prestígio social, como Medicina e Engenharia, os gastos só com livros chegam a ser proibitivos — afirma o professor.

Caroline Sales, aluna do 6 período de Ciências Sociais da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Salvador, e oriunda do sistema de cotas da instituição, conta que a falta de apoio atinge todos os estudantes. Segundo ela, a UFBA até oferece uma bolsa-permanência para os cotistas, mas a oferta é limitada “e é preciso ser praticamente um miserável para conseguir”.

— A gente não tem assistência estudantil aqui. Para conseguir uma bolsa, é preciso ter renda muito baixa. O alcance do auxílio financeiro é limitadíssimo. A UFBA tem vários campi. Alguns são muito afastados do Centro, e em apenas um deles há restaurante universitário. Além disso, não existe transporte entre eles. Se você quiser almoçar no bandejão, precisa pegar um ônibus para ir e outro para voltar. E ainda corre o risco de, quando chegar, já terem distribuído todas as senhas — relata Caroline, que ainda reclama do acervo das bibliotecas. — A do meu campus está caindo aos pedaços, não tem muitos livros. Apelo para xerox.

Mas não são apenas os alunos de cotas que sofrem com a falta de auxílio estudantil. Quem não tem dinheiro para comprar os livros didáticos, por exemplo, deveria recorrer à biblioteca da sua universidade. O problema é que, em diversos casos, a quantidade de livros disponíveis é insuficiente para todos os estudantes e o tempo de empréstimo, limitado. Aluno do 3 período de Engenharia Elétrica da UFRJ, Renato Tomaz já entendeu que não é possível contar com a biblioteca quando chega a época de provas. Ele fez até um cálculo que demonstra o tamanho da diferença entre a necessidade dos alunos e o que é oferecido pela faculdade.

— Se você buscar no sistema de bibliotecas da universidade, deve ter entre 15 e 20 exemplares do livro utilizado na aula de Cálculo I. Apenas na turma de Engenharia Elétrica, entram 60 estudantes por semestre. Se você somar todas as engenharias, as licenciaturas e outros cursos que têm a disciplina, vê que é insuficiente; você é obrigado a comprar. Pelo menos, esse livro vai ser utilizado ao longo do curso. Há outros que você precisa comprar e usa apenas um semestre — critica o estudante.

Quem mora longe da faculdade também enfrenta problemas. Vinicius Barrozo, que cursa o 5 período de Publicidade na UFF, saiu da casa da mãe, em Realengo, na Zona Oeste do Rio, e foi morar com a avó no Méier, na Zona Norte. Antes da mudança, ele levava até três horas para chegar à faculdade, no bairro do Ingá, em Niterói. Agora, o tempo de viagem fica entre uma hora e meia e duas horas. Na volta, ainda é obrigado a fazer o caminho até a estação das barcas em grupo, para evitar assaltos. Vinicius diz que, se pudesse, moraria em Niterói.

— Tenho aulas à noite. Então chego em casa muito cansado, sem a menor condição de estudar. Com o estágio no Centro durante o dia, só tenho tempo de ler os textos da faculdade no ônibus ou no fim de semana. Infelizmente, com a disparada dos preços dos imóveis, o aluguel em Niterói está muito caro, não tenho condição de pagar. Se a UFF tivesse um alojamento, eu me mudaria sem pensar duas vezes — diz Vinicius.

Em muitos casos, o auxílio é determinante para a conclusão do curso. Ana Carolina Macedo, de 24 anos, estuda Licenciatura em Matemática na Uerj. Ela entrou na instituição pelo sistema de cotas e recebeu a bolsa-permanência oferecida durante boa parte do curso. Uma pequena ajuda (R$ 300), mas preciosa. Quando ela começou a estudar na Uerj, não havia lá um restaurante universitário (o bandejão só foi inaugurado este ano), e o dinheiro cobria os principais gastos com passagem e alimentação.

— No início da faculdade, não dá para conseguir estágio; então, a bolsa faz toda a diferença. Tive colegas da Baixada que enfrentariam muitos problemas para se formar sem nenhuma ajuda. O dinheiro gasto aqui teria que sair do orçamento da casa — afirma Ana Carolina.

Procurado desde quarta-feira da semana passada para comentar a falta de auxílio para o estudante do ensino superior público, o Ministério da Educação (MEC) informou que não tinha nenhum porta-voz disponível. De acordo com o MEC, o Plano Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes) recebeu R$ 1 bilhão entre 2008 e 2011 e, no último ano, foram concedidos cerca de um milhão de benefícios.

 

Growing Trends of the Mobile Phone Industry
free games online Cut each half into six even wedges

How to Dress Like Gwen Stefani
online games Socks come in every design and colour you can imagine

What Are the Benefits of Lactic Acid in Moisturizers
cheap flights and business ideas are often spurred by growing trends

Unlimited Banana Republic friends and family codes
onlinegames certainly add a

Choosing The Right Dimension For You Personally
jeux 26 does not do the business justice

Top 5 Reasons You Don’t Want GG Allin Watching Your Kids
kleider With admittedly terrible timing

Chicago designers prove great style isn
ballkleider Strap down your foot

ETFs For Dividend Growth Investors
games A solid color V neck pullover sweater

Compartilhar