Autoridade em pesquisas amazônicas ministra aula magna na UFRR

Autoridade em pesquisas amazônicas ministra aula magna na UFRR

A aula magna 2009 da Universidade Federal de Roraima (UFRR) será proferida pela geógrafa e professora emérita da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Bertha Becker. Ela estará em Boa Vista no dia 27 de março, sexta-feira, quando ministrará a aula magna no Auditório Alexandre Borges, no Campus Paricarana, às 18h30min.

Doutora em Geografia pela UFRJ em 1970, Bertha concluiu pós-doutorado no Departamento de Estudos e Planejamento Urbanos do Massachusetts Institute of Technology (MIT), em 1986, e é considerada uma referência mundial quando o assunto é Amazônia. Há 30 anos, a pesquisadora estuda as transformações pelas quais a região amazônica vem passando, incluindo sua ocupação e devastação. A observação é fruto de pesquisa de campo ao longo das inúmeras viagens que Bertha fez pela Amazônia.

A pesquisadora iniciou sua carreira na década de 50 como acadêmica no curso de Geografia e História na UFRJ. Ao longo da vida dedicou-se às salas de aula e às pesquisas científicas, principalmente aquelas voltadas para a geografia humana. Entre suas atividades, está a de professora visitante da pós-graduação da Universidade de Paris X em Nanterre, na França, em 1991, e na Universidade Autônoma do Mexico, em 1989. Bertha também é doutora honoris causa pela Universidade de Lyon III, França.

Autora de diversos títulos sobre a Amazônia, a geógrafa ensina que, para preservar a floresta, é preciso conhecê-la cientificamente. Seu último livro publicado, Um Futuro para a Amazônia (Editora Oficina de Textos, 152p, 2008), quer chamar a atenção das novas gerações para essa temática.

A obra vem somar-se aos cerca de 15 livros, 47 artigos completos em periódicos e 55 capítulos de livros já publicados pela geógrafa. Suas publicações são utilizadas por diferentes áreas do conhecimento, passando pela Geografia, História, Relações Internacionais, Direito, Ciências Sociais, Comunicação Social, entre outras. Há pelo menos 10 anos, a pesquisadora defende uma revolução científica para salvar a floresta levando, ao mesmo tempo, riqueza e desenvolvimento para a Região Amazônica.

Hoje, seu tempo é dedicado a projetos científicos variados como o Experimento de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia, liderado pela Nasa, a agência espacial norte-americana.

 

 

 

 

 

 

Compartilhar