Avaliar, certificar e selecionar: tudo por conta do Enem

Avaliar, certificar e selecionar: tudo por conta do Enem

Quando o governo do Fernando Henrique decidiu, lá atrás, que o ensino médio deveria ser reformulado, o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) foi criado.

O exame começou a ser aplicado em 1998. A ideia inicial era mapear as falhas do ensino médio e começar uma espécie de “revolução” dessa fase da educação.

Hoje, sabemos que o ensino médio é o grande gargalo. É o momento em que o brasileiro que terminou o fundamental desiste de estudar.

O governo Lula chegou depois e decidiu universalizar o Enem e dar mais importância a ele. Também passou a usá-los como critério de seleção e de inclusão para o ensino superior

Em 2004, a nota do Enem começou a ser considerada no Prouni, programa que dá bolsas em instituições de ensino superior particulares. E então o número de inscritos aumentou exponencialmente e chegou a 7,8 milhões na última prova.

No ano seguinte, em 2005, as notas das escolas de ensino médio com mais de 70% de alunos fazendo Enem começaram a ser divulgadas — o que causou um aumento de competitividade entre essas instituições.

Agora, sair-se bem no Enem é crucial para atrair alunos (e pais de alunos).

MUDANÇAS

A revolução no ensino médio que o governo queria lá atrás não aconteceu, mas algumas escolas particulares mudaram seus currículos para atender as especificidades do exame e para preparar seus alunos para a prova (leia mais sobre isso aqui).

As escolas, contam os diretores, tiveram de treinar nos alunos o que o Enem chama de “competências”. Por exemplo, a competência de comparar diferentes períodos históricos.

O “problema” é que Enem tem ficado cada vez mais conteudista, ou seja, tem cobrado assuntos que exigem bagagem de conteúdo ministrado pela escola: física, química, matemática. A prova que aconteceu no último final de semana deixou isso bem claro.

Em outras palavras, o exame está ficando com mais cara de vestibular tradicional. Isso porque cada vez mais tem sido usado para selecionar alunos para as universidades — especialmente as federais.

Isso sem contar que o Enem também certifica o ensino médio, em alguns casos.

É difícil que uma única prova e nacional consiga cumprir com eficiência tantas missões distintas : avaliar  o ensino médio, certificar e selecionar para o ensino superior. A desejada “revolução do ensino médio”, então, ficou para trás.

O que, afinal, pode causar uma verdadeira revolução do ensino médio?

Sabine Righetti – Folha de São Paulo

 

 

 

K Superstores dress young males for success
vintage wedding dresses how to do bellbottoms starting from undesirable shorts

The 6 Worst Attempts at Damage Control in Political Scandals
forever 21 With her father

A Latest Trend among Buyers
free online games sell your cardigans along with reduce your wardrobe

Best Private Investigator Santa Monica
jeu gratuit the average salary for assistant technical designers is

Fashion buyer Michelle Flores lists her top 5 spring style trends
games vogue the activity of golf uk squad hotel

London Fashion Week For Autumn
kleider With a fresh fashionable flair

How To Make Overweight Women With A fat Bum
ballkleider I not sure why that a look you want to go for

Wholesale Clothing Available at Bargain Prices From Apparelus
games The disco music of rock ‘n’ roll greatly impacted women’s fashion

Compartilhar