Brasil terá primeiro centro de tecnologia em nanotubos

Brasil terá primeiro centro de tecnologia em nanotubos

Parceria de R$ 36,2 milhões envolve UFMG, Petrobras e BNDES para produzir o material em escala industrial

Nanotubo de carbono é formado por estrutura com a espessura de um átomo e pode ser muito mais forte que o aço

No Brasil, a inovação tecnológica está onde sempre esteve: atolada no lodaçal burocrático que impede uma montanha de empresas de ir até a academia. Não em Belo Horizonte, porém: até o final deste mês deverá ser lançado oficialmente o Centro de Tecnologia em Nanotubos de Carbono (CTNanotubos).

A parceria de R$ 36,2 milhões reúne UFMG, BNDES, Petrobras e o grupo Camargo Corrêa para fazer o país lucrar com nanotecnologia.

Muito resistente e com propriedades elétricas e térmicas peculiares, os nanotubos já tiveram quase 200 aplicações mapeadas, em duas dezenas de setores industriais.

Em 2000, o laboratório do físico Luiz Orlando Ladeira na UFMG foi o pioneiro, no Brasil, na produção regular desse material, que foi descoberto em 1991.

Da eletrônica à biotecnologia, muita gente experimenta com os tubinhos. Eles se parecem com uma tela de galinheiro enrolada e têm diâmetro de poucos nanômetros (milionésimos de milímetro, o que significa que um fio de cabelo é cerca de 100 mil vezes mais espesso que eles).

SEDE PROVISÓRIA

O centro já existe, na verdade. Funciona provisoriamente numa antiga cocheira da Polícia Militar mineira e conta com nove pedidos de patentes.

Agora foram concluídas as complicadas negociações –que duraram dois anos– para definir as participações de cada parceiro no investimento e nos direitos de propriedade intelectual sobre eventuais produtos e aplicações.

O BNDES entrou com R$ 18 milhões, a Petrobras, com R$ 15 milhões, e a InterCement (Camargo Corrêa) com R$ 3,2 milhões. O dinheiro servirá para erguer o prédio de 2.500 m² que o centro terá no Parque Tecnológico de Belo Horizonte, o BH-Tec.

“A ligação entre átomos de carbono é a mais forte da natureza”, explica o físico Marcos Pimenta, que, ao lado de Ladeira e da química Glaura Goulart Silva, está tirando o CTNanotubos do papel.

Essas ligações tornam as formas cristalinas do carbono (diamantes e grafites) os materiais mais duros da natureza. E, também, os que têm o mais alto ponto de fusão, 4.100°C, e por isso os cadinhos em que se derretem metais são fabricados com grafite –outro arranjo natural do carbono, o mesmo que se encontra no miolo dos lápis de escrever.

CIMENTO E COLA

Uma das parcerias empresariais do grupo da UFMG foi feita com a Petrobras. A ideia era usar os nanotubos como aditivos para melhorar o desempenho de materiais compósitos e dispositivos usados pela indústria do petróleo em condições extremas.

Uma peça fundamental de uma plataforma marítima, por exemplo, é o chamado enrijecedor de curvatura. Ele conecta dutos vindos do fundo do mar à instalação flutuante, portanto móvel.

O enrijecedor tem de ser ao mesmo tempo rígido e flexível. Para obter esse efeito, o centro desenvolve um polímero (plástico) “batizado” com nanotubos, que agrega à mistura sua alta resistência.

Outra linha de pesquisa são adesivos do tipo epóxi. Adicionando nanotubos, é possível aumentar sua resistência ao calor, o que os torna excelentes para garantir as emendas de tubulações que trabalham sob altas temperaturas.

O outro acordo de pesquisa aplicada da turma da UFMG foi com a InterCement. O truque foi fazer crescer nanotubos, que precisam de calor e catalisadores para fazer o carbono assumir a forma desejada, diretamente sobre os grãos de silicato que formam a base do cimento.

O conceito aqui é aumentar a resistência do concreto ao termoestresse, que resulta da alternância de calor e resfriamento e provoca fissuras no material.

Os testes indicam que o cimento nanoestruturado (já patenteado) pode multiplicar por cinco sua vida útil.

_______

Produto é usado para injeção de material genético

O físico Luiz Orlando Ladeira tem uma maneira curiosa de descrever os nanotubos: “É a melhor agulha que existe na natureza”. Com ela, seu colega Ary Corrêa Jr., do Departamento de Microbiologia da UFMG, penetra a parede da célula de um fungo que ataca o feijoeiro sem que seja preciso empurrá-la.

A doença, conhecida como ferrugem do feijão, é causada por fungos Uromyces. Ao cair sobre o vegetal, o organismo lança projeções celulares (apressórios) que penetram pelos estômatos, aberturas nas folhas pelas quais a planta troca gases com o ar.

Corrêa Jr. consegue impedir a formação do apressório inativando a mensagem genética responsável pelo ataque. Para isso, usa uma sequência com a instrução para o fungo produzir a proteína invasora.

O material genético contrabandeado, o “antissenso”, funciona como uma trava na engrenagem celular do fungo. Para isso, precisa chegar ao interior da célula. É aí que entra, literalmente, a agulha do nanotubo, com um milésimo da espessura da célula do fungo. O antissenso vai grudado nela e passa pela parede celular como um alfinete atravessando um tecido.

“Como a sequência [genética] é específica do fungo, só ataca o próprio fungo”, diz Corrêa Jr. Seria o fungicida perfeito, não fosse por um problema: vai demorar para alguém obter licença que permita aspergir RNA e nanotubos sobre uma plantação.

SEGURANÇA

A estimativa do pesquisador não vale só para o Brasil. No mundo todo há um buraco na regulamentação do uso ambiental de compostos nanométricos. Não há protocolos bem estabelecidos para avaliar sua toxicidade.

A característica mais marcante dos nanotubos é também sua fraqueza: a chamada área específica. É a relação segundo a qual quanto menor for um objeto, maior será a superfície em proporção com seu volume.

A área maior fica, assim, mais sujeita a interferir com tecidos vivos, possivelmente causando doenças. Corrêa Jr. sentiu então a necessidade de se aprofundar na matéria de segurança de nanocompostos. E ganhou o posto de responsável no CTNanotubos por essa interface com a opinião e o poder públicos.

Marcelo Leite (enviado especial a Belo Horizonte) – Folha de S. Paulo

the Way to Go in China
watch game of thrones online free how to design a person’s handy apparel pipe in 3d a software application

Dresses That Slim a Busty Woman
free games online As if the teen years aren awkward enough

Hard money or Private money longest terms
cheap flights gwen stefani’s harajuku devotees model name to open first free

How Long Should Shorts Be
onlinegames Made from full grain leather

Kate and William’s first day in Beverly Hills
jeux fr I think that you could make a start with different fabrics

dead of asphyxiation due to hanging
kleider form jewelry is different taken from fine jewelry widely

Understanding the Differences Between Debt Settlement and Debt Consolidation
ballkleider For slimmer women

Can Chico’s Rediscover Its Magic Touch
cool math games Their stated mission is to provide support

Compartilhar