CEFET – MG – Campus Curvelo participa de iniciativa de impressão 3D de peças para máscaras

CEFET – MG – Campus Curvelo participa de iniciativa de impressão 3D de peças para máscaras

Ação faz parte da rede de solidariedade para construção de equipamentos de proteção individual destinados aos profissionais de saúde do município

O alto contágio do coronavírus (COVID-19) exige dos profissionais de saúde o uso de vestimentas e equipamentos específicos para enfrentar a pandemia. O campus Curvelo do CEFET-MG está contribuindo nessa batalha com a impressão de peças para máscaras de proteção em impressora 3D, que já estão sendo distribuídas gratuitamente aos hospitais da cidade.

A partir da escassez desse tipo de equipamento para uso em larga escala no Brasil e no mundo, surgiram diversas alternativas de produção, incluindo com o uso de impressoras 3D. Uma delas é encabeçada pelo engenheiro mecânico Caio Simões, que mora em Curvelo. Caio estudou sobre a produção das peças, testou protótipos e começou a impressão de peças e a montagem de máscaras Face Shield, modelo reconhecidamente seguro para a proteção individual. Logo em seguida, contou a adesão do professor do curso técnico em Eletrotécnica do campus Curvelo, Allan Ferreira Pinto. Hoje, já são quatro impressoras em Curvelo nessa parceria.

Allan explica que a diretoria do campus liberou a compra do filamento feito de Ácido Polilático (Polylacticacid – PLA), material com base vegetal e biodegradável usado para impressão em 3D. Desde a tarde da última segunda-feira (30), a impressora do professor, que é usada pelo CEFET-MG, está voltada para a produção do arco que estrutura a máscara.

A ação já entregou 30 máscaras para o Hospital Imaculada Conceição e outras oito estão prontas para serem entregues ao Hospital Santo Antônio, ambos em Curvelo. O objetivo é produzir em maior escala para atender a demanda do município. Com isso, a partir dessa semana, uma empresa local dará início ao corte a laser do acetato (material transparente que cobre o rosto do usuário).“Buscamos contribuir com a sociedade curvelana no combate à pandemia, visto a necessidade de proteção dos profissionais da saúde que estão na linha de frente”, explica o professor.

Para Caio, o CEFET é um elo importante nessa iniciativa. “A população pode contribuir por meio do conhecimento e o CEFET-MG entra nessa rede de apoio, como centro de tecnologia da cidade. Quanto mais pessoas estiverem pensando e buscando soluções, maiores as chances de passarmos por essa situação com danos reduzidos e sairmos mais fortes do que nunca”, afirma.

Compartilhar