CEFET-RJ – Crescimento com qualidade é a meta da Diretoria de Ensino 

CEFET-RJ – Crescimento com qualidade é a meta da Diretoria de Ensino 

Após participar, por quatro anos, da condução do processo de expansão que resultou na criação de 15 novas graduações, a Diretoria de Ensino (DIREN) terá como prioridade a tarefa de assegurar a qualidade desses cursos, com a conquista de bons conceitos nas avaliações realizadas pelo MEC. A afirmação é da diretora de ensino, Gisele Vieira, que ocupou o cargo no mandato passado (2011-2015) e teve seu nome confirmado para o atual, que se estende até 2019. Em entrevista concedida ao #CEFET_RJ, Gisele falou sobre os projetos e as perspectivas em relação aos principais instrumentos do MEC para a aferição da qualidade dos cursos, a avaliação externa e o Enade, bem como sobre a avaliação institucional.

Sua gestão será marcada por uma continuidade ou haverá um diferencial entre o primeiro e o segundo mandatos?

RECONHECIMENTO DE CURSO

O reconhecimento de um curso de graduação é condição necessária para a validade nacional do respectivo diploma. A avaliação deve ser solicitada pela instituição de ensino quando o curso completa 50% de sua carga horária.

No primeiro mandato, foram criados muitos cursos de graduação. Agora, precisamos trabalhar para que eles sejam reconhecidos pelo MEC. O momento é muito mais de consolidação. Pode haver a abertura de novos cursos, mas será algo pontual. É necessário crescer com qualidade.

Como o Cefet/RJ vai se preparar para essas avaliações?

No processo de reconhecimento pelo MEC, a DIREN vai ter uma atuação muito próxima aos campi de cada um dos cursos criados, para que os registros estejam organizados para a avaliação. Não basta ter um bom corpo docente, por exemplo, se não provarmos que ele é bom. Como provar isso? Com documentos sobre titulação, experiência profissional, participação em projetos de pesquisa, artigos publicados, com o currículo Lattes atualizado. É preciso criar uma cultura de organização de registros.

Qual é a meta da diretoria?

Vamos trabalhar para que os novos cursos alcancem a nota 4, que é um bom conceito, em uma escala que vai de 1 a 5. Com os cursos antigos que já obtiveram essa nota, vamos buscar o conceito 5, que é a excelência.

Qual o maior desafio para alcançar esses resultados?

ENADE

O Enade afere o desempenho dos estudantes em relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares do curso de graduação e às habilidades e competências em sua formação. Portanto, o exame avalia os cursos de graduação por meio dos estudantes.

Há três dimensões na avaliação externa dos cursos realizada pelo MEC: corpo docente, infraestrutura e organização didático-pedagógica. Estamos com um corpo docente bastante qualificado. Precisamos trabalhar a infraestrutura e a organização didático-pedagógica. Principalmente a organização, pois não podemos perder pontos em indicadores nos quais somos bons.

Esses são os aspectos relacionados à avaliação externa, mas os cursos também são avaliados por meio do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade).

No caso do Enade, também há algum trabalho a ser realizado?

Precisamos sensibilizar os alunos, para que eles conheçam a prova e entendam sua importância. Esse trabalho deve ser feito junto com os coordenadores de curso, pois os professores também devem se questionar se seus alunos estão preparados para a avaliação.

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

A avaliação das instituições de educação superior compreende duas etapas principais: a autoavaliação, coordenada pela Comissão Própria de Avaliação (CPA), e a avaliação externa, realizada por especialistas do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), segundo as diretrizes da Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (CONAES).

Com relação à avaliação institucional externa, quais são as expectativas?

A avaliação institucional será realizada em 2017. Ela é mais abrangente, ultrapassa o âmbito da DIREN. Na última avaliação, o Conceito da Instituição (CI) obtido pelo Cefet/RJ foi 3, em uma escala de 1 a 5.

O CI tem impacto fundamental no projeto de transformação do Cefet/RJ em universidade?

Há dois indicadores do MEC relacionados à instituição como um todo: o Conceito da Instituição (CI) e o Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC). Neste, nossa nota atual também é 3, em uma escala de 1 a 5. Estamos trabalhando para aumentar esses conceitos. Quanto mais altos, melhor para nossa transformação em universidade.

Ascom – Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca

Compartilhar