Centralização de poder alimenta crise na USP

Centralização de poder alimenta crise na USP

Discussões sobre implantação de representatividade proporcional no Conselho Universitário deverão ser feitas em 2010

Uma das propostas prevê ampliação do número de pessoas com poder de voto e alterar a distribuição dos votantes entre as unidades

Pelo menos em um ponto, professores titulares (o mais alto grau da carreira docente) e o sindicato "vermelho" dos funcionários estão de acordo: o poder na USP precisa de oxigênio.

Se a crítica à rigidez dos órgãos de poder da universidade sempre fez parte das reivindicações das entidades sindicais, a diferença do momento atual é que, pela primeira vez desde 1988, gente de dentro da própria direção da USP admite que, do jeito que as coisas estão, a universidade não consegue refletir a diversidade da instituição, promover o diálogo e o entendimento.

Até o Conselho Universitário, apontado como uma espécie de "órgão senatorial", quartel-general da velha guarda uspiana, já admitiu que é preciso mudar a forma de eleição para reitor. Para isso, designou uma comissão encarregada de propor modificações no estatuto da universidade. Essa mesma comissão já propôs e conseguiu aprovar mudanças na carreira docente e na organização das prefeituras dos campi.

O entendimento é que o sistema atual de eleição favorece em demasia a representação dos professores titulares em detrimento das categorias inferiores de docentes, e das representações de funcionários e estudantes. No segundo turno da eleição de reitor, por exemplo, que decide a lista tríplice a ser encaminhada para decisão final do governador, votam cerca de 300 pessoas. Destas, a categoria com mais votos é a dos titulares, que tem um quinto de todos os docentes da USP. No total, a comunidade uspiana conta com cem mil estudantes, funcionários e professores.

Uma hipótese levantada é ampliar o número de pessoas com poder de voto no colégio eleitoral. Também se estuda a alteração na distribuição dos votantes entre as unidades.

Hoje, as unidades têm praticamente o mesmo peso na votação, apesar de seus tamanhos serem muito diferentes. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas e Escola Politécnica, por exemplo, possuem cada uma, cerca de 460 docentes, enquanto há unidades como o Instituto de Química de São Carlos, com 70.

A insatisfação com a atual estrutura de poder da USP já se estendeu até mesmo a apoiadores de primeira hora da reitora Suely Vilela.
É exemplo disso o diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Sylvio Sawaya. Em 2007, durante a greve com invasão da reitoria, ele pessoalmente organizou e animou um protesto pelo fim do movimento e pela volta à normalidade.

Agora, Sawaya trabalha com um grupo de professores para desenvolver uma plataforma que, entre outros itens, prevê um Conselho Universitário com "representação mais equânime das categorias docentes e representações proporcionais ao número de alunos".

"A universidade está em uma grande crise. Há muita insatisfação, que esse movimento [grevista] ecoa. Não é revolta por reajuste salarial, fim do ensino a distância, mudança na carreira [reivindicações dos grevistas]. É por mais debate na universidade. E uma mudança importante seria alteração na forma de escolha para reitor. Já na última eleição foi um ponto destacado por todos os candidatos, mas não andou", disse o professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Hélio Nogueira da Cruz, ex-vice-reitor da USP.

Grupo quer criar consulta on line na USP

Objetivo do sistema é coletar a opinião de alunos, docentes e funcionários da universidade em sistema certificado. Quatro nomes despontam como eventuais candidatos à sucessão na reitoria: dois são diretores de faculdade e os outros são pró-reitores

Um grupo de professores liderado pelo diretor da FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo), Sylvio Sawaya, quer implantar um sistema de consulta on line de opinião da comunidade uspiana, para abordar temas como apoio a greves ou novo formato de eleição para reitor, por exemplo.

A ideia, diz Sawaya, é criar um sistema aberto e certificado, que possibilite identificar as opiniões na USP como um todo e dentro dos diversos grupos (alunos, funcionários, docentes e também nas unidades).

A proposta ganhou força após se intensificarem os gritos dos grevistas de "Fora Suely". Docentes entrevistados pela reportagem nas duas últimas semanas comentam que a reitora favoreceu o movimento grevista ao se recusar a dialogar até mesmo com os membros mais destacados do Conselho Universitário sobre que providências adotar.

Segundo esses professores, o distanciamento da reitora até em relação aos principais cérebros da USP aumentou depois dos confrontos do último dia 9, entre PMs e manifestantes em pleno campus, os primeiros desde os anos 60.

Um professor do Instituto de Física ouvido pela Folha viu nesse sintoma claro sinal de que é preciso aumentar o volume da opinião pública da USP, para as estruturas de poder conhecerem o que se passa nas cabeças uspianas. Esse é o sentido para ele da proposta de consulta on line.

Eleição
A sucessão da reitora não começou oficialmente, mas quatro nomes já são citados no Conselho Universitário como possíveis candidatos (as eleições vão acontecer em cerca de cinco meses): 1. Armando Corbani, do Instituto de Física, pró-reitor de pós-graduação. Ele deverá ter o apoio da reitora. 2. Glaucius Oliva, diretor do Instituto de Física de São Carlos. 3. João Grandino Rodas, diretor da Faculdade de Direito. 4. Ruy Altafim, da Escola de Engenharia de São Carlos, pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária.

Fábio Takahashi
Laura Capriglione

Folha de São Paulo, 21.6 

Compartilhar