Conferência na UFMG discute busca de fontes alternativas de energia

Conferência na UFMG discute busca de fontes alternativas de energia

De que modo a nanociência pode contribuir para superar os desafios energéticos do século XXI? O assunto é abordado na UFMG, no dia 2 de abril, pela pesquisadora Mildred Dresselhaus, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT)

Trazida a Belo Horizonte pelo Ciclo de Conferências Sentimentos do Mundo, da UFMG, a professora norte-americana faz a palestra Nanotecnologia e desafios energéticos para o século XXI e debate o tema com Marcos Pimenta, do Departamento de Física do Instituto de Ciências Exatas (Icex/UFMG).

Mildred Dresselhaus, que foi assessora do Departamento de Energia dos Estados Unidos durante o governo Bill Clinton, prevê uma grave crise energética mundial em um prazo de até 50 anos, com a drástica diminuição das reservas de combustíveis tradicionais.

A busca de fontes alternativas de energia deverá ser o principal desafio para a comunidade científica internacional, disse a pesquisadora, em dezembro de 2005, em palestras em Fortaleza, nas comemorações pelo Ano Internacional da Física.

Doutora em supercondutividade elétrica, Mildred é professora de engenharia elétrica e pesquisadora do Laboratório Lincoln do MIT. É referência mundial em nanotecnologia, área na qual desenvolveu importantes estudos sobre supercondutores, semicondutores e estrutura eletrônica do carbono. Reconhecida como pesquisadora em uma área científica normalmente dominada por homens, Mildred Dresselhaus tornou-se importante incentivadora da participação feminina na ciência, especialmente na área de engenharia elétrica.

Marcos Assunção Pimenta fez graduação e mestrado em Física na UFMG, doutorado no Centre de Recherches sur la Physique des Hautes Temperatures – Centre National de la Recherche Scientifique e pós-doutorado no Massachusetts Institute of Technology (MIT). Professor titular do Departamento de Física, trabalha sobretudo com os temas espalhamento Raman, nanotubos de carbono, materiais de carbono, nanografites e transições de fase estruturais.

 

 

Compartilhar