“Conseguir parcerias estratégicas é o que pode impulsionar o crescimento da UFMS”

“Conseguir parcerias estratégicas é o que pode impulsionar o crescimento da UFMS”

O professor Marcelo Turine completou um mês à frente da reitoria da UFMS – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. A posse do novo reitor aconteceu no último dia 8 de novembro.

Nesse curto período na administração da maior universidade do Estado, Turine já começou a buscar maneiras para, conforme seu discurso de posse, tornar a universidade um bom lugar para estudar, trabalhar e pesquisar.

Uma das medidas imediatas adotadas pelo retiro foi a autorização para a reforma do estádio Pedro Pedrossian, o Morenão, que poderá ter partidas de futebol no próximo campeonato estadual, após dois anos sem ter a bola rolando no gramado.

Marcelo Turine também mantém reunião com órgãos públicos para elaborar parcerias, uma delas com Tribunal de Contas de MS, onde se pretende criar um acordo de cooperação técnico científico para que a gestão pública ganhe mais orientação para o sucesso de suas ações.

Com a A Subjuv (Subsecretaria da Juventude), vinculada à Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), o reitor da UFMS pactuou a realização do “Café Empreendedor”, a ser realizado na Universidade Federal com o objetivo de aproximar a comunidade acadêmica do público empreendedor externo, servindo como ferramenta de diálogo e construção de parcerias para o segmento.
O reitor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Marcelo Turine concedeu entrevistas para o jornal A Crítica, onde explicou como será sua administração na instituição, acompanhe:

A Crítica – Passado os primeiros dias de sua gestão à frente da reitoria da UFMS, quais as mudanças que já foram implementadas?
Marcelo Turine – Nestes 30 dias de gestão começamos a organizar nova estrutura da administração central. Mudamos a fisionomia de algumas Pró-Reitorias, cortando um pouco de gordura para aumentar o desempenho da atividade fim da UFMS que são ensino, pesquisa e extensão. Essa reestruturação permitirá, por exemplo, a criação da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis, responsável por ampliar e consolidar a política de assistência estudantil da UFMS. Por outro lado, iniciamos uma extensa pauta de atuação junto com entidade parceiras para firmar acordos de cooperação, como foi o caso do acordo com a Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul, que irá revitalizar o Estádio Morenão. Estamos estudando junto com o Sesc-Mato Grosso do Sul um projeto de revitalização do Autocine.

A Crítica – O orçamento da universidade, embora seja um dos maiores do estado, para capital tem o equivalente a 2%, pouco mais de 13,5 milhões, como equalizar os problemas e investimentos?
Marcelo Turine – Diante desse cenário de cortes,conseguir parcerias estratégicas é o que pode impulsionar o crescimento da UFMS. Em outras palavras, vamos adotar uma postura proativa na captação de recursos junto com órgãos de fomento, empresas, Sistema S, Famasul, Senai e demais entidades ligadas ao setor produtivo. É importante frisar que a UFMS é uma das principais instituições de pesquisa, ciência e tecnologia de Mato Grosso do Sul, o que nos coloca em um patamar estratégico para o desenvolvimento regional. Juntos com as entidades, empresários e demais atores da cadeia produtiva, podemos gerar tecnologias, produtos e serviços de grande impacto social e econômico. Esse é o caminho para driblar os cortes.

A Crítica – Em sua plataforma uma das medidas a serem adotadas seria a questão de iluminação, para trazer mais segurança, isso já tem sido providenciado?

Marcelo Turine – A pauta da segurança é uma prioridade. Um dos nossos primeiros atos de gestão foi justamente a aquisição de equipamentos para implantar um sistema de monitoramento de imagem que sirva como mais estratégia que irá complementar o trabalho dos vigilantes. Veja bem, o assunto da segurança é complexo, porque exige uma solução múltipla, ou seja, não existe uma única medida para o problema. Por isso, o reforço da vigilância com esse equipamento eletrônico. Quanta à iluminação, já entramos em contato com a prefeitura de Campo Grande, mas em razão da troca de gestão municipal, essa pauta será tratada em janeiro. Com a Secretaria de Segurança do Estado já estamos viabilizando uma ronda da Polícia Militar nos arredores da UFMS, nos horários de entrada e saída das pessoas.

A Crítica – Notamos que após a greve ocorrida na universidade, o calendário escolar ficou bastante confuso, muitas vezes sem as férias. Essa situação já está equalizada para o ano letivo de 2017 começar normalmente?
Marcelo Turine – Vamos encerrar o ano letivo de 2016 em abril de 2017, e iniciaremos o calendário de 2017 em maio, mas isso é uma previsão. Ainda estamos fazendo estudos para ajustar o novo calendário de aulas de modo a não prejudicar a comunidade universitária. Mas como cada curso possui uma carga horária diferente, precisamos compatibilizar essas diferenças.

A Crítica – Recentemente foi assinado um convênio de parceria para a reforma do Morenão. O que mais deverá ocorrer no estádio, uma vez que o governo estadual se comprometeu a ajudar?
Marcelo Turine – O acordo de cooperação que firmamos coma Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul no valor de R$ 150 mil irá propiciar a liberação do estádio para a prática de atividades de futebol profissional no início do próximo ano. Os serviços que serão realizados incluem, no nível inferior, ampliar o guarda corpo das escadas e do desnível do gramado com o fosso; em nível intermediário, ampliar o guarda corpo com o nível superior e nesse, aumentar o guarda corpo das escadas, rampas e vomitórios e do desnível das cadeiras com as arquibancadas; assim como colocar corrimãos laterais e centrais nas escadas; instalar placas de sinalização e blocos autônomos de iluminação de emergência.

A Crítica – Na questão de moradia escolar, o senhor já discutiu com os representantes da universidade e até mesmo se for caso, com o Ministério, para implantar uma forma de evitar a evasão?
Marcelo Turine – Estamos em fase de implantação da Pró-reitoria de Assuntos Estudantis, e com ela vamos intensificar os projetos de ampliação da assistência estudantil, o que inclui a moradia estudantil e o restaurante universitário. Neste momento, estudamos algumas parcerias estratégicas como, por exemplo, com o Sesc Mato Grosso do Sul, que poderá nos auxiliar na revitalização do Autocine e do restaurante. Já a questão da Moradia Estudantil, iniciamos as conversas com o Governo do Estado e as prefeituras para avaliar locais que possam servir de casas para estudantes. Todos os acordos estão em fase inicial, mas acredito que em breve teremos grandes novidades.

A Crítica – Nesse ano de 2017, quais as medidas imediatas que o senhor pretende implantar para a melhoria do ensino?

Marcelo Turine – Há uma série de mudanças administrativas que já iniciamos e impactarão na qualidade do ensino na UFMS. Vou te dar apenas alguns exemplos. Liberamos na sexta-feira (9/12) um novo módulo de gestão pedagógica, por meio do qual a elaboração dos Projetos Pedagógicos será on-line, e irá facilitar a criação e a organização dos cursos, bem como, a avaliação deles por meio dos órgãos competentes. Além disso, vamos implantar a matrícula on-line em todas as fases,e promover a remodelagem do encontro anual de Iniciação Científica da UFMS.Essas e outras ações estão inseridas num grande foco de atuação na graduação, que consiste no estímulo à permanência dos estudantes na nossa Universidade, aumentando a taxa de sucesso.

A Crítica – Na questão da transparência, como está e como o senhor pretende agilizar a interação com alunos e professores?
Marcelo Turine – O convívio é um dos nossos principais pilares da nossa gestão. A universidade tem que ser um bom espaço para conviver, estudar e trabalhar. Por isso, vamos priorizar os espaço de interação das pessoas e construir para 2017 em diante, lugares de convivência onde os alunos, professores e técnicos poderão interagir melhor.

A Crítica – No que diz respeito à pesquisas universitárias, a UFMS está preparada e equipada para desenvolver grandes projetos?
Marcelo Turine – A UFMS tem dentro de si um universo de competência incrível. Geramos conhecimento, tecnologia e inovação. Temos um grupo de pessoas preparado para desenvolver projetos de altíssima complexidade. E é isso que vamos mostrar para a sociedade brasileira. A UFMS possui plenas condições de gerir, em parceira com o setor produtivo, as soluções necessárias para o desenvolvimento do nosso Estado.

A Crítica – Em resumo, como o senhor definiria o futuro da Universidade Federal daqui adiante sob sua administração?
Marcelo Turine – Vamos colocar a UFMS como um dos principais protagonistas do desenvolvimento socioeconômico de Mato Grosso do Sul. Para isso, iremos fortalecer a qualidade do ensino, da pesquisa e da extensão. E, então, assumir um papel de destaque na sociedade do conhecimento. Hoje, sem sombra de dúvidas, investir em educação, ciência, tecnologia e inovação é o caminho para aumentar nossa capacidade produtiva, bem como para gerar mais competências em áreas estratégicas para crescimento do país em todos os sentidos. Por isso, a UFMS de amanhã será uma universidade melhor para todos.

Fonte: A Crítica

Compartilhar