Consórcio espanhol apresenta análise de consultoria em três hospitais

Consórcio espanhol apresenta análise de consultoria em três hospitais

Objetivo é fazer com que os locais otimizem processos e diminuam ociosidade nos leitos e nas consultas e exames

Em busca de melhorar a regulação assistencial intra-hospitalar, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) recebeu, na última semana, representantes do Consórcio Hospitalar da Catalunha, da Espanha, para que eles apresentassem o diagnóstico da área em três hospitais universitários federais. O objetivo da ação é fazer com que os locais melhorem o acesso, tenham menor ociosidade nos leitos, menor espera para realizar consultas e exames e maior qualidade na assistência e na gestão de recursos.

A consultoria do Consórcio vem sendo feita desde janeiro no Hospital Universitário Onofre Lopes, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Huol/UFRN), Hospital Universitário, da Universidade Federal de Santa Maria (HU-UFSM) e no Hospital Universitário, da Universidade Federal do Maranhão (HU/UFMA).

Para o Diretor de Atenção à Saude da Ebserh, Celso Araújo, o novo olhar de uma instituição internacional, com experiência na área, trouxe sugestões e prováveis melhorias em todas as áreas dos hospitais estudados. “Foi estruturada uma forma de se levar esse diagnóstico para que eles possam discutir em suas instituições e implantar o processo de mudança para que essa gestão da oferta seja organizada da melhor forma”, comentou.

Celso também lembrou que essas mudanças atingem processos internos dentro do hospital que, consequentemente, afetam o usuário do sistema de saúde. “Quando o paciente chega para uma consulta ele vai ter organizado seu diagnóstico e sua programação de internação de acordo com priorizações, para que não precise vir em vários momentos no hospital. Ele vem e faz tudo que precisa fazer para ter seu internamento programado. É um lógica de otimização”, analisa.

A mesma opinião é compartilhada pelo superintendente do Huol, Stênio Gomes da Silveira. Para ele, o projeto traz melhorias de alguns procedimentos e de uma cultura de atividades que tinham como foco o profissional de saúde, mas que agora vão concentrar mais no paciente. “Ele muda a assistência dentro do hospital. A gestão da oferta engloba a utilização adequada do leito, dos diagnósticos, exames, consultas no ambulatório. Ou seja, praticamente toda a assistência de um hospital”, comentou.

Para que as atividades tenham êxito, é necessário que o hospital tenha um sistema informatizado que possibilite a integração de todas as áreas e facilite o trabalho dos profissionais para controle e gestão da oferta. A solução para este caso já vem sendo apresentada pela Ebserh com o Aplicativo de Gestão para Hospitais Universitários (AGHU).

“Um grande problema que foi visualizado na primeira passagem dos profissionais da Catalunha é que o hospital trabalhava com muitos sistemas de informação e que não eram integrados. Para fazer o diagnóstico, se precisava ter uma fonte única de informação como uma base de dados que espelhasse a realidade. O AGHU passou a ter mais importância para esse atendimento e servir para esta função”, destacou o superintendente.

Coordenadoria de Comunicação Social
Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares

Compartilhar