Cota de populismo

Cota de populismo

A Casa Civil dispõe de um mês para corrigir os exageros de populismo racialista que rondam o Planalto. Tempo de sobra para reverter, até 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, a simpatia aparente do governo Dilma Rousseff pela generalização do recurso simplista às cotas raciais.
 
Esta Folha revelou no domingo os pontos principais de um pacote de ações afirmativas alinhavado na Seppir (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial) para essa data. O mais chamativo –e problemático– é a reserva de 30% dos postos na administração federal para negros (categoria inexistente para o IBGE, que recenseia “pretos” e “pardos”).
 
No que respeita às cotas em universidades federais, o leite já está derramado. O Congresso aprovou uma violenta elevação do número de vagas carimbadas como exclusivas de alunos de escolas públicas e de minorias raciais. Em afronta à autonomia universitária e às políticas locais adotadas em várias instituições, metade dos postos terão de ser preenchidos por esse critério já no próximo vestibular.
 
Há quem ataque as cotas sob o argumento de que são inconstitucionais, mas o Supremo Tribunal Federal decidiu em maio –por 10 votos a 1– que não é esse o caso.
 
Além disso, ações afirmativas são um modo aceitável de corrigir distorções, mais para aumentar a diversidade social e étnica nas instituições do que para reparar injustiças originadas com a escravidão, abolida há 124 anos.
 
Por pesada que seja essa herança, o Brasil republicano nunca teve a discriminação racial consagrada em lei. É doloroso ver que a sacramenta agora, ainda que para beneficiar os que sofrem desvantagens sociais por causa da cor da pele.
 
Por tal razão, esta Folha sempre se posicionou contra o perfil racial das cotas. Admite-as unicamente com critério socioeconômico (como o estudo em escolas públicas, onde se concentram pobres, pretos e pardos). É um recurso legítimo para aplainar o terreno da igualdade de oportunidades para formação e desenvolvimento pessoal.
 
No caso do funcionalismo federal, até mesmo esse critério socioeconômico seria questionável. O servidor público não está a serviço de si mesmo, mas –passe a tautologia– do público. Os princípios da eficiência e da impessoalidade nos negócios de Estado não admitem que seja selecionado por atributos outros que não a competência e o mérito, aferidos em concurso.
 
Uma ação afirmativa mais democrática e menos paternalista deveria preocupar-se, por exemplo, com oferecer cursos gratuitos para melhorar o desempenho de candidatos pobres nessas provas.
 
 

 

How to Build a Family Genogram
watch game of thrones online free her natural sexiness and natural confidence

K Superstores dress young males for success
free online games but none of these really stand out in any particular way

7 Thoughtful Gifts For People Celebrating Their 50th Birthday
cheap wedding dresses less accomodating for large posteriors

The Fashion Schools Of California
cheap flights We just nuked Canada because it said we look fat in these shoes

Natalie Ferstendik offers creative design trends for the Chicago fashionista hopeful
jeux fr They know what looks asthetically pleasing and know what jewelry

Keeping it Real with RAW Food Photos
miniclip I find them comfier too

Why Crocs is a Top Stock Pick
kleider Pier 59 was once again another West side favorite for many designers

Love women by Ralph Lauren A Pleasing Perfume
ballkleider Top 10 Body Shape Style Secrets

Compartilhar