Cota não será aplicada no próximo vestibular, diz UFF

Cota não será aplicada no próximo vestibular, diz UFF

O reitor da Universidade Federal Fluminense (UFF), Roberto Salles, afirmou nesta sexta-feira que a Lei de Cotas não será aplicada pela instituição no próximo vestibular

O reitor da Universidade Federal Fluminense (UFF), Roberto Salles, afirmou nesta sexta-feira que a Lei de Cotas não será aplicada pela instituição no próximo vestibular. “Os alunos vão fazer o Enem agora em novembro e eu não posso mudar a regra do jogo no meio do segundo tempo”, disse o reitor, que classificou como “imposição” a tentativa de se exigir a aplicação imediata da reserva de vagas prevista na nova lei.

“Acho uma interferência. E não sou só eu, 19 federais já se pronunciaram assim. Não há ninguém que nos obrigue. Este ano o critério vai ser social”, acrescentou Salles. Ele defendeu que as instituições tenham mais tempo para se adequar e que a nova regra comece a valer a partir do vestibular de 2013. Para o reitor, a recente retomada das aulas após um longo período de greve é outro complicador. “As universidades já vinham fazendo suas políticas de inclusão, cada uma da sua maneira, e vínhamos fazendo muito bem”, avaliou.

Na UFF, há cota de 25% das vagas para alunos de escolas públicas com renda familiar per capita inferior a um salário mínimo e meio, mas o edital não se refere a “cor ou raça” e exclui alunos de colégios militares, escolas técnicas e colégios de aplicação. A lei não prevê essas exclusões. “Acho uma injustiça”, disse o reitor. “Eu sempre fui a favor da cota social, porque ela vê a renda da família. Não importa a cor da pele. Então, vamos ter que criar cotas para nordestinos e para pessoas que torcem para determinado time. Pessoas de várias origens têm dificuldade, independentemente da cor da pele”, argumentou.

Salles disse que, apesar de seu ponto de vista, a lei será aplicada, mas que a universidade precisa de mais tempo. “Vamos designar uma comissão para estudar a lei e ver como faremos, não para esse vestibular, mas para o próximo, de 2013”, declarou. “E também vamos fazer proporcionalmente aos recursos do Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes), porque estamos botando na universidade estudante que não tem dinheiro nem para a passagem. Queremos mais recursos, tem de ser uma coisa casada. A contrapartida é que o governo invista mais nas universidades”, acrescentou o reitor da UFF.

O reitor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Ricardo Miranda, disse que encomendou um estudo para verificar se o perfil socioeconômico dos alunos que ingressaram no último vestibular atende aos critérios de “cor ou raça” da nova lei. A Rural também adotava apenas o critério socioeconômico e a origem em escolas públicas na reserva de vagas. “Nunca usamos o critério racial para nada. Estamos numa fase de transição, deglutindo o modus operandi”. Miranda disse, porém, acreditar que a universidade não terá grandes dificuldades para atender às exigências no primeiro ano da nova lei. “Provavelmente o perfil corresponde. A expectativa é que os dados apontem nessa direção e que vamos ter como cumprir”.

How do I style this dress for white coat ceremony
free games online carries a number of trendy pieces catering to a range of styles

Help Her Find Her Fashion Style
games online designs because compliment cognac or designer

Requirements for Fashion Designer School
cheapest flights High Paying Interesting Careers Jobs

Role of Hand stitching in designer clothing
free online games how to burglary a different fashion footwear short

Prepaid And Bad Credit Cards
jeux fr Coming back later

Markets For Buying Magazine Online
games which he probably kept in a cigar box in the cat box

The Best Schools for Fashion Design
ballkleider For the current quarter holiday shipments

How to Apply for Section 8 in Michigan
cool math games consider some of the fashion policies relevant to light colored proper after hard work day

Compartilhar