Criada em julho de 2010, Unilab completa cinco anos

Criada em julho de 2010, Unilab completa cinco anos

“Essa integração com outros países possibilita me qualificar e depois contribuir com o meu país, onde não teria oportunidade de estudar em um curso de Humanas, pois lá a realidade econômica e social é diferente”. Beto Infandé, estudante guineense

“Estou realizando um grande sonho da minha vida, que é me formar. Eu sou o primeiro da minha família a ter ensino superior e espero que meus irmãos me tenham como exemplo”. Walef Santos, estudante brasileiro do município de Acarape-Ceará

Foi reunindo em sua vocação institucional os desafios da internacionalização e da interiorização do ensino superior que a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, a Unilab, foi criada em 20 de julho de 2010, por meio da lei federal nº 12.289. Beto e Walef são exemplos dos mais de 3500 estudantes que a Unilab já reuniu nesses cinco anos de existência.
Juntar países africanos (Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe) e o Timor-Leste com municípios do interior do Ceará e da Bahia nem de longe tem sido uma tarefa fácil. A tão bonita e inspiradora integração presente na lei vem se concretizando aos poucos, em um espaço de desafios, conquistas, conflitos, incompletudes e superações. Se o ambiente acadêmico, por si só, já é campo de múltiplos olhares e conflitos de ideias, a internacionalização na perspectiva de cooperação Sul-Sul e a interiorização no Nordeste do Brasil tornam ainda mais complexa e singular a experiência da Unilab.

unilab

Entre a lei de criação, em 2010, e o início das atividades letivas, em 25 de maio de 2011, foram muitos os trabalhos de organização administrativa e acadêmica. A Aula Magna no Campus da Liberdade, em Redenção/CE, acontecia no Dia da África, data alusiva à fundação da Organização da Unidade Africana (OUA). Além disso, 2011 consagrou-se como o Ano Internacional dos Afrodescendentes, pela Resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas. Não por acaso foi também em 20 de julho de 2010 que foi instituído o Estatuto da Igualdade Racial (lei nº 12.288).

Unilab chega aos cinco anos com 2.625 estudantes na graduação e 873 na pós-graduação
Entre estudos e missões de prospecção aos países parceiros realizados pela comissão de implantação, foram identificadas inicialmente para atuação prioritária as áreas de agricultura, saúde coletiva, educação básica, gestão pública, tecnologias e desenvolvimento sustentável. Essas áreas foram as bases que deram origem aos primeiros cursos de graduação da Unilab. Em cinco anos, já são 14 cursos: Administração Pública, Agronomia, Antropologia, Bacharelado em Humanidades, Ciências Biológicas, Enfermagem, Engenharia de Energias, Física, História, Letras-Língua Portuguesa, Matemática, Pedagogia, Química e Sociologia. Em novembro de 2014, a Unilab realizou sua primeira colação de grau, com o curso de Bacharelado em Humanidades. Atualmente, a graduação reúne 2.625 estudantes em campi nos municípios de Redenção e Acarape, no Ceará, e em São Francisco do Conde, na Bahia.

Na pós-graduação, são 873 estudantes distribuídos em quatro cursos de especialização, oferecidos na modalidade a distância, e em dois programas de mestrado: Mestrado Acadêmico em Sociobiodiversidade e Tecnologias Sustentáveis (Masts) e Mestrado em Humanidades, este último com início previsto para o segundo semestre de 2015.
Através dos cursos a distância, a Unilab está presente em 68 cidades, sendo 55 no Ceará e 13 na Bahia.

O desafio de construir conhecimento no contexto da integração
A Unilab conta hoje com 48 grupos de pesquisa cadastrados e certificados na base de dados do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação realiza a gestão de 3 bolsas de pesquisa: o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic), o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica e Tecnológica (Bict/Funcap) e o Ciência sem Fronteiras. Cada uma dessas iniciativas tem por objetivo comum fomentar o desenvolvimento do pensamento crítico e a produção científica de docentes e discentes no contexto da integração, com vistas ao fortalecimento do eixo pesquisa na instituição.

Ações de extensão, arte e cultura buscam diálogo entre a Unilab e seu entorno
Na extensão, há dezenas de projetos que envolvem o diálogo entre a academia e a comunidade externa. O edital mais recente do Programa de Bolsas de Extensão, Arte e Cultura (Pibeac) contemplou 49 projetos de caráter educativo, científico, tecnológico, cultural, esportivo e artístico, contribuindo para a formação cidadã e apoiando a articulação Universidade-Sociedade.
Na arte e cultura, um dos grandes destaques foi a aprovação do Plano de Cultura da Unilab no edital nacional “Mais Cultura nas Universidades”. A Unilab ficou em 10º lugar no ranking nacional e em 2º lugar entre as instituições contempladas da região Nordeste, sendo a única selecionada do estado do Ceará. O recurso de R$ 1.118.490,38 contemplará 20 projetos que serão desenvolvidos nas regiões do Maciço do Baturité, no Ceará, e do Recôncavo Baiano, na Bahia.

Assessoria de Comunicação – Assecom
Coordenador: Robério Nery

Compartilhar