“É preciso revogar a emenda 95”, afirma Ciro Gomes na Andifes

O Conselho Pleno da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior – Andifes recebeu o candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes. O convite foi feito com o objetivo de debater propostas dos reitores e reitoras das universidades federais para o desenvolvimento econômico e social do Brasil nos próximos anos. As propostas compõem o documento “Educação para a democracia e o desenvolvimento”, aberto aos brasileiros e que está sendo entregue a todos os candidatos.

Ciro Gomes defendeu que seja feito um “pente-fino” em renúncias fiscais concedidas pelo governo e reforçou a necessidade de revogar a Emenda Constitucional 95, que congela gastos para setores como saúde e educação. Para o candidato, não é possível pensar em melhorar a saúde pública brasileira sem aumentar os recursos para seu financiamento. “A revogação desse crime contra a saúde é uma prioridade, pois essa emenda impede o Brasil de expandir, até 2030, áreas de necessidade básica incluindo, também, infraestrutura, segurança e habitação. Mais da metade do orçamento da União está comprometida com juros e rolagem de dívida”, afirmou.

De acordo com o candidato, se eleito, o governo dele irá priorizar a educação e afirmou que é possível utilizar práticas adotadas durante seu governo no Estado no Ceará e aplicar a nível nacional. Ao ser questionado sobre a política de cotas para ingresso nas universidades federais, Ciro Gomes afirmou que se trata de flagrante necessidade. “O Brasil é o país mais remitente no legado imoral da escravidão. Portanto, nós temos uma dívida histórica com essas populações, e temos que reparar isso com alguns atalhos de aceleração. Enquanto nós não pudermos oferecer uma universidade pública, gratuita, de qualidade para todo mundo, é preciso tratar com mais delicadeza e com mais cuidado as populações mais frágeis.”

O encontro ocorreu durante a reunião do Conselho Pleno da Andifes, na sede da associação, em Brasília. Durante a reunião do Conselho Pleno, realizada na Universidade Federal do Pará (UFPA), em Belém, no mês de julho, os então pré-candidatos Manuela D’Ávila e Guilherme Boulos já haviam recebido o documento. Os demais candidatos já receberam uma versão virtual e foram convidados para discutirem as propostas pessoalmente com os reitores e reitoras, o que irá ocorrer de acordo com agendas que estão sendo definidas.

Compartilhe: