Editora UFMG lança 2º Edição de Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia

Editora UFMG lança 2º Edição de Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia

A Editora UFMG está lançando a 2ª Edição do livro Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia, de Bernardo Jefferson de Oliveira. A obra aborda a relação da ciência com a tecnologia através do pensamento do filósofo inglês Francis Bacon.

Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia
2ª edição
Bernardo Jefferson de Oliveira
Área: Filosofia
Coleção: Humanitas
2002 – 1ª edição
2010. 284 p. ISBN: 978-85-7041-833-3
Preço: R$ 45,00

Durante muito tempo a ciência foi pensada como um conhecimento meramente teórico, desvinculado dos afazeres práticos, e a técnica foi tratada como um tipo de conhecimento inferior. No entanto, hoje em dia, quando se fala em ciência, é difícil dissociá-la da tecnologia. De onde vem essa aproximação? A história de suas relações é bastante polêmica. Este livro analisa a obra do filósofo inglês Francis Bacon (1561-1626) como um discurso inaugural sobre a convergência entre o conhecimento técnico e a ciência.

Orelha:Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia, de Bernardo Jefferson de Oliveira, traz uma contribuição importante e inovadora para a nossa compreensão tanto da formação do pensamento moderno como da ciência e da técnica, mostrando como vieram a ocupar o lugar central que desempenham em nossa época. Temos aqui o resultado de uma ampla pesquisa que revela o domínio da literatura mais especializada em história da ciência, epistemologia e filosofia moderna, articulando essas áreas do saber de modo a levar a uma revisão do processo de formação da modernidade e de seus pressupostos. O estudo de Bernardo propõe uma releitura do papel de Francis Bacon no desenvolvimento da ciência moderna, não propriamente para reavaliá-lo, mas para destacar aspectos pouco explorados de seu pensamento, discutindo assim com alguns dos principais historiadores desse período. Mostra que a relação entre a ciência antiga e a ciência moderna é bem mais complexa do que usualmente se considera, apontando as continuidades e descontinuidades entre ambas. É sobretudo o princípio ou argumento do conhecimento do criador que merece destaque na análise realizada na presente obra. A tese de que somente conhecemos o que criamos, pressuposto fundamental da ciência moderna, tem em Bacon um de seus principais defensores. Fica evidente assim como Bacon representa um momento decisivo da passagem dessa tese do plano teológico e conceitual para o da ciência integrada à técnica e à aplicação prática, através dos ideais de progresso tecnológico e social que formula e que chegaram até nós. (Danilo Marcondes).

Sobre o autor: Bernardo Jefferson de Oliveira é professor de Filosofia na Faculdade de Educação da UFMG e autor do livro A revolta em Albert Camus (2001).

Compartilhar