Editora UFPB lança 5 títulos inéditos na Bienal Internacional do Livro

Editora UFPB lança 5 títulos inéditos na Bienal Internacional do Livro

Editora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) realizará o lançamento de cinco títulos inéditos na XIX Bienal Internacional do Livro, que acontece entre os dias 30 de agosto e 8 de setembro no Rio de Janeiro. Desde a primeira participação no evento, em 2013, a Editora UFPB já lançou 24 livros na Bienal.

Desses cinco,  quatro são livros técnico-científicos e um pela Coleção Nordestina, que será lançado na abertura da Bienal, nesta sexta (30).

A obra da Coleção Nordestina é uma reedição de “Amor d’esposo”, escrito por Pedro Américo de F. e Melo, romance no estilo folhetim, que conta a história de Fernando e Helena, um amor que é ameaçado por fortes influências de costumes estrangeiros.

Os outros quatro lançamentos ocorrerão neste sábado (31). Além deles, a Editora UFPB vai expor outros 40 títulos. Ao todo, serão 250 exemplares à disposição do público para compra.

Para os membros da comunidade acadêmica da UFPB, os livros expostos na Bienal estarão disponíveis no ponto de vendas da Biblioteca Central, no campus I, em João Pessoa, com 30% de desconto, até 8 de setembro.

A Editora UFPB já lançou neste ano 51 livros impressos e e-books. Até dezembro, serão de 80 a 100. A Bienal Internacional do Livro acontece há 38 anos e é o maior evento literário do país. Tem duração de dez dias.

Confira, abaixo, a descrição dos outros novos quatro títulos:

“WHATSAULA”: aprendizagem colaborativa em movimento”, de André Luiz Alves e Cristiane Magalhães Porto, que discute o uso do WhatsApp como espaço para formação de alunos;

“Ciganos: olhares e perspectivas”, de Maria Patrícia Lopes Goldfarb, Marcos Toyansk e Luciana Oliveira Chianca, resultado de várias pesquisas sobre os povos ciganos no Brasil e ao redor do mundo;

“Vozes de Mulheres da Idade Média”, de Cláudia Costa Brochado e Luciana Calado Deplagne, coletânea que reúne produções de mulheres medievais, para formar memória e conhecimento das obras de mulheres ao longo dos séculos;

“Estudo Etnofarmacêutico das plantas medicinais utilizadas pela cultura afro-brasileira no Estado da Paraíba”, de Edeltrudes de Oliveira Lima, Dorivan Rafael dos Santos, Thúlio Antunes de Arruda e Maria Carméli Correia Sampaio – estudo sobre os elos existentes entre o saber popular e uso de plantas medicinais com a medicina científica.

Compartilhar