EDUFRB edita Salvador e suas comemorações e A Licenciatura em Educação do Campo

EDUFRB edita Salvador e suas comemorações e A Licenciatura em Educação do Campo

A Editora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (EDUFRB) publicou dois novos e-books da Coleção Acadêmica, denominados “Salvador e suas comemorações: Memória e identidade em narrativas oficiais”, de autoria da professora do Mestrado em Comunicação do Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL), Daniela Abreu Matos; e “A Licenciatura em Educação do Campo: Dimensões teóricas e práticas”, da pedagoga Mônica de Almeida Santos,concludente do Centro de Formação de Professores (CFP).

Ambos estão disponíveis para download gratuito em https://www1.ufrb.edu.br/editor

a/titulos-publicados.

O e-book “Salvador e suas comemorações: Memória e identidade em narrativas oficiais” (Cruz das Almas/BA, UFRB, 2018), de Daniela Abreu Matos, atualmente Coordenadora do Colegiado do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública da UFRB, tem 164 páginas.

O livro de Daniela Matos analisa a construção dos discursos oficiais que emergiram em dois eventos comemorativos com fortes marcas de identidade dos territórios e povo baiano: os aniversários de 400 e 450 anos de fundação da cidade de Salvador e da comparação entre eles, tendo como referência aspectos temáticos e formais relacionados à construção dos eventos.

A análise das narrativas oficiais de comemoração revela pontos de similaridade e pontos de diferenças entre elas. Os aspectos de diferenças entre os discursos demonstram o diálogo das narrativas identitárias oficiais com os contextos nos quais são produzidas. Nessa direção revelam-se duas Bahias.  Em 1949, a narrativa oficial uma função pedagógica conservadora e procura a reconstituição histórica como fonte de legitimidade. Já a Bahia oficial de 1999 é tipo exportação e tem a diferença como slogan. “Ela é midiática, turística, espetacular, diversa, fragmentada e veloz”, descreve Matos. O discurso identitário que a caracteriza está assentado na tensão contemporânea local versus global e coloca em cena um novo fluxo de narração e novas estratégias de pertencimento ao território que reforçam o tripé cultura-política-comunicação como estruturante das relações sociais no mundo atual.

A autora

Daniela Abreu Matos é doutora em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (2012), professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia no Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL), atualmente Coordenadora do Colegiado do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Atua como docente permanente do Mestrado em Comunicação – Mídia e Formatos Narrativos – da UFRB, vinculada a linha de Pesquisa “Comunicação e Memória”. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Estudos Culturais, atuando principalmente nos seguintes temas: juventudes, periferias urbanas e narrativas identitárias. Também se dedica a estudos voltados para gestão cultural, políticas culturais, elaboração de projetos sociais e captação de recursos para Organizações Sociais.

E-book Licenciatura em Educação do Campo

O livro “A Licenciatura em Educação do Campo: Dimensões teóricas e práticas”, de Mônica de Almeida Santos aborda o Curso de Licenciatura em Educação do Campo da Área do Conhecimento em Ciências Agrárias da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Campus Amargosa.

Nele, a autora discute o Projeto Pedagógico do Curso (PPC) e pesquisas práticas que vivenciou no cotidiano, relacionado ao curso. Santos historicia a constituição do curso de Educação do Campo de Amargosa e sobre a construção dos cursos de licenciatura em Educação do Campo no Brasil, tratando sobre aspectos referentes ao currículo e a sua representatividade no cotidiano escolar.

O livro digital constitui-se como uma importante referência para os leitores, principalmente por trazer contribuições para essa área de pesquisa e por suscitar reflexões em torno da conjuntura que a envolve, promovendo assim, novos olhares sobre a educação e sobre a importância que ela possui para toda a sociedade. 

No que se refere às dimensões teóricas, a autora refletiu sobre a conjuntura histórica e social da Educação do Campo, do processo de formação de professores e do contexto de criação dos cursos de licenciatura; e às dimensões práticas da pesquisa, remeteu a reflexão sobre a forma com que tais processos educacionais acontecem, efetivando o PPC em seus aspectos positivos quanto aqueles que necessitam de ajustes.

Dentre as fragilidades, Mônica Santos cita a existência de problemas conceituais, como a relação entre interdisciplinaridade, multidisciplinaridade e transdisciplinaridade; a existência de carga horária insuficiente com relação à legislação, a falta de conexões entre os componentes curriculares, a falta de componentes curriculares referentes à Psicologia, Didática, Teorias de Aprendizagem, Gestão, Sociologia e Filosofia, incoerências na matriz curricular, construção textual desestruturada e repetitiva, eixos formativos que não dialogam e a necessidade de aproximação com os movimentos sociais. O atual PPC encontra-se em processo de reestruturação, o que para a autora, “é um momento crucial para que tais reformulações sejam feitas, visando aperfeiçoar o documento e enriquecê-lo, através da superação das suas fragilidades e de impulsos a cada uma das suas potencialidades”.

“A educação é uma prática social e histórica, porque está completamente imersa na sociedade em todos os sentidos, na mesma forma com que a sociedade também é um elemento central que guia os rumos educacionais, fato esse, que constitui a relação entre escola e educação como uma via de mão dupla e como uma associação contínua de significados”, afirma Mônica.

Egressos

Para Mônica, as discussões sobre o perfil do egresso mostram que a construção da identidade do profissional da Educação do Campo não é algo simples, pois há muitos desafios envolvidos nesse processo, embora sejam muitas as potencialidades da sua formação e da sua atuação, de modo que o curso constitui-se como imprescindível para a Educação do Campo e para a formação dos professores que irão atuar frente a essa realidade.

O livro “A Licenciatura em Educação do Campo: Dimensões teóricas e práticas” (Cruz das Almas/BA, UFRB, 2018), de 224 páginas, em formato digital, encontra-se disponível gratuitamente para acesso, no portal da EDUFRB.

A autora

Mônica de Almeida Santos é graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), no Centro de Formação de Professores (CFP). Principais interesses de pesquisa nas áreas de Educação do Campo, Formação de Professores, Interdisciplinaridade e Práticas Pedagógicas. 

Publicações

As obras foram contempladas no Edital Nº 001/2018 de Publicação de Livros Eletrônicos (E-books) da EDUFRB e integram a Coleção Acadêmica.

Compartilhar