Embrapii financia projetos de R$ 1,78 bilhão

Embrapii financia projetos de R$ 1,78 bilhão

A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e o Ministério da Educação (MEC) divulgam hoje a lista de dez instituições de pesquisa que se tornam unidades credenciadas da Embrapii. Juntas, as unidades desenvolverão projetos de inovação com investimento total de R$ 1,4 bilhão. Desse total, R$ 449,6 milhões serão aportados pela Embrapii. O restante será investido igualmente por indústrias e centros de pesquisa.

Para essa fase do programa de inovação foram credenciados o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA); Fundação CPqD; Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi); Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM); Laboratório de Metalurgia Física da Escolha de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS); Laboratório de Pesquisa em Refrigeração e Termofísica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); Instituto Senai de Inovação em Engenharia de Polímeros (ISI); Centro de Energia Elétrica e Informática da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG); e Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento (Lactec).

Na primeira fase de atuação da Embrapii, iniciada em 2012, foram credenciados o Centro Integrado de Manufatura e Tecnologia (Senai Cimatec), o Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT) e o Instituto Nacional de Tecnologia (INT). Essas instituições desenvolveram projetos com aporte total de R$ 188 milhões. Para a atual etapa, as três instituições têm planos de aportar R$ 384,1 milhões, sendo R$ 127,6 milhões provenientes da Embrapii.

Ao todo, a Embrapii vai aplicar R$ 577,2 milhões em recursos para projetos que somam R$ 1,78 bilhão. João Fernando de Oliveira, presidente da Embrapii, disse que os projetos serão desenvolvidos com companhias privadas e a expectativa é que os recursos comecem a ser desembolsados em dois meses. “Até o fim do ano, serão selecionadas mais cinco instituições de pesquisa e cinco polos de inovação, chegando a 23 unidades credenciadas”, afirmou Oliveira. Para essa fase de credenciamento, a Embrapii avaliou projetos de 87 instituições de pesquisa. Para a próxima seleção, disse, será feito um novo edital de inscrição.

Rafael Lucchesi, diretor-geral do Senai e diretor de educação e tecnologia da Confederação Nacional da Indústria (CNI), observou que a estatal optou por credenciar centros de pesquisa em vez de construir unidades e contratar pessoas para concentrar o uso do orçamento em pesquisa e inovação.

Álvaro Toubes Prata, secretário de desenvolvimento tecnológico e inovação do MCTI, disse que, como vantagem em relação a outros programas de inovação, a Embrapii consegue liberar recursos mais rapidamente para desenvolver os projetos. “Os institutos têm conseguido avaliar e liberar recursos em dois meses, enquanto outros programas de subvenção demoram até um ano”, comparou.

A velocidade na liberação de recursos é apontada por representantes de empresas como um fator de estímulo à realização de parcerias com a Embrapii e centros de pesquisa. A Votorantim Metais, por exemplo, realizou dois projetos com a Embrapii e o Senai Cimatec e tem planos para realizar mais oito inovações juntamente com as entidades, disse Alexandre Gomes, diretor de tecnologia da Votorantim Metais. A companhia fez a primeira parceria em maio de 2013, com investimento conjunto de R$ 2,5 milhões. O primeiro projeto resultou no desenvolvimento de um novo sistema de queima de combustíveis renováveis para as plantas de produção de níquel.

Gomes disse que a nova tecnologia foi testada na fábrica de Niquelândia (GO) e a companhia agora estuda adotar a inovação nas demais unidades. A Votorantim Metais estima que a tecnologia trará uma economia anual de R$ 10 milhões, ou uma redução de 4% do consumo de óleo industrial. “A parceria gera conhecimento muito rapidamente e reduz os riscos para a indústria, por ser um investimento conjunto”, afirmou.

Para André Ferrarese, diretor de inovação da Mahle Metal Leve, a parceria da empresa com Embrapii e institutos de pesquisa tem gerado resultados bastante positivos. Um dos projetos da companhia consistiu no desenvolvimento de uma bronzina (peça do motor de carros) mais resistente à corrosão e que reduz as emissões de gases de efeito estufa. A expectativa da empresa é colocar as novas peças no mercado no começo de 2015.

Taylormade 2012 TMX STAFF BAG
watch game of thrones online free He could then rename it

The Evolution of the Clutch Wallet
free games online 224 million last year and no debt

Fashionable PumpEase and PumpEase Petite Hands
cheap bridesmaid dresses In choosing accessories

Whats The Latest Style Statement
cheap flights Cork side soles are a good option

The Complexity Of Hs Tariff Classification
jeux They’re not the

Maryland struggles with setback distances
miniclip tiffany is symbolic of american make

How to Prepare for a Job Interview in the Fashion Industry
ballkleider having just bought

Is it worth becoming a certified home inspector
games how to be aware what to wear by working with grn

Compartilhar