Empresa administradora de hospitais universitários só tem um funcionário

Empresa administradora de hospitais universitários só tem um funcionário

Empresa criada para administrar os hospitais universitários tem apenas um funcionário: o próprio presidente. Adesão das instituições não é obrigatória e muitas ainda debatem se precisam do serviço

Criada há mais de três meses por sanção da presidente Dilma Rousseff, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), estatal vinculada ao Ministério da Educação (MEC) para administrar hospitais universitários federais, ainda caminha a passos lentos. Apesar de um planejamento de mais de dois anos, por enquanto, a proposta não passa de um estatuto com regras e atribuições. Até o momento, a única definição foi o nome do presidente. Nomeado em fevereiro, o ex-reitor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) José Rubens Rebelatto foi exonerado do ministério para assumir o cargo à frente da estatal. Porém, como a EBSERH não tem sede definida em Brasília e nem outros funcionários contratados, ele despacha sozinho em um gabinete provisório na Esplanada.

O presidente da EBSERH disse ao Correio que aguarda, para esta semana, que o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, encaminhe os nomes escolhidos dos diretores da estatal para aprovação da presidente Dilma Rousseff. Em seguida, por deliberação dos ministérios da Educação, da Saúde e do Planejamento, serão instalados os conselho de Administração, Fiscal e Consultivo. Atualmente, como único funcionário da EBSERH, Rebelatto está tomando providências burocráticas, como a formalização de CNPJ, registro na Junta Comercial e elaboração do plano de implantação da empresa.

Compartilhar