‘Enem deve ter mudanças a partir de 2017’, disse a presidente do Inep

As provas no novo modelo do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)  devem acontecer em apenas um dia, ao invés de dois. Os treineiros – aqueles que fazem as provas só pra treinar – terão gratuidade limitada. As mudanças foram adiantadas pela presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Maria Inês Fini, na reunião do Conselho Pleno da Andifes.

O Inep, órgão responsável pelo Enem, ainda apura os motivos que levam candidatos a realizar o exame repetidas vezes. Há relatos de pessoas que participam das provas por até 8 edições consecutivas. Agora o candidato que fizer a prova mais de três vezes com isenção de taxa perderá o direito à gratuidade na quarta tentativa.

Outras providências para tornar o Enem ‘mais sustentável’ foram anunciadas. Uma delas é que o novo modelo não deverá mais servir para certificar a conclusão do ensino médio. Para atender a esse público, será reativado o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), suspenso há três anos.

Na ocasião, o vice-reitor da Universidade Federal do Ceará, Custódio Almeida reivindicou a antecipação da divulgação dos resultados do Enem. Hoje, o resultado final do Enem só é publicado em janeiro. Segundo Custódio, o calendário impacta no início das aulas. “A medida causa evasão, já que muitos estudantes entram até 40 dias depois do início das aulas”, completou.

O anúncio oficial do novo Enem será feito após o término da consulta pública no próximo dia 10 de fevereiro. Segundo Maria Inês, o Inep estuda formas de adequar o Enem à reforma do ensino médio, que consta na Medida Provisória 746/2016, e que agora irá à sanção. “A nossa proposta é modernizar e aperfeiçoar a estrutura, e como a Base Nacional Comum Curricular deve ser discutida até o fim do ano, qualquer mudança mais substantiva na matriz de avaliação, deve acontecer a partir de 2018”, afirmou a presidente do Inep. No dia 21 de fevereiro, Maria Inês vai apresentar os resultados da consulta pública na reunião do Conselho Pleno, a ser realizada no Rio de Janeiro.

Reforma do ensino médio

Pela MP 746/2016, parte da carga horária do ensino médio é voltada a um aprendizado comum, definido pela Base Nacional Comum Curricular, que ainda está em discussão; e, na outra parte, o estudante poderá escolher entre cinco itinerários formativos: linguagens; matemática; ciências da natureza; ciências humanas; e formação técnica e profissional.

Ascom/Andifes

Compartilhe: