Extensão universitária: braços abertos para a comunidade

Extensão universitária: braços abertos para a comunidade

Recentemente, estive em São Bento para parabenizar pessoalmente o jovem Cleyton Domingos dos Santos Campos, que foi aprovado em 1º lugar para o recém-instalado curso de Medicina no campus de Pinheiro, cujas aulas se iniciam em março. O que hoje é realidade, antes era um sonho, há bem pouco tempo impraticável, para o jovem e sua família, a qual está incluída como beneficiária do programa Bolsa Família. Como filho de Cururupu e sabedor das dificuldades sofridas pelos jovens que residem na região da baixada maranhense, recebi a notícia de sua aprovação como uma prova inconteste de que a UFMA está no caminho certo em alargar suas fronteiras e abraçar cada vez mais pessoas, principalmente aquelas que vivem nas regiões menos favorecidas, dando-lhes meios para mudar suas histórias.

Cleyton é apenas um exemplo de tantos outros que agora integrarão o corpo universitário e usufruirão de todos os serviços e benefícios que nossa universidade oferece. Quero, em especial, destacar as atividades de extensão, que, aliadas ao ensino e à pesquisa, formam a razão de ser de uma instituição de ensino superior, que proporciona o acesso ao conhecimento, às novas descobertas e se une com a sociedade, repositório maior do fruto do trabalho concretizado por professores, alunos e pesquisadores.

Nos últimos sete anos, a extensão foi erigida ao patamar de sua verdadeira importância na UFMA e, a partir disso, os resultados não demoraram a aparecer. Do total de projetos desenvolvidos nessa área, dados da Pró-Reitoria de Extensão revelam que cerca de 28% acontecem nos campi do continente, e alguns dos mais importantes estão sendo realizados em campi novos, a exemplo do campus de Bacabal.

As estatísticas também mostram uma maior adesão de professores e alunos aos projetos executados e, consequentemente, um aumento no número de pessoas atendidas. Extraio aqui, ipsi literis, dados do relatório produzido pela Pró-Reitoria de Extensão: “(…) no ano de 2013 foram realizadas 343 ações de extensão, sendo: 9 na modalidade de programa; 304 na modalidade de projeto; e 30 nas modalidades de cursos ou eventos; Estas ações envolveram um público-alvo de 299.259 pessoas e 2525 discentes, dos quais 530 foram bolsistas pagos com recursos da IES, sendo 250 até junho de 2013 e 280 a partir de julho de 2013 (…). Em relação ao ano anterior, o número de bolsas cresceu 12%; a quantidade de projetos cresceu 24%; a quantidade de programas aumentou em 10% no período”.

No tocante ao Fórum de Extensão – local apropriado para discussões e debates sobre projetos e programas extensionistas –, o relatório da Pró-Reitoria de Extensão também informa dados animadores quanto ao número de pessoas envolvidas, ao público atendido e à quantidade de trabalhos submetidos e apresentados. Para que se tenha uma ideia, na última edição do Fórum foram enviadas 187 propostas de trabalho e, destas, 119 foram aceitas.

Nesse contexto, é importante mencionar a iniciativa do Mestre em Educação José Augusto Medeiros Silva, que, com olhar de pesquisador arguto, dedicou-se a demonstrar dados do projeto de extensão, denominado Centro Rural Universitário de Treinamento e Ação Comunitária – CRUTAC, referente ao período de 1972 a 1979, na cidade de Codó. O trabalho do autor consistiu na dissertação de seu mestrado e que, logo, será lançado em forma de livro. A riqueza de detalhes e a referência merecida a nomes importantes como, por exemplo, o do professor Roberto Gurgel, que marcou o início da trajetória da extensão universitária da UFMA, certamente tornarão a obra essencial para a leitura daqueles que se dedicam a estudar o assunto.

A extensão universitária evoluiu e hoje abrange temas que se relacionam com as preocupações deste século – como o meio ambiente, os direitos humanos, a justiça social –, perpassando a ideia de mero assistencialismo. Nesses últimos anos, também foram desenvolvidas ferramentas voltadas à inclusão social, com destaque ao Programa de Apoio à Extensão Universitária (PROEXT), criado em 2003 pela Secretaria de Educação Superior – SESu/MEC, às avaliações e aos debates constantes acerca do Sistema de Informação e Gestão de Projetos (SIGProj), que permite o intercâmbio de ideias na área de extensão desenvolvidas por outras universidades, com as devidas adequações que levam em conta a nossa realidade social, cultural, ambiental e econômica. Salientamos ainda a forte atuação de discentes e docentes das Ciências Biológicas e da Saúde nos projetos extensionistas da UFMA, respondendo essas áreas por 45% dos trabalhos contemplados pelo Programa de Bolsas de Extensão.

Estamos cada vez mais em sintonia com a sociedade. Assim como o jovem Clayton, que, em breve, será médico, e o Mestre José Augusto Medeiros Silva, que se dispôs a pesquisar a extensão da qual um dia ele também fez parte como aluno em Codó, queremos que outros e outras abracem a oportunidade e levem o conhecimento, a assistência e a descoberta para lugares nunca alcançados.


 


Natalino Salgado Filho

[*] Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

 

Eye Makeup for Women who Wear Glasses
watch game of thrones online free Great Gatsby style hot fashion and fun for parties

you know you want to know
online games we have the solution to her problem

10 Trends for Fall Fashion 2010
mermaid wedding dresses type week knoxville rescheduled for don’t forget national 2010

Princess Diana Dresses Exhibit Closing soon in Naples
forever 21 For that same period it made

Trends In Wholesale Clutches And Handbags In The Fashion Industry
jeu gratuit street bryant unveilings another way full index and in addition three ways to search

Recap Season 3 Episode 14
miniclip The store was fairly clean

Barbie The Queen Of Dolls
kleider managing social media communities

Izod LOGO MEN’S PIMA COTTON COOL POLO
cool math games if you liked the first character guide released in 2006

Compartilhar