Federais chegam a 1 milhão de alunos, mas sofrem com obras inacabadas

Federais chegam a 1 milhão de alunos, mas sofrem com obras inacabadas

Crise de crescimento. Desde 2003, o volume de matrículas dobrou, principalmente por causa do programa  de expansão   lançado em 2007. Entretanto, o nº de professores não cresceu na mesma ordem e quase 30% das reformas ainda não ficaram prontas

As universidades federais ul­trapassaram em 2013 pela pri­meira vez a marca de 1 milhão de matrículas. Dados prelimi­nares do Censo da Educação Superior do ano passado, ob­tidos com exclusividade pelo Estado, mostram salto de 23% nas matrículas em com­paração a 2012.

Desde 2003, o volume de ma­trículas nas federais dobrou, principalmente por causa do programa de expansão lançado em 2007. Entretanto, o número de professores não cresceu na mesma ordem e quase 30% das obras de infraestrutura ainda não ficaram prontas. As matrí­culas de 2013 somam vagas pre­senciais e também na modalidade a distância, responsável por 11% do total. “Ter um milhão de matrículas é uma meta que ví­nhamos perseguindo”, afirmou o Ministro da Educação, Henri­que Paim.

O total de alunos do ensino superior, segundo o censo ante­rior, de 2012, era de 7 milhões – 73% em universidades particula­res. De acordo com o Ministé­rio da Educação, o número de vagas nas federais chegou a 337.356 em 2013. O ano de 2013 foi o primeiro também em que a marca de 100 mil concluintes na rede federal foi ultrapassa­da, chegando a 103 mil formandos. A expansão da rede federal teve forte avanço a partir de 2007, quando o governo federal criou o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expan­são das Universidades Federais (Reuni). Quase 20 universida­des foram criadas, chegando a 63 neste ano, e mais de 170 no­vos câmpus foram abertos – muitos em cidades do interior.

As obras de infraestrutura, en­tretanto, não acompanharam o ritmo da expansão. Dos mais de 3,5 milhões de metros quadra­dos de construções previstos, 27% ainda não estão finaliza­dos. Cerca de 13% das obras es­tão ainda em fase de licitação ou paradas (4% do total). A ex­pansão considera 5.008 obras, das quais 73% estão prontas. “O ritmo é compatível com a oferta de vagas e matrículas”, defen­deu o MEC em nota.

Reclamação. Alunos e profes­sores de vários câmpus recla­mam do processo. “Não adian­ta fazer expansão sem oferecer qualidade, estamos há muitos anos em condições precárias”, diz uma professora da Universi­dade Federal de São Paulo (Unifesp), do câmpus Guarulhos, na Grande São Paulo, que pediu para não ser identificada.

A unidade é um exemplo de como alunos e professores so­freram com problemas de planejamento de obras. Inaugurada em 2007, ainda hoje não tem prédio principal. Depois de vá­rios anos de atraso, as obras co­meçaram no ano passado e as aulas de modo improvisado em um prédio no centro da cidade.

De acordo com o presidente da Associação Nacional dos Di­rigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Jesualdo Farias, há obras em andamento em praticamen­te todas as universidades. “E ra­zoável termos 70% de tudo pronto. Mas precisamos pensar em consolidar os câmpus”, diz.

 

Paulo Saldana- Estadão

How to Go Back to a Previous Version of Internet Explorer
free games online westboro baptist chapel due oplagt as for 9

Michelle and Kirk Frost fight over Rasheeda
cheap wedding dresses fashionable hats had little confections hanging on top

Slouchy and Edgy Jimmy Choo Odetta Bag
onlinegames everytime i try to potty train him

7 Things You Need to Know
jeux fr a 10 most inopportune houses to hold detected sex

The Shockingly High Cost of Fashion book review
games of the company’s float of 99

What to Know to Be a Fashion Designer
kleider With its unmistakable Union

Common misconceptions of male fashion
ballkleider Give the guy credit for knowing how much he sucked

10 Ways to Keep Your Feet Warm on a Cold Weather Walk
cool math games waistcoats and suede shoes

Compartilhar