Federal de Santa Maria tem prova tradicional e seriada

Federal de Santa Maria tem prova tradicional e seriada

20% das vagas são para alunos que fazem exames nos 3 anos do ensino médio

Quem pretende prestar vestibular para a UFSM (federal de Santa Maria, no RS) e não estudou em escola pública, não é negro, não tem deficiência física e não faz parte do Peies, o programa de avaliação seriada, só vai poder concorrer a cerca de 40% das vagas oferecidas.

Isso porque a instituição reserva 38% delas para cotistas e 20% para o Peies, que avalia os alunos do ensino médio ano a ano.

A partir deste ano, inclusive, o exame tradicional e a avaliação seriada serão, em parte, unificados.

Candidatos ao vestibular devem enfrentar três dias de testes. No primeiro, estudantes do 1º ano do ensino médio também fazem a prova; no segundo, os alunos do 2º ano; e, no terceiro dia, é a vez de quem está no último ano do colégio.

Por isso, as três provas possuem as mesmas disciplinas, mas com questões que ficam mais difíceis a cada dia. Na tarde do último dia é aplicada também a prova de redação.

As inscrições para o vestibular podem ser feitas até o dia 10 de setembro.

DO INTERIOR

Primeira federal instalada em uma cidade do interior do país, em 1960, a UFSM não poderia deixar de oferecer o que é característico da região: graduações na área de ciências rurais.

Hoje, seus cursos de agronomia, zootecnia e medicina veterinária são referência na área -os três tiraram 4 ou 5, as notas mais altas, no Enade (exame que mede a qualidade dos cursos).

Orlando Fonseca, pró-reitor de graduação da UFSM, tem uma explicação para essa qualidade: “A implantação no interior possibilitou convênios e pesquisas [com empresas da área], formando especialistas com repercussão nacional e internacional”, diz ele.

Compartilhar