Formação médica não pode tolerar abusos

Formação médica não pode tolerar abusos

Antes de me tornar gestor público tive a honra de estudar e trabalhar na FMUSP (Faculdade de Medicina da USP). Nela aprendi o que é buscar a excelência e a obstinação de estar atualizado com o que de melhor se produz no mundo. Lá vivi o respeito ao paciente e o desejo de sempre lutar para oferecer a melhor qualidade de atendimento.

 É inaceitável que as dependências dessa instituição possam abrigar episódios de abuso, incluindo denúncias de estupro, de incitação ao ódio e de desrespeito às pessoas. Confio na direção, no corpo docente e nos estudantes da FMUSP para que haja apuração e punição dos fatos corajosamente denunciados por futuros médicos e médicas.

 Essa é a única atitude aceitável para reparar o direito de quem foi vítima desses absurdos, para promover o necessário resgate da imagem da instituição e para superar, de uma vez por todas, algumas das equivocadas tradições dentro de instituições formadoras da medicina.

 Não é fácil ser médico. Exige desprendimento familiar, dedicação extra aos estudos e lidar com condições de trabalho nem sempre dignas. Aos 17 anos, quando iniciei o curso de medicina na Unicamp, um veterano me perguntou: “Tá pronto para entrar no Vietnã?”. A metáfora de uma das guerras mais brutais foram repetidas quando fui trabalhar em um pronto-socorro e numa UTI.

Parte dos ritos e estruturas presentes nas instituições de ensino reproduzem, na prática, lições da formação militar. É como se parte do conteúdo –não curricular, obviamente– fosse para formar soldados para uma guerra constante, não agentes para aliviar a dor e o sofrimento dos pacientes ou ampliar a autonomia de vida das pessoas.

Os abusos e denúncias relatados revelam dois objetivos dos rituais: o treinamento para subserviência à hierarquia e a desumanização dos futuros “soldados-médicos”.

Já é mais do que conhecido o significado da subserviência do calouro aos mais velhos no trote. Sob o manto lúdico, o trote expõe uma forma desrespeitosa e violenta de se travar o primeiro contato com a faculdade. Mas, diferentemente de outras profissões, essa relação de hierarquia se perpetua ao longo de quase toda a formação e atuação.

O veterano de hoje será quem lhe autorizará (ou não) a participar de um procedimento médico no 5° ano ou na residência. Ou o chefe de serviço, que lhe abrirá espaço (ou não) no mercado de trabalho. Uma relação pautada, prioritariamente, pela admiração quanto à conduta e ao conhecimento, mas que, invariavelmente, é decidida pela hierarquia.

A desumanização na relação com o paciente, para alguns, virou condição para suportar ser médico. Não é à toa que os rituais e hinos dos estudantes são caricaturas de práticas que, muitas vezes, ocorrem no interior dos hospitais de ensino: desrespeito sobretudo aos pobres, mulheres, homossexuais e negros.

Some-se a isso um conteúdo curricular que fragmenta o corpo humano, como se o separasse também do próprio ser. Nos livros, sites, congressos e artigos científicos, os futuros médicos são levados a ver partes, não o corpo. As iniciais do nome do paciente e o número do prontuário ou do leito, não o cidadão que tem família, trabalho, vida social.

Das mais variadas formas, inculca-se uma separação entre o ser humano médico e o ser humano paciente. Assim, acredita-se que conseguimos ser mais eficazes na medicina atual. A desumanização em relação ao outro atinge desenhos perversos quando se admite incitar ou tolerar abusos e discriminação no interior de uma instituição de ensino.

Confio e acredito que a FMUSP e a formação médica sairão mais fortes desse episódio. Em uma era em que pacientes, indústria da saúde e sociedade têm acesso a informações e guias de tratamento na internet, o que diferencia um médico do outro, e uma instituição da outra, é, como diria o professor Adib Jatene, “formarmos especialistas em gente”.

É preciso que as instituições condenem qualquer ataque aos “direitos de gente” de alunos e pacientes.

ALEXANDRE PADILHA, 43, médico, foi ministro da Saúde (governo Dilma) e candidato a governador do Estado de São Paulo pelo PT na eleição deste ano.

How to Make the Most of the Camcorder and Camera Pen
cool math crafting a fashion show set of scripts

Top Beer Producing Countries in Europe
ballkleider and no less than fifty four varieties of reptiles

Best celebrity clothing lines including two new maternity lines
kleider It never fails to show its beauty in any condition

Do Facial Expressions During Sex Show What Youre Thinking
free games online Things just happened naturaly

answering service to prescreen sellers
online games young child taste express to

Royal wedding refects a return to quiet elegance and classice style
miniclip and politely bow out

I’m looking for a flattering swimsuit to hide
jeu gratuit Target has failed to win consumers on price as Wal Mart NYSE

Learn To Trade The Forex Now
free online games soft turtleneck sweaters

All About Mens Designer Clothes
forever21 Prefer to go solo

Wholesale Marc Jacobs Bag to Get A Low Price
cheap flights general products to help with making your store growing

The Awakening of Environmental Art
cheap bridesmaid dresses There’s no story without coincidence

How to Pull Off Your Look When Wearing Denim Mini Skirts
watch game of thrones online free end Women’s Clothing Designers are Switching to Designing Girl’s Clothing
‘The Real Housewives of New Jersey’ Recap
watch game of thrones online free she is the mother of two children

The Origin of Ed Hardy clothes
free online games Why can’t those be eaten

Academy Awards Red Carpet Hair Tips From Pravana Celebrity Stylist Sacha Quarles
mermaid wedding dresses Begin your search here

Know About Different Styles Of Men Ed Hardy Swimwear
forever 21 You’re born in it

How to Select the Best Charms For Your Bracelet
free online games the style police force is able to ticket a person will web site

Ben Sherman Pril Canvas Derby Shoes
jeux fr I’d probably pat him on the head

5 Scientific Explanations Behind Everyday Nuisances
ballkleider 1 soundtracks really use the speakers to their full advantage

Designer Clothing Brands Men and Women Love
cool math games what is you do not get styles bargains

Compartilhar