FURG ajuda a desvendar ocorrências de derramamento de óleo no litoral brasileiro

FURG ajuda a desvendar ocorrências de derramamento de óleo no litoral brasileiro

Laboratório de Análise Numérica e Sistemas Dinâmicos entrega segundo relatório à Marinha nesta terça, 22

O Laboratório de Análise Numérica e Sistemas Dinâmicos (LANSD) da FURG desenvolve, a pedido do Centro de Hidrografia da Marinha, um estudo de modelagem numérica com o objetivo de estimar a localização exata em que foi lançado ao mar o óleo que atinge o litoral norte e nordeste do Brasil nas últimas semanas. Realizada a partir do conhecimento dos pontos e das datas de ocorrência de óleo na praia, a análise se estrutura em duas etapas e resultará em dois relatórios. O primeiro foi apresentado à Marinha no dia 11 de outubro e o segundo documento deve ser entregue ao órgão nesta terça-feira, 22.

O coordenador do LANSD, também coordenador do Programa de Pós-graduação em Modelagem Computacional do Instituto de Matemática, Estatística e Física (Imef), professor dr. Wiliam Correa Marques é responsável pelo trabalho e falou ao furg.br sobre a colaboração da universidade com as investigações.

Como o trabalho do LANSD procedeu para atender a solicitação da Marinha?

A solicitação para colaborar com as investigações sobre as ocorrências de óleo no litoral do norte e nordeste do Brasil veio da Marinha no dia 3 de outubro. A demanda da Marinha solicitava que fizéssemos um estudo de modelagem numérica para estimar o ponto onde o óleo foi lançado no mar, a partir do conhecimento dos pontos e das datas de ocorrência de óleo na praia. A minha proposição foi de realizar um estudo detalhado em duas etapas. Como primeira etapa de trabalho, a sugestão foi analisar o campo de correntes, a elevação do nível do mar, as ondas e os ventos na superfície do mar, de toda a região norte e nordeste do Brasil, para o período entre 1º de agosto e 15 de outubro de 2019. Com base nestas análises, seria possível criar diferentes cenários para as ocorrências do óleo, sendo estimados os pontos de derramamento e/ou vazamento do óleo no mar. Na segunda etapa do trabalho, partiríamos para a modelagem do espalhamento e dispersão do óleo, considerando todos os possíveis cenários, com o intuito de confirmar as hipóteses criadas anteriormente.

O que o primeiro relatório aponta?

O relatório 1 foi construído com a utilização dos dados de ocorrência de óleo na costa, atualizados em 27 de setembro pelo Ibama. Através da análise destes dados, foi sugerido que o derramamento e/ou vazamento de óleo pudesse ter ocorrido em diferentes setores da plataforma continental ou da região oceânica, devido à sua distribuição espacial e evolução temporal. Além disso, foi verificado que três diferentes áreas do litoral brasileiro possuíam maior probabilidade de terem sido diretamente afetadas por um derramamento e/ou vazamento de óleo no mar. No segundo relatório que será enviado à Marinha esta semana, serão discutidas algumas simulações de deslocamento e intemperismo do óleo, que vêm sendo realizadas para possíveis pontos de vazamento.

Qual a contribuição da FURG nas tentativas de elucidar o caso?

A contribuição do LANSD/FURG será a realização de um estudo minucioso e completo sobre o incidente, através da aplicação da modelagem numérica, com o intuito de informar a(s) posição(ões) onde ocorreram o(s) derramamento(s) e/ou vazamento(s) de óleo que atingiram o litoral norte e nordeste do Brasil.

O relatório está disponível para a consulta pública? Se sim, onde é possível acessar o material?

Devido à gravidade do problema, o trabalho está sendo realizado com extrema urgência. Entretanto, as informações estão sendo trazidas de forma intermitente, e fora da ordem natural para a realização do estudo, ocasionando reajustes sempre que necessário. Sendo assim, de forma a manter a qualidade das informações apresentadas à sociedade, apenas o relatório final será disponibilizado para consulta pública.

Gostaria de destacar mais alguma informação que considera relevante, de interesse público, sobre o caso?

Gostaria de destacar que não mediremos esforços para auxiliar nas investigações, e estamos priorizando a realização deste trabalho, de forma a atender rapidamente a solicitação da Marinha. É extremamente necessário e urgente que haja algum esclarecimento sobre este desastre ambiental que ocorreu no litoral norte e nordeste do Brasil, e esperamos contribuir de forma significativa para a resolução deste problema.

Desde o aparecimento das primeiras manchas de óleo no litoral do nordeste, em 2 de setembro, a Marinha do Brasil está mobilizada para apurar as causas do desastre ambiental. Os esforços de monitoramento e de redução de danos são coordenados com o Ibama, ICMBio, Polícia Federal, ANP, Petrobras, Exército Brasileiro, Força Aérea Brasileira, universidades federais – entre elas a FURG, e demais órgãos estaduais e municipais. Já passa de 500 toneladas a quantidade de resíduos recolhidos nas praias do Nordeste. Participam do estudo elaborado pelo LANSD e coordenado pelo professor Wiliam Correa Marques a doutoranda do PPG em Oceanologia Thaísa Beloti Trombetta. Caso haja necessidade, outros colaboradores do laboratório serão incluídos na equipe.

Compartilhar