Gargalos no ensino e má gestão comprometem conquistas

Gargalos no ensino e má gestão comprometem conquistas

A Educação no Brasil consolidou uma conquista: o setor é consensualmente aceito pela sociedade como prioritário nas políticas públicas. É um avanço, e não só conceitualmente; desde os anos 90, incrementaram-se os indicadores em todos os níveis de ensino do país, graças a ações práticas que atacaram crônicas demandas. Mas esse ainda é um movimento sujeito a contramarchas. Permanecem gargalos a serem desbloqueados.

Com Fernando Henrique, avançou-se na meta de universalizar o acesso ao ensino fundamental. Um primeiro passo que se consolidou nos indicadores da recente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad). De 2012 para 2013, aumentou, de 78,1% para 81,2%, o percentual de crianças de 4 e 5 anos em salas de aula. A meta é chegar a 2016 com 100% matriculados. Também houve crescimento no índice de presença em salas de aula na faixa dos 6 aos 14 anos: 98,2% frequentavam a escola ano passado.

Com Lula, a opção inicial de dar prioridade ao ensino superior, um equívoco, foi revertida, com o Plano de Desenvolvimento da Educação, para o ensino básico. O Fundef (Fernando Henrique) e o Fundeb (Lula) legaram ao poder público instrumentos para equacionar o repasse de verbas destinadas a esse módulo, com melhor repartição de recursos da Federação entre estados e municípios. Também há conquistas no combate ao analfabetismo: o Pnad detectou um recuo, de 8,7% para 8,3%, no número de brasileiros que não sabem ler, embora o problema continue grave entre adultos e nas regiões mais pobres.

Um dos mais graves gargalos evidenciou-se com a divulgação do último Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Seus indicadores mostram uma tendência preocupante: enquanto a evolução do Ideb em comparação com as metas de notas tem números positivos no primeiro ciclo do fundamental (em 2013, o patamar da meta, de 4,9, foi ultrapassado, chegando a 5,2), nos anos finais e no ensino médio registraram-se retrocessos: no primeiro caso, para uma meta de 4,4, a nota ficou em 4,2; no segundo, a meta era de 3,9, e o Ideb estacionou em 3,7. Isso significa que o esforço dispendido para se obter saltos positivos na qualidade do ensino da primeira etapa do fundamental (1º ao 5º anos) não se reflete no ciclo seguinte. E não alcança o ensino médio, o que compromete a qualidade do aluno que chega à Universidade.

´Nesse apagão, é sintomático o perfil de gasto anual por aluno em comparação com nações do OCDE, o grupo de países mais desenvolvidos do planeta. No ensino fundamental, o Brasil dispende per capita US$ 2.673 (contra US$ 8.296 da OCDE); no ensino médio, a relação é ainda mais desigual: US$ 2.662 do Brasil contra US$ 9.280 da OCDE; já no ensino superior, a diferença cai significativamente: US$ 10.902 contra US$ 13.958.

Dados como estes evidenciam que ainda há distorções graves no ensino do país, principalmente o básico. O diagnóstico mais fácil — a necessidade de mais verbas para o setor, atualmente na faixa de 5,7% do PIB — não explica tudo. Dinheiro não é solução mágica. O módulo mais crítico da Educação, o básico (os ensinos fundamental e médio), tem sido beneficiado por aumentos gradativos de repasses, através do Fundeb. E mesmo assim esses ciclos foram reprovados no Ideb. A constatação é óbvia: como em outras áreas de políticas públicas, os problemas decorrem menos por falta de recursos, e bem mais por deficiências de gestão.

São números e questões prioritários para a agenda do próximo presidente. Note-se que, em razão da redução da taxa de crescimento populacional, o mercado de trabalho do país também tende a se retrair. A um número cada vez menor de jovens trabalhando deve-se, em contrapartida, aprimorar-se a qualificação, via aperfeiçoamento da qualidade do ensino. É um desafio para já, do qual depende o aumento da baixa produtividade da economia brasileira, ponto vital.

OS PONTOS-CHAVE

1

De 2012 para 2013, aumentou de 78,1% para 81,2% o percentual de crianças de 4 e 5 anos matriculadas

2

O analfabetismo recuou no país, mas o problema é grave entre adultos e em regiões pobres

3

Há uma estagnação perigosa no ensino médio, que, pelo Ideb, ficou em 2013 com nota abaixo da meta

4

Problemas de gestão: o ensino básico tem verbas generosas do Fundeb, mas o módulo foi mal no Ideb

5

Os avanços no primeiro ciclo do fundamental não se refletem no módulo seguinte e no ensino médio

O Globo

2012 Best of MFA Awards
free games online It’s really a matter of preference

Dressing the Family for the Holidays
vintage wedding dresses season 8 usually are auditions

Twink Solid G String Underwear Available Now for Free at DealbyEthan
cheap flights or that you find at a thrift shop

SC court halts thousands of home foreclosure sales
forever21 techniques to accent a plus sized price

How To shop Smart for Womens Fashion Clothing and Accessories Online
onlinegames Com Engages Famous Creative Fashion Designer David UBL

Trendy Outfits Chic Styles for Overweight Pleasantly Plump Women
jeu gratuit some of the larger brands are the poorer payers

assign safety Daniel Sorensen to practice squad
kleider 5 creature of the night films you haven’t heard about

Boys Girls Shoes from Top Brands
ballkleider Buyers should expect to pay at least

Compartilhar