Governo aumenta vagas nas federais, mas falta infraestrutura nos câmpus

Governo aumenta vagas nas federais, mas falta infraestrutura nos câmpus

O Reuni, lançado em 2007 para reestruturar as universidades, fez crescer em 63% o número de vagas entre 2006 e 2010; no entanto, deixou as instituições sem bibliotecas, laboratórios e salas de aula

RIO DE JANEIRO – Lançado pelo governo federal em 2007 com a missão de reestruturar universidades e ampliar o acesso dos brasileiros ao ensino público superior, o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni) cumpriu a segunda parte das promessas.

O número de vagas oferecidas anualmente aumentou 63%, passando de 148.796, em 2006, para 242.893, em 2010 – dado mais recente do Ministério da Educação (MEC). Os investimentos em infraestrutura, porém, não chegaram junto com os alunos. As primeiras turmas dessa expansão estão deixando as universidades depois de atravessarem o curso com bibliotecas desabastecidas, sem aulas em laboratórios, salas superlotadas e professores assoberbados. O MEC admite problemas, mas alega que eles ocorrem por causa do pioneirismo do Reuni, “um dos programas de maior sucesso da história da educação do País” (mais informações nesta pág.).

Os problemas se multiplicam pelo País. São aulas em contêineres, em porões, laboratórios improvisados em banheiros, falta de restaurantes universitários. A estudante de terapia ocupacional, Larissa Reis, de 19 anos, conta que está no terceiro semestre da faculdade e tem aulas em laboratório a cada 15 dias.

“É muita gente e o professor divide a turma em duas. Ele dá a mesma aula duas vezes”, conta. Larissa é estudante do câmpus de Ceilândia da Universidade de Brasília (UnB), que funciona provisoriamente em 13 salas de uma escola de ensino médio. O barulho dos adolescentes atrapalha as aulas. “Não é o que eu esperava. É tudo muito precário.”

O câmpus de Ceilândia é voltado para cursos de saúde. “Tinha um mini laboratório com três microscópios. Três estudantes utilizavam os instrumentos e instalaram um telão do lado de fora e uns viam os que outros estavam fazendo, mas não tinham a prática”, diz Lucas Brito, de 21 anos, aluno de Serviço Social.

Segundo ele, neste semestre está se formando uma turma de Fisioterapia que não teve aula prática, só teórica, por meio de slides. “As pessoas vão se formar sem a mínima segurança de que possam atender”, afirma.

Risco. Professores da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro elaboraram um dossiê com fotografias e o encaminharam ao Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes). As imagens mostram salas de prédios recém-construídos com rachaduras, órgãos de animais cobertos por larvas, por causa da falta de formol, e a fachada do câmpus principal deteriorada – a reitoria informa que as rachaduras não oferecem risco e a obra no prédios antigos estão para ser licitadas.

O professor de anatomia animal da Rural Luciano Alonso diz que os alunos são obrigados a lidar com peças de animais apodrecidas, por falta de material para conservação. “Técnicos, alunos e professores se expõem a pegar infecção por manusear peças sem condições. O material para manutenção não chega, porque o sistema de compras é falho, a solução usada no preparo das peças perde o poder de conservação. As peças exalam mau cheiro, têm larvas de mosca. Descartamos quando chega no limite”, conta. “A reitoria abriu espaço para discutirmos os problemas. A questão é que o governo impõe metas às universidades, que não têm condições de seguir aquele cronograma.”

A falta de estrutura e de professores levou alunos do curso de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro a decretarem greve em abril, no câmpus de Macaé, norte fluminense. “Somos a primeira turma. O curso está sendo construído com a gente. Até a metade do primeiro período, só tínhamos um professor, de bioquímica. Todo período começa com atraso porque a universidade não contratou professores”, conta Larissa Costa, aluna do sexto período.
Até agora, os estudantes não tiveram aula em laboratório de anatomia com cadáveres nem em hospital de referência. “A essa altura, nós precisávamos estar inseridos no atendimento hospitalar”, lamenta.

Os alunos do 5.º e 6.º períodos foram transferidos para o Rio e não se sabe se vão concluir o curso no câmpus sede. A reitoria informou que o laboratório de anatomia em Macaé ficará pronto em três meses.

Dossiê de sindicato dos professores retrata precariedade
No documento há relatos de docentes e fotografias que mostram laboratório improvisado em banheiro e salas de aula em hotel

O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) está preparando um relatório sobre as dificuldades enfrentadas em universidades federais após o Reuni. O documento contém relatos de professores e fotografias, como a de um laboratório improvisado dentro de um banheiro, na Universidade Federal do Pampa.

“O Reuni chegou a uma universidade que já enfrentava problemas, como a falta de professores e laboratórios sucateados. Essas questões foram aprofundadas. O Reuni vem com ideia de reestruturar a universidade, mas, na verdade, só ampliou o número de alunos e tornou mais precário o trabalho docente”, diz Marinalva Oliveira, presidente da Andes.

O relatório também critica o câmpus de Arapiraca da Universidade Federal de Alagoas, que fica ao lado de um presídio. Um prédio de hotel desativado foi alugado pela Universidade Federal do Oeste do Pará, para abrigar os alunos do câmpus de Santarém. “É um hotel abandonado, sem condições de abrigar cursos universitários”, diz Marinalva.

A professora Kátia Lima, da Escola de Serviço Social e Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense, defendeu tese de doutorado sobre o impacto do Reuni. “A explosão do número de vagas discentes nas universidades federais sem a necessária ampliação das vagas docentes é um dado alarmante”, diz.

Ela cita algumas instituições, como a Universidade Federal Tecnológica do Paraná, que ampliou em 601% o número de vagas, a Universidade Federal do Triângulo Mineiro (313%) e a Universidade Federal do Recôncavo Baiano (277%).

Defesa. O decano de Ensino e Graduação da UnB, José Américo Saad Garcia, defende o programa do governo federal. “O Reuni, para nós, foi uma maravilha. Passamos vários anos sem ter condição de contratar professor, de ter sala decente. Estava um caos. Não posso questionar, muito menos reclamar. O Reuni foi nossa salvação.” / C.T.

 

I now pronounce you NO longer husband and wife
watch game of thrones online free such as shirts

CAM Software for Fashion Designers
free games online it associated with snooty shopkeeps

Monique Lhuillier presents another stunning collection
free online games What Skills Do You Need to Become an Engineer

Ethnic style in fashion history
onlinegames A high traverse along the crest of Nason Ridge

How to Wear Leather Jackets
jeux there a lot of by the numbers material here

The Kohl’s Company And The Kiss Of Death
miniclip its Wet Seal stores and its Arden B stores

Business in Web World Directory
kleider sean john and many more which you can choose from

Vanessa Hudgens Channels Hollywood Glamor at
games ensure the pockets sit centered on your rear to minimize your buttocks

Compartilhar