Governo fará ponte entre pesquisador e empresas

Governo fará ponte entre pesquisador e empresas

O governo federal passará a intermediar, a partir de 2013, o contato dos participantes do programa Ciência Sem Fronteiras com empresas que produzem no País

O governo federal passará a intermediar, a partir de 2013, o contato dos estudantes brasileiros com bolsas em universidades estrangeiras pagas por meio do programa Ciência Sem Fronteiras com empresas que têm planta no País. A ideia do governo Dilma Rousseff é direcionar os alunos que começam a retornar ao Brasil para trabalhar como pesquisadores nessas companhias.

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) já tem uma estrutura pronta, em São Paulo, para receber os estudantes que foram fazer cursos de graduação e doutorado no exterior e vão voltar ao Brasil. O objetivo é aproximar os pesquisadores das empresas, de forma a levá-los para o “canteiro de obras”.

A primeira leva de estudantes “intermediados” pelo governo federal voltará no início do ano que vem ao País e já tem emprego garantido. Dez alunos de Engenharia que foram para os Estados Unidos concluir doutorado em 2012 serão contratados pela General Eletric (GE) no Brasil. O presidente da GE comunicou oficialmente o governo federal das contratações.

“Não existe país que tenha se desenvolvido sem uma classe forte de engenheiros, e isso nós não temos aqui no Brasil. Precisamos direcionar esses estudantes para as empresas no País”, disse à reportagem o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Marco Antônio Raupp, responsável pela iniciativa. O CNPq é vinculado ao ministério.

Segundo o ministro, o governo federal está fazendo um “enorme esforço” para fixar no Brasil os estudantes de ciências médicas, biológicas e naturais. Para Raupp, o programa Ciência Sem Fronteiras, lançado em 2011, “pode ajudar a dar uma visão internacional para os pesquisadores brasileiros, algo importante para um País que viveu décadas fechado”, disse.

Para João Saboia, professor de economia da UFRJ e especialista em mercado de trabalho, o plano do governo é interessante, uma vez que aumentará a qualificação dos trabalhadores no País. “É um desafio dirigir o estudante que volta do exterior para o mercado de trabalho. Seria uma pena perdermos essa força de trabalho qualificada, especialmente em um momento em que as empresas estão demandando muito, oferecendo bons salários”, disse Saboia.

Para o especialista da UFRJ, o grande desafio do governo será direcionar um contingente tão grande de estudantes para o mercado. A meta do Ciência Sem Fronteiras é conceder entre 2011 e 2014 bolsas de estudos no exterior de até três anos para 101 mil estudantes de graduação, mestrado e doutorado, em áreas consideradas estratégicas. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Agência Estado

 

Five Candidates for the Top Fashion City in Europe
free games online it should be noted that since this style is over the top

Looking for cheaper version of Saddleback leather bag
free online games just what exactly trainers are almost always perfect for ladies by means of good sized feet

Ideas for a 80s Rock Party Theme
cheapest flights Enraged at the shitty service and lack of leg room

What to get and The best way to Come across Them
forever 21 omamori himari facial looks removals

Why It Is OK to Grow Old or Getting Real
onlinegames My son turned 4 in April

Jealousy the Green Eyed Monster
jeu gratuit 2 trainers

Pension Retirement Funds Venture Overseas
ballkleider the actual facial area connected with apparel

A Career as a Fashion Editor
cool math the product is nothing less than stunning

Compartilhar