Greve na UFRJ impede matrículas de alunos aprovados via Sisu

Greve na UFRJ impede matrículas de alunos aprovados via Sisu

Universidade afirma que vagas estão garantidas, mas que não há novo prazo

RIO— Quando a paulista Renata Coelho passou em Medicina na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a sensação era de orgulho e dever cumprido. Mas, logo depois, a alegria da aprovação se transformou em ansiedade e insegurança. A futura caloura é uma dentre os centenas de aprovados na edição do segundo semestre do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) que ainda não conseguiram se matricular presencialmente devido à greve de professores, servidores e estudantes nas instituições federais.

— Estou numa situação muito desconfortável. Não sei se vou para o Rio ou se espero alguma posição da UFRJ por aqui. O problema é que eles não respondem. O posicionamento é sempre que não sabem a data e para aguardarmos. Mas não temos qualquer documento oficial que mostre que somos alunos da instituição — desabafa Renata Coelho, moradora de Pindamonhangaba (SP). — Entendo que os funcionários têm motivos para suas reivindicações. Acho que a greve é legítima, mas estudamos a vida toda por essas vagas, só queremos ter garantia a respeito.

O caso de Renata é similar ao de centenas de alunos que fizeram a última edição do Sisu. Em julho, quando o resultado do processo já havia sido divulgado, a UFRJ montou uma alternativa para obedecer às exigências do Ministério da Educação mesmo com a greve. Sem funcionários, a universidade afirmou para seus futuros alunos que eles poderiam reivindicar as vagas através de uma matrícula on-line.

Porém, os estudantes afirmam que, neste mecanismo, o único documento que possuem é um comprovante gerado digitalmente.

— Não entregamos qualquer documento oficial nosso e também não recebemos nada institucional da UFRJ. Legalmente, sabemos que estamos dentro, mas dá uma incerteza. Dá aquela sensação de que ainda não faço parte — afirma Marcelo Amaral, de 20 anos, que também passou para Medicina na UFRJ e, esta semana, se encontrou com outros calouros na porta do Hospital Universitário da instituição para tentar obter novas informações. — Fomos lá, tentamos contato mas estamos chegando agora, é difícil pressionar. Nem sabemos direito por onde começar, com quem podemos falar.

Com um curso de oito anos pela frente, Amaral acredita que mais episódios como este acontecerão:

— O corte no orçamento foi grande e, pelo que vejo, as greves são cada vez mais frequentes. Acho que é só o começo.

Em nota, a UFRJ garante que as vagas dos candidatos aprovados estão garantidas, mas que não há previsão para a matrícula presencial: “A matrícula presencial será realizada assim que retomarmos as atividades acadêmicas. Todos os candidatos que fizeram a pré-matrícula on-line seguem com suas vagas garantidas para a matrícula presencial”, informa.

Raphael Kapa – O Globo

Compartilhar