Ifes inauguram núcleos de telessaúde

Ifes inauguram núcleos de telessaúde

O Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR) inaugurou nesta terça-feira, dia 17 de março, às 10 horas, o seu núcleo da Rede Universitária de Telemedicina (Rute). A cerimônia, realizada no Auditório do Setor de Ciências da Saúde, marcou um importante avanço na área de educação, pesquisa e nos atendimentos oferecidos à comunidade.

A UFPR é a 15ª instituição a inaugurar seu núcleo da Rute, projeto que tem como um de seus principais objetivos promover a integração das atividades de telessaúde no Brasil. A Rute contribui tanto para a melhoria na qualificação dos profissionais, através do desenvolvimento de inovações na área de educação em saúde, quanto no atendimento aos pacientes, através da melhoria na qualidade dos processos de pré-diagnóstico e no estudo de formas de avaliação do atendimento médico.

Com o tempo, profissionais de cidades distantes também poderão usufruir dos resultados e obter os serviços desenvolvidos através do compartilhamento de arquivos de prontuários, exames e consultas, viabilizados pela Rute.

Um exemplo da integração promovida pela Rute são os SIGs (Special Interest Groups, na sigla em inglês, ou Grupos Especiais de Interesse), nos quais os profissionais de saúde das instituições pertencentes à rede montam uma agenda de videoconferências para debater assuntos específicos.

Além dos debates e discussões de caso, alguns SIGs também realizam diagnósticos e aulas à distância. Atualmente já existem mais de 20 SIGs, que atuam em áreas como Enfermagem, Odontologia, Toxicologia Clínica, Trauma e Ortopedia, Dermatologia e Saúde de Crianças e Adolescentes, entre outros.

A Rute é uma iniciativa do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), coordenada pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), organização responsável pela operação da internet acadêmica brasileira. No Brasil, a Rute é formada atualmente por 57 membros distribuídos em todos os estados brasileiros, que não só interagem entre si, mas também com outras instituições no Brasil e no exterior.

Além de integrar a Rute, a UFPR faz parte ainda da Rede Metropolitana de Curitiba, que ocorre dentro da iniciativa Redes Comunitárias de Educação e Pesquisa (Redecomep), também coordenada pela RNP.

Pertecendo à Redecomep, a instituição passa a ter acesso à infraestrutura de fibras ópticas com capacidade de 1 Gbps que interligará os principais centros de ensino e pesquisa de Curitiba para uso de aplicações avançadas e troca de grande volume de dados. Uma vez inaugurada, a Rede Metropolitana de Curitiba, que atualmente se encontra em fase final de testes, será interligada às demais instituições que fazem parte da rede acadêmica nacional, a rede Ipê.

UFPI

Na próxima segunda-feira (23), às 14h30, é a vez da Universidade Federal do Piauí (UFPI) inaugurar o Núcleo de Telessaúde do Piauí, na sala do Núcleo Estudos em Saúde Pública (Nesp). Durante o evento será realizada uma videoconferência com Ana Estela Haddad, diretora do Departamento de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde (Deges).

De acordo com a gerente do Nesp professora Lis Marinho, durante a videoconferência Ana Haddad explicará o funcionamento do Projeto Nacional de Telessaúde, que tem como proposta a qualificação das equipes de Saúde da Família em todo país.

Participarão da inauguração o reitor da UFPI Luiz Santos Júnior, o diretor de Ensino a Distância da UFPI Gildásio Guedes, o secretário estadual de Saúde Assis Carvalho, além do presidente da Fundação Municipal de Saúde Firmino Filho e do presidente do Conselho Regional de Medicina Wilton Mendes.

Com a inauguração do núcleo embrião, o Piauí se unirá a outros nove estados e receberá toda a infra-estrutura de informática e telecomunicação necessária para promover a integração e a valorização dos profissionais envolvidos em atividades de saúde.

Através do projeto as equipes de Saúde da Família serão integradas a centros universitários de referência, difundindo conhecimentos e melhorando a qualidade do atendimento em Atenção Primária no Brasil

A telemedicina

Quando a distância é um fator crítico, a oferta de serviços de saúde é prestada por profissionais com o apoio de tecnologias de informação e compartilhamento de dados. Esse sistema, que compreende o intercâmbio de informações, é chamado de Telemedicina, e foi implantado no Brasil na década de 1990.

Conforme a resolução 1.643/2002 do Conselho Federal de Medicina, telemedicina é o exercício da medicina através da utilização de metodologias interativas de comunicação audiovisual e de dados, com o objetivo de assistência, educação e pesquisa em saúde.

Grande parte das áreas da medicina atual já utiliza recursos de tecnologia para armazenar e compartilhar informações. A prática, além de possibilitar o desenvolvimento da medicina à distância, abre caminho para a oferta de serviços de saúde em comunidades distantes. Dentre os serviços de telemedicina mais conhecidos estão o telediagnóstico por imagem, a consulta on-line, a videoconferência médica e a educação à distância.

Rede Universitária de Telemedicina

O objetivo da Rede Universitária de Telemedicina é aprimorar a infraestrutura de comunicação para telessaúde presente nos hospitais universitários, criar formalmente Unidades de Telemedicina e Telessaúde e promover a integração dos projetos existentes nesta área.  A Rute é apoiada pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e pela Associação Brasileira de Hospitais Universitários (Abrahue).

Na primeira fase da Rute, 19 instituições foram beneficiadas com a iniciativa. Com a expansão da rede, anunciada em agosto de 2007, a Rute passou a incluir 57 instituições, distribuídas em todos os estados do Brasil. Atualmente, já há núcleos Rute inaugurados em hospitais universitários em Santa Catarina, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Pernambuco, Maranhão, Bahia, São Paulo, Ceará, Paraíba e Pará.

Compartilhar