Laboratório da UFG utiliza drones para mapeamento ambiental

Laboratório da UFG utiliza drones para mapeamento ambiental

Aparelho alcança até 700 m de altura e coleta imagens que podem servir para monitorar áreas de risco

O Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento (Lapig), do Instituto de Estudos Socioambientais, da Universidade Federal de Goiás (UFG) tem desenvolvido e aprimorado técnicas de mapeamento de áreas agrícolas, urbanas e de florestas mediante o uso de veículos aéreos não tripulados (vants), mais conhecidos como drones. Os vants são similares a um aeromodelo, porém, utilizados para a captação de imagens georreferenciadas, com coordenadas geográficas, de forma totalmente autônoma.

Os estudos utilizam dois equipamentos de pequeno porte com câmera digital e GPS para registro de informações durante o voo, em altitudes de 100 até 700 metros. Os veículos aéreos não tripulados registram uma sequência de fotografias que forma a imagem da superfície a ser mapeada, podendo depois realizar um mapa temático e possibilitar análise de determinado fenômeno associado à região registrada.

Processos Erosivos em Silvânia
Os vants são utilizados no mapeamento topográfico de áreas urbanas ou rurais, destacando a declividade do terreno ou a presença de erosões em Silvânia, Goiás. O projeto surgiu mediante uma demanda da Defesa Civil do município que sofre com processos erosivos, alagamentos e enchentes desde o período colonial. Dessa forma, a análise visa detectar áreas de risco à sociedade para conter a perda de solo e os deslizamentos. O encerramento do estudo está previsto para dezembro de 2015.

Áreas de risco na Cidade de Goiás
O perímetro urbano e as nascentes da Cidade de Goiás estão sendo monitorados pelo Lapig, em parceria com a Secretaria do Meio Ambiente da cidade, para detectar áreas com risco de inundações e enchentes, bem como avaliar as Áreas de Preservação Permanentes (APPs). Essa parceria trará benefícios diretos para os moradores da cidade, pois as águas do Rio Vermelho e de outros córregos, com grandes volumes em época de chuva, podem inundar áreas do sítio histórico.

Monitoramento de áreas sob concessão florestal
O Serviço Florestal Brasileiro (SFB), órgão responsável pelo monitoramento da exploração em áreas de Florestal Públicas Federais, convidaram os pesquisadores da UFG responsáveis pelos vant para estimar o volume de madeira estocada no pátio de uma serraria que possui concessão florestal em Rondônia. O teste realizado com o veículo aéreo demonstrou resultados satisfatórios para os pesquisadores da UFG e os técnicos da SFB. Destaque para o pouco tempo gasto e a menor quantidade de pessoas demandadas para realizar a medição do volume de madeira no pátio da serraria.

Serviço
Assunto: Laboratório da UFG utiliza veículos aéreos não tripulados
Contato: Assessoria de Comunicação
UFG 3521-1311

Compartilhar