Lançamentos das Editoras Universitárias – Dezembro de 2009

Lançamentos das Editoras Universitárias – Dezembro de 2009

Confira os últimos lançamentos das Editoras Universitárias: 

Livros sobre atividade física e saúde e atletismo são lançados no Centro de Desportos da UFSC
Obras surgem com o objetivo de socializar pesquisas e preencher falta de material didático
 
A UFSC promoveu o lançamento de dois livros no Auditório do Centro de Desportos da UFSC nesta quinta-feira (3). O primeiro é Atividade física e saúde: intervenções em diversos contextos, de Maria de Fátima da Silva Duarte, Marcius A. Gomes, Lisiane S. Poeta e Joris Pazin (organizadores).
 
A obra surge com o objetivo de socializar as pesquisas envolvendo intervenções em atividade física e saúde, advindas dos programas pioneiros de Mestrado em Educação Física do CDS/UFSC e do Mestrado do CEFID/UDESC. Está dividida em 13 estudos trazendo como primeiros autores os recém-formados mestres e seus orientadores.
 
O segundo livro é Atletismo em quadrinhos – história, regras, técnicas e glossário, de Clarissa Rios Simoni e Willian Medeiros Teixeira, que entra no mercado principalmente pela falta de material didático para o ensino do Atletismo, uma modalidade básica na formação do jovem.
 
Maiores informações com Maria de Fátima da Silva Duarte pelo e-mail: mfduarte@mbox1.ufsc.br
 

Alunos do curso de Turismo da UFSCar lançam livro didático sobre a área

Dezessete alunos do curso de Turismo da UFSCar lançam o livro didático "Turismo e Meio Ambiente no Brasil". A obra é uma das poucas do gênero redigida e produzida integralmente por estudantes.

A ideia do livro, publicado pela editora Manole, surgiu em uma atividade do Laboratório de Pesquisas em Ecoturismo, Percepção e Educação Ambiental (LEPEA) e envolveu apenas alunos em fase de conclusão de curso. Durante as reuniões foi discutida a possibilidade de criação de um livro que auxiliasse os estudantes de Turismo a ter mais conhecimento e respeito em relação às diretrizes do Turismo Sustentável.

Em pouco mais de um ano, os 17 alunos proponentes se engajaram, realizando pesquisas, selecionando temas, redigindo textos e estudos de caso e produzindo ilustrações para os tópicos abordados nos 15 capítulos do livro. A organização e revisão da publicação, que é direcionada a estudantes de Turismo brasileiros, foi feita pelos professores Zysman Neiman e Andrea Rabinovicci, também do campus Sorocaba da UFSCar.
Crad/Univasf lança publicação e inaugura novas instalações do herbário

Nesta sexta-feira (4), foi realizado no campus Ciências Agrárias, em Petrolina, evento conjunto de inauguração das novas instalações do Herbário Vale do São Francisco (HVASF) e do lançamento do Guia de Campo Árvores da Caatinga. As respectivas ações são promovidas pelo Centro de Referência para Recuperação de Áreas Degradadas da Caatinga da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Crad/Univasf).

A publicação foi idealizada pelo coordenador do Crad, professor José Alves Siqueira Filho, do Colegiado de Ciências Biológicas, e tem como organizadores os estudantes Amanda Santos, Maria de Fátima Nascimento e Fábio do Espírito Santo. O guia reúne informações e fotografias de espécies nativas que também integram o acervo do herbário.

Instalado numa área de 60m², o HVASF tem capacidade de armazenamento para 100 mil exemplares. Além de ser o segundo herbário do Nordeste com arquivos deslizantes, já é reconhecido internacionalmente pelo Index Herbariorum do The New York Botanical Garden.

Livro sobre Bioenergia será lançado em Belo Horizonte

Será lançado no dia 11 de dezembro o livro “Mapeamento da Matriz de Coprodutos da Cadeia Produtiva da Bioenergia em Minas Gerais”. Este é o objetivo do Seminário Coprodutos da Bioenergia, promovido pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Brasileiro (Sebrae-MG), o Instituo Euvaldo Lodi (IEL) e o Instituto Pró-Cittá.

A iniciativa de editar o livro surgiu a partir da pesquisa feita pelo Instituto Pró-Cittá no setor da bioenergia, nas áreas do etanol, biodiesel, biogás e carvão vegetal, encomendadas pela Sectes. Cada uma dessas áreas foi analisada com os objetivos de qualificar e quantificar os coprodutos de cada cadeia produtiva, avaliar o impacto socioeconômico e ambiental da matriz desses coprodutos em suas áreas de influência, além de identificar desafios e oportunidades de novas modalidades de usos deles.

O livro procura oferecer uma visão geral de cada uma das quatro cadeias produtivas analisadas e apresentar os principais resultados observados nas pesquisas de campo. Dividido em quatro capítulos que tratam das cadeias produtivas do etanol, biodiesel, biogás e carvão vegetal, o livro traz a contribuição de especialistas de cada área e dois anexos adicionais sobre a produção de álcool combustível em sistema cooperativo e aproveitamento energético dos resíduos sólidos.

Programação
A programação do seminário foi dividida com palestras sobre os temas: Mapeamento da Matriz de Produtiva da Bioenergia em Minas Gerais; Etanol; Biodiesel; Tecnologia do Biogás e Carvão Vegetal e um debate final. Na ocasião, os participantes receberão um exemplar do livro “Mapeamento da Matriz de Coprodutos da Cadeia Produtiva da Bioenergia em Minas Gerais” e um folder com o resumo das principais informações contidas no livro. 

 

Educação inclusiva, deficiência e contexto social: questões contemporâneas

Organizado por Félix Díaz, Miguel Bordas, Nelma Galvão e Theresinha Miranda

Discutir as relações sociais e suas implicações no processo de desenvolvimento de pessoas com deficiência, este é o objetivo do livro Educação inclusiva, deficiência e contexto social: questões contemporâneas, organizado por Félix Díaz, Miguel Bordas, Nelma Galvão e Theresinha Miranda, com conteúdo extraído dos trabalhos apresentados no I Congresso Baiano de Educação Inclusiva. Seu lançamento, pela Editora da Universidade Federal da Bahia (EDUFBA), ocorreu no dia 2 de dezembro, no Bahia Othon Palace Hotel.

O enfoque dessa obra decorre da relevância que o contexto sociocultural em que a pessoa está inserida serve de parâmetro para classificá-la como normal e anormal, além de enfatizar o ensino e a escola, bem como as formas e condições de aprendizado. Esta perspectiva, ao invés de procurar, no aluno, a origem de um problema, define o tipo de resposta educativa e de recursos e apoios que a escola deve proporcionar a esse aluno, para que ele obtenha o sucesso escolar. Em vez de pressupor que o aluno deva ajustar-se a padrões de “normalidade” para aprender, aponta para a escola o desafio de ajustar-se para atender à diversidade de seus alunos.

 

Leituras Afro-Brasileiras: territórios, religiosidades e saúde

Organizado por Ana Cristina de Souza Mandarino e Estélio Gomberg
 
Sábado, dia 05 de dezembro, haverá o lançamento da coletânea Leituras Afro-Brasileiras: territórios, religiosidades e saúde, obra organizada pelos pesquisadores Ana Cristina de Souza Mandarino e Estélio Gomberg, publicada pela Editora da Universidade Federal da Bahia (EDUFBA), com co-publicação da Editora Federal de Sergipe, através de recurso do Fundo Nacional de Saúde-FNS e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq, no Terreiro Pilão de Prata, na Boca do Rio, Salvador, a partir das 18 horas.
A obra é uma coletânea de 18 textos que expressam distintas reflexões sobre o suscitar da percepção de que em terras brasilianas, territórios, religiosidades e saúdes foram/são apropriados pelos grupos afro-descendentes de acordo com suas particularidades e valores, seus interesses e suas interações junto à sociedade nacional, assim como o de divulgar reflexões, estudos e seus resultados produzidos por pesquisadores, além de agentes religiosos de diversas instituições.

Autores: Dagoberto José Fonseca, José Antonio Moraes da Silva, Elaine Pedreira Rabinovich, Edite Luiz Diniz, Ana Cecília de Sousa Bastos, Maria Francisca dos Santos Teles, Ana Cristina de Souza Mandarino, Anna Volochko, Maria Lina Leão Teixeira, Hugo de Carvalho Mandarino Jr, Estélio Gomberg, Míriam Cristina Rabelo, Paulo César Alves, João Valença, Alexandre Brasil C. da Fonseca, Ricardo Freitas, José Renato de C. Baptista, Angela Elisabeth Lühning, Wallace Ferreira de Souza, Maria do Socorro Sousa, Berta Lucia Pinheiro Kluppel, Cristiane Gonçalves da Silva, Jonathan Garcia, Fernando Seffner, Luis Felipe Rios, Richard Parker, Maria Cristina S.s Pechine; Serge Pechine, Mauro Nunes, Adailton Moreira.

Informações para aquisição: Editora da UFBA www.edufba.ufba.br e coedufba@ufba.br
Contatos: (71) 3283-6160/6164 ou Email: edufba@ufba.br

 

Educação básica: contribuições da pós-graduação e da pesquisa

Dos organizadores Robinson Tenório e José Albertino Lordêlo

Que contribuições a pós-graduação e a pesquisa podem dar para a melhoria da qualidade da educação básica? É a pergunta-chave que o livro Educação básica: contribuições da pós-graduação e da pesquisa, dos organizadores Robinson Tenório e José Albertino Lordêlo, tentará responder. A obra, lançada pela Editora da Universidade Federal da Bahia (EDUFBA), foi lançada no dia 3 de dezembro no pátio interno da Faculdade de Educação da UFBA.

Dos diálogos travados no cotidiano do funcionamento e da gestão do Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Bahia, a pergunta-chave do livro foi evoluída para a organização das diversas contribuições dos docentes, mestrandos e doutorandos reunidas neste livro. Desta forma, cada capítulo traz uma resposta específica dos autores à questão.

A densidade teórica, a diversidade de temas e de perspectivas metodológicas apresentadas no livro, expressam a multiplicidade dos grupos e linhas de pesquisa do programa, retratando sua rica dinâmica interna e seu compromisso com a qualidade social da educação.

 

A Construção da Universidade Baiana: Objetivos, Missões e Afrodescendência

Edivaldo Boaventura

No próximo dia 10 de dezembro, quinta-feira, às 18 horas, na Biblioteca Central da UFBA, o livro A Construção da Universidade Baiana: Objetivos, Missões e Afrodescendência, do Professor Doutor Edivaldo Boaventura, será lançado pela Editora da Universidade Federal da Bahia (EDUFBA).

A obra aborda, como questão central, a formação do sistema estadual de educação superior na Bahia. O tema, que articula contextos local, regional e nacional, está estruturado em três blocos. O primeiro trata do surgimento das faculdades e universidades, destacando a origem do sistema estadual de educação na Bahia, entre 1968-1991. No segundo bloco, o livro aborda as experiências no exterior como título que agrupa as oportunidades de qualificação e intercâmbio, ressaltando experiências de cooperação com o Canadá, França, Estados Unidos e Portugal. No seu último bloco o Professor Boaventura faz uma análise sobre a Educação dos afrodescendentes, resgatando um tema vital da sociedade contemporânea, motivado pela necessidade de educação de largo contingente afro-baiano.

Editora UFJF lança livro sobre inclusão
 
“Da Exclusão à Inclusão – (re)construindo significados à luz dos pensamentos de Vygotsky, Paulo Freire e Michel Foucault”, da Editora UFJF, lançado nesta quarta-feira, dia 2, na Casa de Cultura da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Organizado por Carlos Alberto Marques (in memoriam) e por sua esposa Luciana Pacheco Marques, o livro é resultado de pesquisa feita pelo Núcleo de Estudos Sociais e da Educação (Nesce) da Faculdade de Educação da UFJF intitulada “Uma leitura crítica da Educação Especial a caminho da inclusão”.

A obra reúne vários autores no intento de compreender o deslocamento da exclusão para a inclusão, a partir da problemática da existência humana em sua trama de relações. Já que não se pode esquecer que a diferença, respeitado o dado da relatividade cultural, ainda é um assunto sobre o qual o ser humano revela grandes dificuldades de aceitação e de relacionamento.

No livro o sentido que é dado ao termo inclusão é o de “inédito viável”, um desafio apresentado como princípio ético, um sonho possível, uma convicção. A partir do preceito freireano, compreende-se que a inclusão resulta da união de todos na luta por uma sociedade mais justa e solidária, já que a espera é inimiga da realização.

O caminho proposto é o da educação inclusiva para se alcançar a transformação tão necessária na sociedade. Romper com as práticas da exclusão social e educacional possibilita a constituição de uma sociedade verdadeiramente democrática. É nesta acepção que pensadores como Vygotsky, Paulo Freire e Foucault, dentre outros, contribuem significativamente para a construção desse novo modo de ser e viver.

A obra analisa as teses destes autores, no intuito de estabelecer um paralelo entre suas ideias, resguardando seus campos de atuação e pressupostos epistemológicos. A publicação é resultado de pesquisas desenvolvidas por bolsistas de Iniciação Científica, além de alunos e profissionais voluntários. Dentre eles, professores e especialistas das redes de ensino estadual, municipal e particular de Juiz de Fora e municípios vizinhos. O livro, que custa R$ 20, pode ser adquirido na Loja da Editora UFJF.

Professora da UFMG lança guia sobre lesões por esforço repetitivo
Nesta sexta-feira, 4 de dezembro, a professora do Departamento de Medicina Preventiva da UFMG, Ada Ávila Assunção, pós-doutora em Saúde Pública, lançou o livro “Lesões por esforços repetitivos – guia para profissionais de saúde”.

A obra tem como co-autora a médica do trabalho Lailah Vasconcelos de Oliveira Vilela, mestre em Saúde Pública e auditora fiscal da Superintendência do Trabalho e Emprego de Minas Gerais.

Segundo as autoras, o livro apresenta as características da enfermidade e, em seguida, guia o profissional do Sistema Único de Saúde (SUS) na exploração dos sintomas, com ênfase no estudo da dor. “Discute-se o peso dos fatores individuais e das atividades extraprofissionais na determinação da enfermidade e, ainda, são apresentados os elementos para esclarecer a natureza do fenômeno musculoesquelético associado ao trabalho”, explicam.

Ainda de acordo com elas, o guia não esgota o assunto. “Esperamos, contudo, fornecer ao leitor o panorama dos problemas frequentes enfrentados pelos profissionais de saúde diante dos trabalhadores com queixas musculoesqueléticas e as saídas propostas pelos pesquisadores e instituições especializadas em saúde do trabalhador”, destacam as autoras.

O livro será distribuído pelo SUS com apoio do Ministério da Saúde, por meio do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de Piracicaba, em São Paulo.

Pró-Reitoria de Assistência Estudantil lança livros do Projeto Conviver

A Pró-Reitoria de Assistência Estudantil da UFBA (Proae), através do Projeto Conviver, realizou, nesta quarta-feira (2) o lançamento dos livros “Diversidade” e “Convivência”, na Biblioteca Central Reitor Macedo Costa, no Campus de Ondina. Os dois livros tratam das temáticas Diversidade e Convivência na Universidade, sendo um de textos literários e outro de textos científicos, escritos por estudantes da Universidade cadastrados na Proae. Uma exposição de artes plásticas, que ficará aberta à visitação pública durante todo o dia, apresentações musicais com o Grupo Jemus, intervenção cênica com o Grupo de Dança da UFBA (GDC) e uma mesa redonda com o professor e poeta Ruy Espinheira Filho, além de outros convidados, também fazem parte da programação do lançamento. Para mais informações, os interessados devem entrar em contato com a organização do evento, através dos telefones (71) 3283-7815 / 7816.

Seminário no IGEO tem lançamento de livro sobre Milton Santos

“Encontro com o pensamento de Milton Santos – o homem e sua obra” é o título do livro que a Editora da UFBA (Edufba) lançado nesta terça-feira (1 de dezembro) no hall de entrada do Instituto de Geociências (IGEO). O livro reúne textos de diversos pensadores, sob a aorganização dos professores Maria Auxiliadora da Silva e Rubens de Toledo Junior. O lançamento integra a programação do Seminário J. Tricart, em comemoração ao Ano da França no Brasil.

 

Livro da Edufba traz reflexões sobre leituras afro-brasileiras

O livro “Leituras afro-brasileiras: territórios, religiosidades e saúde”, organizado por Ana Cristina de Souza Mandarino e Estélio Gomberg, tem lançamento neste sábado (dia 5 de dezembro). Trata-se de uma coletânea publicada pela Editora da Universidade Federal da Bahia (Edufba), com colaboração da Editora Federal de Sergipe, através de recurso do Fundo Nacional de Saúde (FNS) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O lançamento acontece no Terreiro Pilão de Prata, na Boca do Rio, a partir das 18h. A obra reúne 18 textos que expressam distintas reflexões sobre o suscitar da percepção de que em terras brasilianas, territórios, religiosidades e saúde foram apropriados pelos grupos afro-descendentes de acordo com suas particularidades e valores, seus interesses e suas interações junto à sociedade nacional. O livro também divulga reflexões, estudos e seus resultados produzidos por pesquisadores, além de agentes religiosos de diversas instituições. Mais informações: www.edufba.ufba.br, edufba@ufba.br e coedufba@ufba.br, ou (71) 3283-6160/6164.

Lançamento de livro sobre a Universidade será no próximo dia 17
 
Será lançado no próximo dia 17, às 9h, pela Editora Universitária, o livro “O Reitorado de Joaquim Amazonas através das Atas do Conselho Universitário da Universidade do Recife – 1946 a 1959”, de autoria do professor Evson Malaquias de Moraes Santos e da acadêmica Talita Maria Soares da Silva, ambos do Centro de Educação da Universidade. O lançamento acontecerá no auditório João Alfredo, no 1º andar da Reitoria.
 
A obra é parte de um trabalho que está reunindo dados bibliográficos da UFPE, como documentos administrativos, iconografia, livros e folhetos diversos, desde 1946 (fundação) até 1974. A Editora publicará a parte da pesquisa que já está concluída. Os livros decorrentes do estudo objetivam descomplicar o processo de pesquisa sobre a Universidade, com tudo organizado e sistematizado por tipos, páginas, autores, períodos, lemas, conteúdos, naturezas, periodizações e fontes de diversos documentos.
 
Mais informações: Professor Evson Malaquias (evson@uol.com.br)

Leonor Scliar-Cabral lança arqueologia das origens do alfabeto na forma de sonetos

A cientista da linguagem, autora e tradutora brasileira, professora titular aposentada pela UFSC, Leonor Scliar-Cabral, lança na próxima terça-feira (8/12), na forma de poesias, uma “arqueologia” das origens do alfabeto. A obra Sagração do Alfabeto já foi lançada na Universidade de Évora, em Portugal, e na Livraria Cultura, em São Paulo. Agora será apresentada em Santa Catarina, no hall da Reitoria da UFSC, com a leitura de sonetos nas cinco línguas em que são apresentados na obra: português, inglês, francês, hebraico e espanhol.

Com a nova publicação (são dezenas de trabalhos no Brasil e exterior), a linguista presta seu tributo a um dos maiores feitos do homem na acumulação do saber: a invenção do alfabeto. E dá novo vigor ao soneto, forma que muitos jovens poetas considerada superada.

“Sagração do Alfabeto, não hesito em dizer, é um dos projetos poéticos mais belos e originais de que tenho conhecimento. Confluem nele não apenas a vocação poética de Leonor, como também sua enorme cultura linguística e ainda a tradição judaica, que no caso dela, não tem origem religiosa, mas sim histórica, cultural”, destaca na apresentação do livro Moacyr Scliar, um dos mais conhecidos escritores brasileiros da atualidade. “Ela recupera em cada letra o seu simbolismo histórico e o usa como inspiração para seus poemas. Ela reaviva antigas e profundas tradições poéticas”, enfatiza o escritor, “primo, amigo, admirador e até discípulo”, da autora.

A publicação mostra que a trajetória para da escrita desenvolve um lento percurso desde a fase em que as idéias são expressas por meio de figuras e cenas (tradução da realidade do mundo, a descrição das coisas), passando pelos ideogramas, até chegar à etapa fonográfica, que representa a fala. Na série de 22 sonetos a autora retoma a ligação entre os hieróglifos e o alfabeto fenício, que representa a escrita quase chegando à fase de sinais.

Leonor Scliar ensina, dessa forma, como transcorreram etapas fundamentais do desenvolvimento da linguagem humana. Um dos primordiais é aquele em que o som é fixado por meio de um desenho que o representa. Nas fases seguintes acontece a simplificação e abstração do desenho, que não guarda mais relação com a realidade e resulta numa economia de custos para a memória e no aumento gigantesco da produtivo dos sistemas escritos. A edição é enriquecida pelo traçado do poeta e artista plástico Rodrigo de Haro.

A autora
Leonor Scliar-Cabral nasceu em Porto Alegre, em 1929. É doutora em Linguística pela USP e professora emérita. Titular aposentada pela UFSC, é pós-doutora pela Universidade de Montreal e em 1991 foi eleita pela Universidade de Toronto presidente da International Society of Applied Psycholinguistics, sendo reeleita pela Universidade de Bolonha. Atualmente é presidente de honra da sociedade.

Foi presidente da União Brasileira de Escritores em Santa Catarina (1995-1997) e presidiu a Associação Brasileira de Linguística (Abralin) no biênio 1997-1999. Pesquisadora do CNPq desde a década de 70, atualmente é coordenadora do Grupo de Pesquisa Produtividade Linguística Emergente, alimentando o Childes, o maior banco de dados sobre linguagem do mundo.

 

Professor da Ufop lança livro sobre Almanaque Abril

Obra é lançada nas cidades de Belo Horizonte e Mariana

O livro O tempo presente entre a história e o jornalismo – A máquina da memória, do professor de História da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), Mateus Henrique de Faria Pereira, será lançado nesta sexta-feira, 04 de dezembro, às 18h30, na Quixote Livraria e Café (Rua Fernandes Tourinho, 274, Bairro Funcionários, Belo Horizonte) e em 09 de dezembro, quarta-feira, às 19h30, no Scotch e Art, Bar (Praça Minas Gerais, 57, Centro, Mariana).

A obra percorre a história do Almanaque Abril, lançado em 1974 pela Editora Abril, e discute as seguintes questões: como compreender e explicar o feito dessa obra que, em sua campanha publicitária de 1984, definiu-se como uma Máquina da Memória? O Almanaque Abril é um almanaque? Como jornalistas e historiadores usam o passado, abusam dele e o representam? Os historiadores detêm o monopólio do passado? Por quais razões uma história dita factual, tradicional e cronológica é desejada e solicitada pelos leitores de textos históricos? A história singular coletivo ainda faz e produz sentido?

A máquina da memória narra com riqueza de detalhes as estratégias editorias adotadas pelo Grupo Abril. As pesquisas realizadas por Mateus Pereira abrangeram as edições de 1974 a 2006 e procuram mostrar, numa análise densa, mas de leitura estimulante, o que o autor chama de “tempo presente” a partir da leitura das páginas do Almanaque Abril. O autor também acredita que a obra despertará interesse especial entre profissionais de jornalismo e acadêmicos, em particular professores de História.

 

 

Compartilhar