Lançamentos das Editoras Universitárias – Setembro de 2009

Lançamentos das Editoras Universitárias – Setembro de 2009

História do Partido dos Trabalhadores é analisada em livro lançado em São Carlos
A EdUFSCar lançou neste mês o livro "O Partido dos Trabalhadores e a política brasileira (1980-2006) – uma história revisitada". A obra, que reúne textos de vários pesquisadores do País, é organizada por Marco Antonio Villa, professor do Departamento de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Políticas da UFSCar, e por Vitor Amorim de Angelo, doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFSCar e pesquisador do Instituto de Estudos Políticos de Paris, na França.
O livro apresenta a história do Partido dos Trabalhadores (PT) entre os anos de 1980 e 2006. Várias questões são debatidas ao longo dos dez capítulos da obra: as mudanças no modelo organizativo petista; a atuação de suas correntes internas; a relação do partido com o Estado e a sociedade civil; as propostas implementadas pela legenda em suas administrações; sua atividade na Câmara dos Deputados; as campanhas presidenciais das quais o PT participou; e as transformações político-ideológicas da legenda, dentre outros temas.
O livro já está disponível para venda na Livraria da EdUFSCar, localizada na área Norte do campus São Carlos da UFSCar. A obra também pode ser adquirida pela Internet, em www.editora.ufscar.br. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (16) 3351-8962.

Professor do Departamento de Ciências Administrativas da UFPE lança livro
A Editora Universitária da UFPE lançou o livro “Marketing online: o consumidor na internet”, organizado e de co-autoria do professor Salomão Farias, juntamente com pesquisadores, mestrandos e doutorandos do Centro de Estudos em Marketing e Pessoas, grupo de pesquisa vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Administração (Propad) da Universidade. O livro está disponível na Editora Universitária e custa R$ 35,00.
A obra apresenta ao leitor tópicos atuais no estudo do marketing aplicado as transações comerciais na internet e em produtos tecnológicos. A ênfase é dada ao consumidor do ambiente virtual da internet. São discutidos temas como a experiência extraordinária online, os riscos percebidos neste meio de compra, as emoções que surgem quando da compra online e suas implicações para as empresas e consumidores, telepresença e a sobrecarga de informações.
USP homenageia os 87 anos do professor da UFU, Dr. Kerr
O cientista e pesquisador Warwick Estevam Kerr, da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), completou no, dia 9 de setembro, 87 anos e recebeu como homenagem um livro produzido por ex-alunos que foram orientados por ele durante suas pesquisas. A iniciativa foi dos professores das Faculdades de Medicina, Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto
A publicação reúne 33 artigos de trabalhos científicos de altíssimo nível, avaliou o professor Dr. Leonel Segui Gonçalves, um dos idealizadores do projeto. “Este importante trabalho será distribuído em todo o Brasil e até mesmo no exterior, já que o livro foi editado em inglês”, comentou. A edição não será comercializada, ela é fruto das publicações divulgadas no site da Fundação de Pesquisas Científicas de Ribeirão Preto (Funpec). “Decidimos produzir uma versão impressa para homenagear o Dr. Kerr e distribuir nas bibliotecas presenteando também os alunos”, comentou Dr. Leonel.

Livro ressalta estudo das festas religiosas na formação da cidade
Quarto volume da Coleção Bahia de Todos, o livro “Alma e festa de uma cidade: devoção e construção na Colina do Bonfim”, de Mariely Cabral de Santana, tem como princípio o estudo das festas religiosas entendidas como fenômeno cultural gerador de imagens e signos da vida coletiva. A busca da autora é de compreender a formação da cidade de Salvador e a relação entre os diferentes grupos culturais que compõem a sociedade baiana. Tal investigação foi desenvolvida através da análise da ocupação da Península de Itapagipe, na Cidade Baixa, e do seu crescimento a partir da festa em homenagem ao Senhor do Bonfim. A Editora da Universidade Federal da Bahia (Edufba) e a Assembleia Legislativa do Estado da Bahia coeditam este título, lançado no dia 18 de setembro no Palacete das Artes Rodin Bahia (Graça).
O livro mostra a diversidade, as tensões e os conflitos que caracterizam a dinâmica cultural soteropolitana, bem como o papel da Igreja e do Estado no comportamento da estrutura e da população da cidade. Apresenta, ainda, uma discussão sobre a historiografia de Salvador e os novos conceitos sobre patrimônio cultural, procurando inserir as festas religiosas, de ampla participação popular e apropriação do espaço público, como mais um elemento de estudo da história e da evolução urbana da capital.

Professor da UFBA alia Matemática e História em novo livro
“Como tornar já a ação pedagógica mais eficaz relativamente ao conhecimento matemático?” – é esta a pergunta que orienta o conteúdo do livro “A razão e o tempo: trilhas da Matemática na teia da História”, do professor Robinson Tenório. Sugerindo que a resposta da pergunta se encontra na interseção entre Matemática e História – entre a razão e o tempo –, o autor defende que a incursão no universo dos números depende da capacidade de leitura do mundo. A obra trata da importância da História para o ensino da Matemática e das relações de ambas também entre construtivismo e sociedade. Aprofunda-se, dentre outros, no conhecimento de geometria, quarta dimensão, espaço, topologia e física para apresentar como se dão as analogias e a força comunicativa do entendimento matemático. O lançamento, pela Edufba, ocorreu no último dia 16 de setembro na Faculdade de Educação da UFBA (Faced).

Experiências na Creche UFBA ilustram obra da Eudfba
Fruto de dissertação de mestrado em Educação pela Universidade Federal da Bahia, o livro “Ludicidade e educação infantil”, de Vera Lúcia da Encarnação Bacelar, Compreende a ludicidade como um fenômeno subjetivo que pode ser entendido pelos vieses da história, da sociologia e da antropologia cultural. A pesquisa gira em torno de questões que pretendem entender como um educador pode se certificar de que crianças tenham vivido experiências lúdicas durante o aprendizado, utilizando-se de metodologia desenvolvida para testar a hipótese de que a leitura da linguagem psicocorporal pode ser o meio mais adequado de identificar os resultados. A base teórica se desenvolve a partir dos conceitos de educação infantil e ludicidade, consultando Jean Piaget e André Lapierre na discussão sobre o desenvolvimento infantil. A expressão psicocorporal é compreendida de forma fenomenológica e o papel do educador, em seus saberes e desafios, se desenha neste contexto. Experiências vividas na Creche UFBA ilustram o conteúdo e encaminham às conclusões da obra, lançada no último dia 10 de setembro.

Difusão e cultura científica: alguns recortes, organizado por Cristiane de Magalhães Porto
O livro Difusão e cultura científica: alguns recortes, organizado pela pesquisadora, professora e doutoranda Cristiane de Magalhães Porto, do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia, apresenta 10 artigos que discutem o tema com abordagem multidisciplinar e contemporânea. O objetivo é de contribuir para a formação de uma cultura científica no Brasil.
Com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb) e edição da EDUFBA, o livro reúne textos de Adroaldo de Jesus Belens (graduado em Filosofia, mestre em História), Danilo de Almeida Moraes (estudante de Jornalismo, bolsista de Iniciação Científica da Fapesb), Flávia Goulart Mota Garcia Rosa (graduada em Comunicação, mestre em Ciência da Informação, doutoranda em Comunicação, diretora da Edufba, presidente da ABEU), Humberto dos Santos Filho (graduado em Ciências Econômicas, mestre em Administração, doutor em Engenharia de Produção), Leriane Silva Cardozo (graduada em Administração de Empresas, mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente), Simone Terezinha Bortoliero (graduada, mestre e doutora em Comunicação Social), Wagner dos Santos Ferreira (estudante de Jornalismo, bolsista de Iniciação Científica da Fapesb) e Wilson Costa Bueno (graduado, mestre e doutor em Comunicação), além da própria organizadora.

Livro debate interpretação através de Lacan e da psicanálise
Hermenêutica, segundo o dicionário Aurélio, é a interpretação do sentido das palavras. Pois é através das palavras, reunidas no livro A interpretação na clínica – da hermenêutica à psicanálise que Carlos Augusto Monguilhott Remor passeia pela trajetória da interpretação, analisando a psicanálise e o chamado real lacaniano.
Professor e chefe do Departamento de Psicologia da UFSC, o autor tem como foco, na obra voltada aos profissionais da psicologia, a interpretação relacionada a diversos tópicos, como a leitura, as ciências humanas, a metáfora e a metonímia e os sonhos.

Literatura de viagem na época de Dom João VI
Günther Augustin (Editora da UFMG)
A viagem pelos rios Amazonas, Negro, Solimões e Japurá é uma viagem dentro da viagem quando os viajantes sentem o equilíbrio e a harmonia entre terra e sol. A partir dessa relação, Martius chega a refletir sobre a dominação, a submissão e a possibilidade da livre aceitação das leis naturais. Reconhecemos em alguns instantes elementos dos discursos da Europa civilizada, do encontro do Ocidente com o Oriente, da alma, do paraíso perdido, da terceira dimensão cósmica, do sagrado, da harmonia, do idealista, do moralista e do colonizador expansionista.

O amante da algazarra – Nietzsche na poesia de Waly Salomão
Flávio Boaventura (Editora da UFMG)
Poesia e alegria. Poesia e transgressão, desterritorialização, forma enviesada de pensamento – “acontecimento sem certezas demarcatórias”. Tal é o recorte privilegiado por Flávio Boaventura no presente estudo da poesia de Waly Salomão, em que o pensamento trágico de Nietzsche, no que ele tem de mais essencial, avulta, como repúdio à mesmice e ao engessamento, e como consagração da gargalhada, em saudável substituição – própria das grandes obras, como lembra Deleuze – às “angústias de nosso pequeno narcisismo ou terrores de nossa culpabilidade”. Na ainda escassa fortuna crítica sobre a obra de Waly Salomão, este estudo vem contribuir para o preenchimento de uma lacuna e estimular o diálogo com outros estudiosos de poesia; mas, sobretudo, pela análise cuidadosa e pertinente, vem fazer justiça a um dos grandes poetas dos últimos tempos no Brasil.

A Bolívia no espelho do futuro
José Maurício Domingues, Alice Soares Guimarães, Aurea Mota, Fabricio Pereira da Silva (org.) (Editora da UFMG)
Ao longo de toda sua história a Bolívia foi um país de fortes mobilizações e peculiar dinâmica social e política. O começo do século XXI reiterou essas características, com um intenso processo de mudança social que chamou a atenção de todo o mundo, em particular a partir da ascensão de Evo Morales e do Movimento ao Socialismo (MAS) ao poder em 2006. Movimentos indígenas, nacionalismo, conflitos com a oposição regional, luta por uma nova inserção internacional, democratização e confecção de uma nova constituição são os temas que se destacam no agitado cenário boliviano.

Borges e outros rabinos
Lyslei Nascimento (Editora da UFMG)
A biblioteca, o labirinto e o Aleph são, para muitos, as principais chaves de leitura da obra borgiana. Porém, o necessário olhar para as franjas do texto borgiano passa pela apaixonada leitura de Borges sobre a tradição judaica. Em vez de elencar todas as referências e citações judaicas da obra de Jorge Luis Borges, este livro segue um traço indelével que constitui, de forma estrutural, sua obra, ou seja, a tradição judaica. Borges desfrutou de uma condição privilegiada para um pensamento aberto e plural, organiza o passado, com seu léxico, seus procedimentos e temas. Um texto a ser reinventado, um arquivo aberto.

O diabrete angélico e o pavão – enredo e amor possíveis em Brás Cubas
João Almino (Editora da UFMG)
Apresenta uma leitura de Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, destacando o enredo e a história de amor possíveis, privilegiando, nesta leitura, o explicitamente enunciado e o claramente lacunar. Nesta obra traz ao primeiro plano a personagem feminina Virgília.

Literatura para quê?
Antoine Compagnon (Editora da UFMG)
Em tempos em que no mundo inteiro lê-se cada vez menos, Antoine Compagnon propõe-se corajosamente a responder à pergunta que intitula sua Aula Inaugural no Collège de France : Literatura para quê ? é uma reflexão lúcida sobre os poderes da literatura que coloca em relevo a convicção de que a literatura ainda cumpre uma função no mundo de hoje. E que seu papel continua a ser insubstituível.

Olhares críticos – estudos de literatura e cultura
Graciela Ravetti; Marli Fantini (org.) (Editora da UFMG)
As ideias, críticas e reflexões inseridas nos textos que compõem este livro traduzem as mais relevantes e fecundas dentre as atuais pesquisas voltadas para os estudos literários. É indiscutível que os temas tratados nesta obra são de grande relevância para a formação universitária na área de Literatura. O livro reúne escritos de Benjamin Abdala Junior, Dilma Castelo Branco Diniz, Elisa Amorim Vieira, Érica de Lima Melo Garcia, Evaldo Balbino, Fernando Ferreira da Cunha Neto, Graciela Foglia, Graciela Ravetti, Heloisa Toller Gomes, Horácio Costa, Ivana Melhem Deoud, João Batista Cardoso, José Américo Miranda, Juan Pablo Chiappara, Juliana Helena Gomes Leal, Júlio Cesar Machado de Paula, Júlio César Vitorino, Luiz Claudio Vieira de Oliveira, Márcia Arbex, Marcos Antônio Alexandre, Maria Antonieta Pereira, María de los Ángeles González, Maria Lúcia Jacob Dias de Barros, Marli Fantini, Pablo Rocca, Paloma Vidal, Romulo Monte Alto, Sabrina Sedlmayer, Sara Rojo, Sergio Alves Peixoto, Volker Jaeckel e Yurgel Pantoja Caldas.

Topografias da cultura – representação, espaço e memória
Graciela Ravetti; Maria Zilda Cury; Myriam Ávila (org.) (Editora da UFMG)
Traz ensaios dos seguintes autores: Ana Maria Chiarini, Fernando Mencarelli, Flavio Barbeitas, Graciela Ravetti, Luis Alberto Brandão, Marcos Antônio Alexandre, Maria Zilda Cury, Myriam Ávila, Roberto Mulinacci, Roberto Vecchi, Sandra Regina Goulart Almeida e Sara Rojo.

A ESPECIFICIDADE DA AÇÃO AFIRMATIVA NO BRASIL: O caso do Centro Nacional de Cidadania Negra em Uberaba – MG (Márcio Mucedula Aguiar) (Editora da UFGD)
A problemática das desigualdades étnicorraciais sempre esteve presente no pensamento social brasileiro. O final da década de 90 marca um momento de inflexão, quando o Programa Nacional dos Direitos Humanos reconheceu a existência do racismo e da discriminação no Brasil e “acenou” para a possibilidade de criação de políticas específicas para reverter essas desigualdades historicamente construídas. Esta obra descreve de forma sintética as principais interpretações sobre as relações raciais no Brasil e discute a implementação das chamadas ações afirmativas no Brasil, levando em consideração as especificidades de nossas relações raciais.

DIREITOS FUNDAMENTAIS SOCIAIS: Estudos em homenagem aos 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos e aos 20 anos da Constituição Federal (Helder Baruffi – org.) (Editora da UFGD)
Passados 60 anos da promulgação da Declaração Universal dos Direitos Humanos, ato que inaugura a “Era dos Direitos”, em âmbito mundial observa-se que muito ainda há por se fazer na defesa destes. No plano interno, ao fim de 20 anos da vigência da Constituição de 1988, pode-se notar avanços, embora perdure uma grande distância entre as estruturas constitucionais de defesa dos Direitos dos indivíduos e os constantes abusos. O objetivo central desta obra é contribuir para o interesse e desenvolvimento de estudos acerca dos direitos fundamentais sociais, na busca de sua efetiva realização.

DISCURSO INDÍGENA: Aculturação e polifonia (Rita de Cássia Pacheco Limberti) (Editora da UFGD)
Este é um trabalho de análise semiótica que tem como objeto duas entrevistas de história oral de vida, gravadas e transcritas, publicadas no livro “Canto de Morte Kaiowá”, de José Carlos Sebe Bom Meihy, Edições Loyola, 1991. A análise identifica processos discursivos que revelam a presença de duas vozes no discurso híbrido do índio: a voz do próprio índio e a voz do branco. A proximidade da Reserva em que habitam os kaiowá da cidade de Dourados e o intenso processo de confronto cultural a que são submetidos há muitos anos pode explicar esse fenômeno lingüístico.

LOUCURA(S) E FAMÍLIA(S): Análise de práticas discursivas (Cristine Görski Severo) (Editora da UFGD)
Motivado pela Lei n° 10.216, de 6 de abril de 2001 – que propôs um novo paradigma de assistência à saúde mental, visando o fechamento dos manicômios do país – este livro discute a maneira pela qual “loucura” e “família” são produzidas arqueológica e genealogicamente pelo discurso anti-manicomial. A partir de um olhar foucaultiano, analisa tal discurso no que diz respeito à maneira pela qual este reconta/produz, politicamente, a loucura e a família como objetos do saber.

ÑANDE RU MARANGATU: Laudo antropológico e histórico sobre uma terra kaiowa na fronteira do Brasil com o Paraguai, município de Antônio João, Mato Grosso do Sul
(Jorge Eremites de Oliveira e Levi Marques Pereira) (Editora da UFGD)
O livro é a publicação de um laudo antropológico e histórico sobre a terra reivindicada por uma comunidade Kaiowa que vive no distrito de Campestre, município sul-mato-grossense de Antônio João, na fronteira do Brasil com o Paraguai. Naquela região, índios da etnia Kaiowa, fazendeiros e trabalhadores rurais disputam judicialmente a posse de uma área identificada pelo órgão indigenista oficial como a Terra Indígena Ñande Ru Marangatu. A obra trata de um assunto bastante polêmico na atualidade, que tem despertado interesse de um público cada vez maior.

TOMÉ, O APÓSTOLO DA AMÉRICA: Índios e jesuítas em uma história de apropriações e ressignificações (Thiago Leandro Vieira Cavalcante) (Editora da UFGD)
Desde o início da conquista e colonização da América foi difundida a idéia de que o apóstolo Tomé teria vindo para o continente com o objetivo de pregar o evangelho aos indígenas. Ao que tudo indica o mito surgiu da junção entre um mito cristão e um mito indígena. Ao longo dos séculos XVI e XVII, com a chegada dos jesuítas, esse mito sofreu novas apropriações e ressignificações. Este trabalho analisa tais apropriações, que foram cunhadas com a intenção de responder aos problemas específicos de cada momento histórico, e também se envereda para a discussão a respeito da racionalidade nativa.

UMA POÉTICA DO DESLIMITE: poema e imagem na obra de Manoel de Barros (Renato Suttana) (Editora da UFGD)
O presente ensaio se constitui numa leitura da poesia de Manoel de Barros, tomando como ponto de partida a noção de imagem poética. A perspectiva central é de que a imagem, situando a questão da linguagem no poema, remete a uma interrogação sobre as relações entre palavras e coisas, em uma semântica que se torna peculiar a toda a poesia do autor. Ao assumir o poema como objeto de uma prática onde se interroga o universo da linguagem, busca-se sobretudo perceber aqueles pontos onde seja possível pensar também as formas de uma superação.
 
Programa de Recursos Humanos da ANP e UFPE faz exposição e lança livro 
Entre 21 e 25 de setembro, a UFPE dá espaço à Exposição Comemorativa dos 10 anos do Programa de Recursos Humanos da Agência Nacional do
Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (PRH-ANP), do Ministério da Ciência e Tecnologia, que promove a formação e qualificação de graduandos, mestrando e doutorandos, com vistas à sua inserção profissional. O evento ocorrerá todos os dias das 8h30 às 17h, no Auditório Newton Maia, do Centro de Tecnologia e Geociências. 
Durante a Exposição, será lançado um livro de depoimentos que reúne vários relatos de profissionais e pesquisadores sobre suas experiências junto ao PRH. Para a programação, também foram organizadas palestras, visita a stands, e várias homenagens. Além disso, está prevista a participação do superintendente da ANP, Florival Rodrigues de Carvalho; de técnicos da Agência; de alunos ligados ao PRH; e de empresas parceiras como Petrogal,Petroquímica Suape, Copergas, Sebrae, White Martins e Gebetz.
 
Ex-vice-reitor da UFPE lança livro na VII Bienal Internacional do Livro de Pernambuco
Geraldo Pereira, ex-vice-reitor da UFPE, lançará, pela editora Bagaço, livro de crônicas na VII Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, que acontecerá entre os dias 2 e 12 do próximo mês. Com o título: "Histórias pitorescas de um reitor e o pitoresco de outras histórias", o volume reúne crônicas que foram publicadas no blog do próprio autor, algumas das quais representando narrativas de seu tempo na Reitoria.
 
Docentes lançam livros na Semana Acadêmica da UFTM

Semana Acadêmica da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, realizada de 22 a 26 de setembro, conta em sua programação com lançamento de quatro publicações.
De autoria de professores da UFTM, da Universidade Federal de Uberlãndia e do Centro Universitário do Planalto de Araxá – UniAraxá, os livros abordam assuntos como a influência do neoliberalismo nas políticas educacionais, a participação de mulheres e crianças na imprensa paulista, a história e a memória de uma comunidade rural de Araxá e a importância das letras na construção das identidades.
A professora Glaura Teixeira Nogueira Lima, lança o livro Viver no Mourão Rachado – história e memória de uma comunidade rural de Araxá.
Para a autora, a divulgação dessa história, fundamentada em valores como fé, amizade, trabalho e hábitos culturais, possibilitará não apenas a compreensão e a preservação de um patrimônio cultural que é de todos nós, mas também a reflexão acerca de princípios ancorados na simplicidade e na solidariedade.
A professora Maria Célia Borges Dalbério, do Curso de Letras da UFTM, lança Neoliberalismo – Políticas educacionais e a gestão democrática na escola pública de qualidade.
A autora, influenciada por ideias de grandes pensadores como Paulo Freire, Foucault, Lobrot, entre outros, tem como objetivo discutir os conceitos de neoliberalismo e de globalização e suas influências nas políticas educacionais, focando na qualidade de ensino das escolas públicas, onde se encontra a maioria das crianças e dos jovens brasileiros.
A professora Raquel Discini de Campos, da Universidade Federal de Uberlândia, em Mulheres e crianças na imprensa paulista, busca demonstrar como os jornais, na primeira metade do século 20, tentavam educar o público leitor utilizando-se de diversos artifícios.
Já o professor Marcelo Lapuente Mahl, do Curso de História da UFTM, colabora com a obra, Letras e identidades – São Paulo no século XX, capital e interior.
Para o autor, nas últimas décadas, o tema das identidades ganhou grande relevância nas ciências humanas, em particular entre os historiadores. Os ensaios deste livro inserem-se nessa linha de investigação com o objetivo de compreender a importância das letras na construção das identidades em solo paulista entre o final do século XIX e a segunda metade do século XX.

Editora de Paris publica livro de professor da UFPB

A obra, editada pela L'Harmattan, é uma síntese de uma década de pesquisa de Didier Guigue junto com o grupo de Pesquisa Mus3, ligado ao Departamento de Música

O Professor Didier Guigue, atual Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Música da UFPB, está lançando o livro “Esthétique de La Sonorité” pela prestigiosa editora acadêmica  francesa  L'Harmattan, como parte da série Musique-Philosophie.

O professor Didier disse que o livro constitui a síntese de uma década de trabalhos realizados com o Grupo de Pesquisa Mus3 que fundado e coordenado por ele na UFPB., “Contei com a colaboração de gerações de estudantes de graduação, na modalidade PIBIC, e de alguns estudantes do Mestrado em Música". Parte de um dos capítulos deste livro já tinha sido publicado em 2007 na Inglaterra,  pela Editora Ashgate.

Ensaio no campo da musicologia sistemática, o livro, cujo título completo pode se traduzir como “Estética da Sonoridade: A herança debussysta na música para piano do Século XX”, parte do consenso de que, no decorrer do Século XX, o som se tornou uma questão central na música. Segundo Makis Solomos, autor do prefácio, Didier Guigue propõe sobre o tema, novas e importantes balizas. Solomos considera que por meio da abordagem holística de uma seleção de grandes obras para piano, sustentada por uma metodologia original, o professor da UFPB consegue reunir compositores tão diferentes quanto Debussy, Messiaen, Boulez, Stockhausen, Berio, Crumb e Lachenmann, dentro de uma estética comum, uma estética da “sonoridade”.

A publicação do Prof. Didier Guigue, que também é pesquisador e consultor do CNPq, é um exemplo concreto da pesquisa de ponta realizada na UFPB, além de demonstrar a capacidade de inserção internacional da instituição.
A próxima etapa deste projeto consiste em tentar encontrar subsídios para publicação deste trabalho no Brasil, em português.

O livro, de 428 páginas pode ser adquirido diretamente no site da Editora L'Harmattan, através do link : http://www.harmattan.fr/index.asp?navig=catalogue&obj=livre&no=29398

 

Compartilhar