Livro da EdUFSC tira da invisibilidade os negros da Ilha de SC

Livro da EdUFSC tira da invisibilidade os negros da Ilha de SC

O dever cabe ao Estado e o direito é da sociedade, mas só os pesquisadores e historiadores parecem mostrar-se capazes e à altura de recuperar e resgatar a memória e a história de um povo, de uma cidade e de uma raça. Assim, em 12 artigos, o livro História diversa – Africanos e Afrodescendentes na Ilha de Santa Catarina, organizado por Beatriz Gallotti Mamigonian e Joseane Zimmermann Vidal, e escrito por 14 autores, devolve a visibilidade negada ou obliterada dos africanos e descendentes dos tempos de Desterro até os dias de hoje de Florianópolis.

Apresentando conteúdos jamais ensinados na escola ou na universidade, o livro publicado pela Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (EdUFSC) insere o Estado na história do Atlântico Negro, “uma história partilhada por habitantes da Europa, das Américas e da África que enfatiza o protagonismo dos africanos e de seus descendentes na formação no Novo Mundo”.

Viabilizado através de edital de pesquisa da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc), o livro realça que “a história compartilhada do Atlântico Negro aborda as transformações culturais, resistências e lutas das populações de origem africana contra a escravidão, a exploração, o racismo e outras formas de opressão”. Nessa história, acrescentam os organizadores, “os territórios da diáspora africana “encontram-se “conectados”.

Divisor de águas no ensino de História no Brasil e em SC, o livro, além de disponibilizado pela EdUFSC, será distribuído em escolas públicas. A coletânea, sem esquecer dos povos indígenas, arranca da invisibilidade a população negra de Florianópolis. E, simultaneamente, recupera e valoriza a cultura, a história e a memória de Desterro. A pesquisa, de alguma forma, reconquista o espaço que Florianópolis tinha perdido ou negligenciado na História do Brasil. Nos livros didáticos, por exemplo, protagonistas negros são raros. A Ilha é relacionada “quase exclusivamente” aos açorianos e SC aos europeus. História Diversa discorda e escancara a diversidade. Cruz e Sousa aparece como ícone, embora desprezado.

O livro não se garante apenas na história local ou regional. A invisibilidade do negro é recorrente em outras regiões do Brasil e da América Latina. O racismo e o preconceito não pararam na História. As histórias de escravidão, exploração, preconceito, racismo, injustiça, heroísmo, resistência, sobrevivência e loucura povoam e expõem História Diversa. Recuperar a visibilidade é o objetivo pretendido pela EdUFSC.

História Diversa traça um amplo panorama da cultura da população negra. Paralelamente retrata o cenário de sofrimento, perseguições, prisões e exploração. Ao mesmo tempo destaca a revolta, a luta e a resistência. Mostra, por exemplo, a organização social e política através das irmandades, dos clubes e dos quilombos. E não deixa de enfatizar a arte, as festas, o folclore, a dança, o esporte e a música. Enfim, ao recuperar as manifestações culturais, políticas e sociais, reforça a visibilidade dos africanos e afrodescendentes na Ilha e de outras cidades catarinenses e brasileiras.

Ascom UFSC

 

The Greek Bailout and the Market
free games online Giada is making a California inspired backyard feast on Giada at Home

military families at the Cinderella
online games In episode one

How to Dress for People in Their 50s
cheap flights research the actual other hand belief of a american gals in advertising and marketing techniques to

The Dead Weather Salt Lake City 2009 Show Review
onlinegames The world is literally up to its nuts in dummies

Monster Beats Turbine Perfect For Running
jeux there are no silly gravity defying moves

The Right Fit for Petite Women
kleider There are plenty of options

Dress Like Her for Less
ballkleider why are you stopping

Fashion in the Late 1970s for Women
games peak 10 ignored vampire pictures

Compartilhar